segunda-feira, 22 de novembro de 2010

A travessia do Mar Vermelho estudada por cientistas - 2

Travessia do Mar Vermelho, Ivan Aivazovsky
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Há muita discussão científica séria sobre qual foi o local exato da travessia.

A maioria dos cientistas que estudam o texto bíblico, e que são citados pelos autores Carl Drews e Weiqing Han, julgam que a melhor tradução para o nome hebraico “Yam Suph” não é “mar Vermelho”, mas sim “mar de Caniços”.

Esta denominação geográfica designa uma área pantanosa (daí os caniços, plantas aquáticas) onde o Nilo encontra o mar Mediterrâneo.

E, de fato, as rochas e sedimentos da região do delta do Nilo nessa época apontam a presença de um grande braço do rio que se conectava com uma lagoa salobra, chamada “lago de Tânis”.


O vento do oriente descrito no Êxodo, segundo esta tese científica, teria feito recuar as águas rasas (com cerca de 2 m de profundidade) do braço do Nilo e do lago.

Isso teria permitido a passagem de Moisés e seu povo para longe dos guerreiros do faraó.

Há uma certa hostilidade contra o professor Drews porque é cristão e tem um site no qual defende a compatibilidade entre ciência e fé. Mas esta hostilidade não é parte da ciência e se insere num debate filosófico-teológico.

Han e Drews não pretendem ter provado o milagre do ponto de vista sobrenatural e religioso. É razoável, pois não é esta tarefa do cientista.

Eles sustentam que os fatos naturais referidos na narração bíblica não contrariam a ordem da natureza e mostram como poderiam ter acontecido.

Os cientistas citam a ocorrência de fenômenos parecidos em épocas mais ou menos recentes.

Um vento conseguiu façanha parecida em 2006 e 2008 no lago Erie, nos EUA. No fim do século 19, oficiais britânicos viram algo do gênero acontecer no próprio Nilo.

O recuo das águas pelo vento no Nilo foi testemunhado pelo major-general Alexander Tulloch, do Exército britânico, em 1882 no lago Manzala, norte do Egito. Ele escreveu em artigo:


“Certo dia, uma rajada de vento leste se tornou tão forte que tive de parar de trabalhar. Na manhã seguinte, descobri que o lago Manzala tinha desaparecido totalmente. O vento na água rasa havia levado o lago para além do horizonte, e os nativos estavam caminhando na lama, num local onde, no dia anterior, havia barcos de pesca flutuando n'água.”

Veja vídeo
Travessia do Mar Vermelho
pode ser confirmada
cientificamente
O próprio Tulloch ficou impressionado pela similitude entre o que viu e o relato do Êxodo.

“Ao notar esses efeitos extraordinários, passou pela minha cabeça que eu testemunhara um evento similar ao que aconteceu entre 3.000 e 4.000 anos atrás, na época da travessia do chamado mar Vermelho pelos israelitas”, escreveu o oficial.

É de se notar apenas que o fenômeno foi semelhante mas não idêntico: os judeus atravessaram a pé enxuto enquanto que os nativos caminhavam na lama.

O milagre consistiu em que Deus fez acontecer esse fenômeno natural: “um vento impetuoso vindo do oriente, que soprou toda a noite” que “pôs o mar a seco”.

O fenômeno raríssimo se não é único através dos séculos e dos milênios, aconteceu no exato momento em que os judeus iam ser capturados ou mortos pelos egípcios.

E as águas fecharam-se no exato momento em que o exército do faraó estava no meio.

O gesto de Mosés estendendo as mãos sobre as águas ‒ um gesto de mando e oração ‒ do ponto de vista humano é absolutamente incapaz de produzir os fenômenos de abrir as águas e depois fechá-las, aliás num momento tão específico como se lhe obedecessem.

Esse fenômeno provocado pelo gesto de um profeta de Deus sim constitui um milagre clamoroso.

Deus quis a oração do profeta para mostrar que:

1) só Deus podia desencadear esse jogo de forças da natureza com pasmosa coincidência, e

2) Moisés era o enviado dEle e sem a mediação do profeta Deus não teria feito o milagre.

Há outras hipóteses científicas sobre o local exato do milagre que ainda estão sendo discutidas.

O trabalho dos cientistas Carl Drews e Weiqing Han tem o mérito de confirmar o relato bíblico em seu aspecto natural, que para alguns fracos de fé podia parecer fantasia.

Se nesse ponto prático a Bíblia, mais uma vez, tem razão, então, em sã lógica é criterioso supor que o milagre aconteceu como a Revelação e a Fé nos ensinam.


Vídeo: travessia do Mar Vermelho pode ser confirmada cientificamente



6 comentários:

  1. eu não preciso de ciéncia.para acreditar no meu DEUS no que está escrito na biblia sagrada..essas pesquisas air ajuda os não crentes.pois as pessoas sempre querem um motivo para questionar so que eu so creio.no poder de DEUS e na morte e reisureissão do senhor jesus.

    ResponderExcluir
  2. para todos os padres e bispos cardias..vcs tem o dever de pregar jesus cristo como senhor o salvador..vcs faz muito culto para santos so que o unico que morreu e resucitou ao terceiro dia foi o senhor jesus..assim vcs confunde as pessoas a quem devo clamar. quem vai me salvar??? so jesus salva

    ResponderExcluir
  3. voce não conhece a fé catolica mas sim um rotulo que criaram dela

    ResponderExcluir
  4. vcs buscam desculpas para todas as citações bíblicas. não é + fácil acreditar em Deus e em tudo o que Ele fez? só digo uma coisa: mais cedo ou mais tarde vcs acreditarão nEle, estando no Céu ou no Hades, aí meu amigo, na 2a opção, será tarde d+. convertam-se ao Senhor Jesus Cristo enquanto a porta da Graça está aberta.

    ResponderExcluir
  5. Penso que o fato de um sujeito acreditar ou não em Deus, em nada muda todo curso da história e tão pouco a Revelação. Muitos falam em não crer em Deus como que isso fosse um favor ter Fé Nele. Pelo contrário, o homem que veio do pó, nada mais é do que pó , pois foi pelo Próprio Deus que a vida se deu nesse pó que Deus o fez homem.

    Geralmente quando se vê em alguns fóruns as mais divergente opiniões sobre Deus, se existe ou não, sempre se percebe que as pessoas emitem opinião meramente por achar, pois não tem nenhum embasamento científico para tal.

    Não precisa se cientista para crer em Deus mas é bem importante que se tenha os argumentos científicos sim para poder entender e explicar melhor como Deus agiu em toda a História no nosso mundo, inclusive no quesito Milagres.

    Como neste excelente texto que fala sobre o Milagre no Mar Vermelho, nós cremos que Deus tudo pode, mas a ciência nos mostra que quis Deus usar das forças da Natureza para realizar o feito. Sim, quis, Deus, pois ele poderia faze-lo sem usar tal meio.

    Quis Deus usar o seu profeta para abrir as águas e assim o mar se abrir, claramente o pode é de Deus, por intermédio do profeta, porque repito, Deus quis assim e não porque não poderia faze-lo só.

    Deus é onipotente e tudo pode.

    Talvez seja esse um dos motivos também pelo qual tenho grande orgulho em ser Católico. Além de ser a detentora da Doutrina Revelada, a Igreja sempre cautelosamente investiga os acontecimentos que aparentemente são Milagres, para que em momento algum seja passado ao Fiél a informação errada e assim embaralhar a cabeça das pessoas ponto de se sentirem perdias na Fé.

    Para quem realmente acredita em Deus , estudar na medida do possível so lhe dará mais saúde mental e certamente lhe aumentará a Fé ou lhe dará sustento para a Fé, Estudar é sempre muito bom, inclusive para não cair no abismo em que estão os protestantes, que por sua ignorância total,repudiam Nossa Senhora , a Igreja, O Papa, Os Santos, e toda Doutrina Católica...


    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.