segunda-feira, 6 de junho de 2011

A cruz incólume de Joplin e uma reflexão sobre o futuro do Brasil

O tornado chegando a Joplin, Missouri, EUA

Sobre a cidade de Joplin, no Estado de Missouri ‒ EUA, soprou o mais devastador tornado da história na noite de 22 de maio.

A base do tornado tinha uma largura de quase um quilômetro e avançou seis quilômetros, ceifando pelo menos 132 vidas.

Centenas de pessoas ainda estão desaparecidas enquanto escrevemos. Quase todos os edifícios em seu caminho ficaram em total ruína.

Compreende-se que o desastre natural tenha sido qualificado de apocalíptico. Os fortes ventos arrancaram árvores e os levantaram pelo ar junto com carros como se fossem folhas secas e os jogaram caoticamente com fúria incontível.



A cidade devastada
O governador do Estado, Jeremiah Johnson, descreveu a região atingida como “zona de guerra”. O presidente do país foi até o local para levar consolo à cidade devastada.

Nada ficou em pé.

Nada?

A igreja católica de Nossa Senhora ‒ St. Mary's Church ‒ ficou bem no meio do caminho do tornado homicida.

A despretensiosa igreja construída em 1938, a escolinha primária, a casa paroquial, o salão paroquial em construção: tudo foi impediosamente arrasado pela fúria da espiral de morte, segundo descreveu o jornal “National Catholic Register”.

O pároco, Pe. Justin Monaghan, no início da tragédia encontrou um refúgio improvisado na casa paroquial. O prédio caiu encima dele. Porém, nada sofreu, tendo ficado preso durante horas até que os paroquianos conseguiram encontrá-lo e cavar entre as ruínas de onde o tiraram são e salvo.

Cruzeiro da igreja de Nossa Senhora, Joplin
Também o Santíssimo Sacramento foi resgatado ileso dos escombros da igreja de Nossa Senhora.

O que sobrou do templo católico?

Uma Cruz, só uma Cruz.

O grande cruzeiro em aço da entrada da igreja.

Na paisagem desolada ele continua estendendo seus braços salvadores sobre a imensa ruína da cidade.

“Vê-lo erguido nos lembra que nossa missão está toda baseada nele”, escreveu o “Eastern Oklahoma Catholic”, publicação da Diocese de Tulsa, Oklahoma.

Encorajados pelo simbolismo da Cruz que se mantém em pé em meio ao caos e à devastação, os católicos se organizaram ativamente com a certeza que o lado material da destruição material vai ser revertido.

O tornado não perdoou nada.
Karen Drake, professora da primeira série na escola primária católica da igreja de Santa Maria, em pé junto as ruínas da paróquia disse: “nossa cruz ainda está de pé. Acho que isso diz muito”.

Verdadeiramente, diz muito. Muitíssimo.

Não é só a cidadinha de Joplin que sofre vendavais devastadores. É a situação do mundo todo, mutatis mutandi.

São as famílias, as instituições fundamentais, o laicato católico, o clero, a própria Santa Igreja Católica, nossa Mãe imensamente amada...

O mundo sente que algo anda mal e muito profundamente mal.

É o pecado. O pecado individual sem dúvida, mas mais do que tudo o pecado coletivo.

O pecado cometido pela sociedade considerada em seu conjunto, em seus costumes e em suas leis.

Baste pensar na recente equiparação pelo STF do “casamento homossexual” com o matrimônio fundado no Sacramento instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo, ou com a promoção do homossexualismo entre as crianças em idade escolar com o famigerado “kit anti-homofobia”.

Em meio a essas tragédias continua em vigor no Brasil o Programa Nacional de Direitos Humanos ‒ PNDH-3 que postula o banimento dos símbolos religiosos dos locais públicos.

O que será de nossa amada Pátria se os símbolos protetores de Jesus Cristo, Nossa Senhora e os Santos forem enxotados dela?

Que grau de recusa a Deus representaria, por exemplo, banir o Cristo Redentor que do alto do Corcovado abençoa a nação brasileira?

Veja vídeo
Brasil vencerá com fé
em Nosso Senhor.
Mas, se o PNDH-3 banir Jesus
o que será de nós?
Do ponto de vista da ciência, razões naturais explicam a resistência do Cruzeiro de Joplin ao tornado: ele é de aço e aparenta estar solidamente implantado.

Entretanto, sinais de preservação de símbolos religiosos católicos em meio a tragédias históricas como a do Cruzeiro de Joplin se multiplicam em nossos dias. O Cruzeiro da catedral de Port-au-Prince capital do Haiti; a imagenzinha de Nossa Senhora das Graças no Vale do Cuiabá, na região serrana do Rio de Janeiro, durante as arrasadoras enxurradas em fevereiro deste ano são os mais recentes exemplos.

E estes sinais convidam a uma reflexão prudente mais muito séria do ponto de vista da fé sobre o papel dos símbolos católicos em locais públicos e o futuro do Brasil.



Um comentário:

  1. Realmente impressionante que os sinais que vemos são evidentes e mostram que nossa sociedade está em profuncda decadência, moral, religiosa e ética. discriminalização do aborto, casamento ou união estável de homoafetivos, sacrilégios cometidos em todo o mundo por anti-católicos estão despertando a ira de Deus. Que Nosso Senhor tenha piedade de todos nós!

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.