segunda-feira, 19 de março de 2012

Jerusalém: os mais antigos registros arqueológicos cristãos professam a fé na Ressurreição de Cristo, e dos homens no fim do mundo

Braço robótico com câmeras pôde fotograr o túmulo

Um túmulo localizado em Jerusalém vem sendo estudado por cientistas há três décadas.

Ele apresenta indícios que confirmam a fé na Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo professada já no primeiro século de nossa era, quiçá antes mesmo da redação dos Evangelhos. Os indícios remontariam a antes mesmo da destruição da cidade pelas legiões romanas e a dispersão dos judeus.

Assim o afirmou o grupo de arqueólogos e especialistas em assuntos religiosos que no fim de fevereiro de 2012 apresentou em Nova York as conclusões da exaustiva pesquisa.

“Até agora me parecia impossível que tivessem aparecido túmulos desse tempo com provas confiáveis da ressurreição de Jesus ou com imagens do profeta Jonas, mas essas evidências são claras”, afirmou à Agência Efe o professor James Tabor, diretor do Departamento de Estudos Religiosos da Universidade da Carolina do Norte e um dos responsáveis pela pesquisa.



Na gravura: peixe expele homem (Jonas): imagem usada
por Jesus Cristo para ensinar sua próxima Morte e Ressurreição
Os judeus não usavam imagens antropomórficas ou de animais em sua arte religiosa, pois tal lhes fora proibido por Deus devido à tendência deles a imitar os povos vizinhos e cair na idolatria.

Portanto as imagens só podem ter sido feitas por cristãos e para túmulos de judeus cristãos conhecedores dos fatos bíblicos.

O referido túmulo foi descoberto em 1981, durante a construção de um prédio no bairro de Talpiot, situado a menos de quatro quilômetros da Cidade Antiga de Jerusalém.

Ao lado de Rami Arav, professor de Arqueologia da Universidade de Nebraska, e do cineasta canadense de origem judaica Simcha Jacobovici, Tabor conseguiu uma permissão da Autoridade de Antiguidades de Israel para escavar o local entre 2009 e 2010.

Animal marinho devolve Jonas. Pintura numa catacumba cristã romana
a se comparar com a gravura judaica acima achada em Jerusalém
Em um dos ossuários encontrados – que os especialistas situam em torno do ano 60 d.C. – pode-se ver a imagem de um grande peixe com uma figura humana na boca. Segundo os pesquisadores, representaria um fato bíblico da vida do profeta Jonas.

O episódio em que uma baleia engoliu o profeta Jonas após um naufrágio e o depositou numa praia foi empregado por nosso Senhor Jesus Cristo como prefigura de sua Morte e Ressurreição.

São Mateus: Nosso Senhor profetiza sua Morte e Ressurreição. Imagem do profeta Jonas

38. Então alguns escribas e fariseus tomaram a palavra: Mestre, quiséramos ver-te fazer um milagre.

39. Respondeu-lhes Jesus: Esta geração adúltera e perversa pede um sinal, mas não lhe será dado outro sinal do que aquele do profeta Jonas:

40. do mesmo modo que Jonas esteve três dias e três noites no ventre do peixe, assim o Filho do Homem ficará três dias e três noites no seio da terra.

41. No dia do juízo, os ninivitas se levantarão com esta raça e a condenarão, porque fizeram penitência à voz de Jonas. Ora, aqui está quem é mais do que Jonas. (Mateus 12, 38-40)

Realizada com uma equipe de câmeras de alta tecnologia, a pesquisa também descobriu uma inscrição grega que faz referência à Ressurreição de Jesus, detalhou à Agência Efe o professor Tabor.

Mapa do túmulo familiar
O especialista acrescentou que essa prova pode ter sido realizada “por alguns dos primeiros seguidores de Jesus”.

“Nossa equipe aproximou-se do túmulo com certa incredulidade, mas os indícios que encontramos são tão evidentes que nos obrigaram a revisar todas as nossas presunções anteriores”, acrescentou.

A tumba fica a 20 metros de profundidade, mas religiosos ortodoxos judaicos não permitiam a escavação, fato pelo qual as autoridades políticas selaram a tumba.

Tabor e Rami Arav conseguiram um braço robótico equipado com uma câmera para fotografar o subterrâneo através de um respiradouro do mesmo.

Se as inscrições nos ossuários forem de fato cristãs, como acreditam os pesquisadores, essas gravuras constituem o mais antigo registro arqueológico do cristianismo já encontrado.

Inscrição em grego antigo pede a ressurreição
Segundo Tabor, elas foram feitas provavelmente por cristãos de Jerusalém poucas décadas após a Ressurreição e poderiam ser mais antigas que os próprios Evangelhos.

Lê-se num dos ossuários em grego antigo: “Divino Jeová, levanta-me, levanta-me”, ou “Divino Jeová, levanta-me até o Lugar Sagrado”, orações que professam a fé católica na ressurreição, no fim dos tempos.

“Essa inscrição tem algo a ver com a ressurreição dos mortos ou é uma expressão da fé na Ressurreição de Jesus”, disse Tabor.

“Uma declaração sobre a ressurreição em uma tumba judaica desse período seria impossível”, acrescentou.

“Nossa equipe estava descrente, mas com essa evidência saltando aos nossos olhos tivemos que rever nossas premissas anteriores”.

Cruz inscrita num dos muros
Nos primeiros túmulos cristãos das catacumbas romanas, a figura de Jonas sendo devolvido pelo peixe é um dos motivos mais comuns para significar a ressurreição.

Mas a imagem nunca havia sido encontrada sobre uma peça arqueológica do século I. Mais inesperado ainda é que se trata de arte judaica em Jerusalém, onde a religião hebraica proibia a reprodução de imagens de pessoas ou animais.

Como é de praxe, em torno dessas descobertas recentes já existe uma certa polêmica, a qual poderá ajudar a esclarecer definitivamente o valor das mesmas. A desqualificação a priori esvazia qualquer crítica verdadeiramente científica.

Tabor acaba de publicar o livro The Jesus Discovery, o qual contém todas as conclusões de sua pesquisa. O relatório com as fotos de seu trabalho pode ser descarregado na íntegra AQUI: “A Preliminary Report of a Robotic Camera, James D Tabor”.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.