segunda-feira, 14 de abril de 2014

Falso papiro retoma ofensiva contra Jesus Cristo

Papiro e teorias da professora Karen L. King não são aceitas por cientistas
Papiro e teorias da professora Karen L. King não são aceitas por cientistas

Realejo midiático: Jesus teria se casado com Maria Madalena

Certa imprensa aproveita a Semana Santa para veicular noticiário por vezes ofensivo e enviesado contra a Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Em 2014, talvez carente de argumentos científicos, o ritornelo anticristão voltou a agitar um antigo fragmento de papiro, desprestigiado nos meios acadêmicos. Nele está escrito que Nosso Senhor se casou com Maria Madalena, como na novela já muitas vezes refutada de Dan Brown, o “Código da Vinci”.

O pedaço de papiro antigo já foi apresentado em 2012 pela historiadora Karen King, da Harvard Divinity School, dos EUA, noticiou a G1.

O fragmento pode ser do século VI, do IX, ou até do II, segundo os testes de radiocarbono e uma análise da tinta por espectroscopia Micro-Raman, realizados nas universidades de Columbia, Harvard e no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).

A própria professora Karen reconhece que a antiguidade do fragmento não prova a suposição que ela fez sobre Jesus Cristo.


Karen também distingue que a data do documento – escrito séculos depois da morte de Jesus – significa que o autor não O conheceu pessoalmente.

Com pirueta verbal, arrisca a hipótese de que a diminuta fração seria parte de um “outro evangelho”. Mas confessa que a aparência bruta e os erros gramaticais do papiro sugerem que o escritor tinha apenas uma educação elementar.


Especialistas desqualificam achado

Para o professor de egiptologia Leo Depuydt, da Universidade Brown, autor de artigo publicado na “Harvard Theological Review”, o documento é uma grossa falsidade.

“O fragmento do papiro parece perfeito para um esquete do Monty Python [famoso grupo de comediantes britânicos]”, declarou o prof. Depuydt.

Depuydt apontou erros gramaticais e o fato de as palavras “minha esposa” parecerem ter sido enfatizadas em negrito, o que não é usado em outros textos antigos na língua copta.

Certa mídia explora a Semana Santa para veicular noticiário com viés contra Nosso Senhor Jesus Cristo
Certa mídia explora a Semana Santa para veicular noticiário
com viés contra Nosso Senhor Jesus Cristo
Para acúmulo de desmerecimento, a professora King disse que não podia dar a conhecer como é que um documento tão antigo chegou às suas mãos. Apenas disse que o dono mora nos Estados Unidos e pediu para não se identificar.

A análise da procedência do fajuto papiro é um passo básico para estudar documentos deste tipo.


Vaticano: “trôpega falsificação”

Por sua vez, já em 2012, o jornal vaticano “L'Osservatore Romano” havia desmentido a autenticidade desse papiro, informou então o G1.

O professor italiano Alberto Camplani, especialista em língua copta e professor de História do Cristianismo na Universidade La Sapienza de Roma, a maior da capital italiana, analisou o papiro recuperado pela professora Karen King e desfez cientificamente as fantasias.
O Prof. Camplani mostrou que a Profa. Karen apresenta o papiro como do século IV, mas que o texto poderia ter sido escrito no século II quando, segundo ela, “se debatia sobre se Jesus foi casado”.

O Prof. Camplani apontou em primeiro lugar como suspeita a origem do texto. Pois, “ao contrário de outros papiros, não foi descoberto em uma escavação, mas provém de um mercado de antiguidades”. Sem se conhecer a origem primeira de um objeto arqueológico, de início “é preciso adotar precauções”, disse ele.

A seguir, o especialista mostrou as imprecisões tendenciosas dos argumentos da Profa. Karen na hora de interpretar o escrito. Ela propõe vê-lo não como uma prova do estado conjugal de Jesus, mas como uma tentativa de fundar uma visão positiva do casamento cristão.

“Mas não é assim, trata-se de expressões totalmente metafóricas, que simbolizam a consubstancialidade espiritual entre Jesus e seus discípulos, que são amplamente divulgadas na literatura bíblica e na cristã primitiva”, explicou o Prof. Camplani.

O Vaticano possui a maior e mais consultada coleção de manuscritos antigos relativos à vida de Jesus, sejam eles autênticos, duvidosos ou falsos, e os disponibiliza para os estudiosos de outras religiões. Desta maneira, é a maior e mais inconteste autoridade na matéria.

Aparência bruta, erros gramaticais e anomalias na escrita apontam para uma 'trôpega falsificação'
Aparência bruta, erros gramaticais e anomalias na escrita apontam para uma 'trôpega falsificação'
O jornal vaticano sublinhou que, de todos os modos, trata-se de um documento “falso”.

Também ressaltou as condições em que a historiadora americana preparou o anúncio, visando ao sensacionalismo publicitário, “sem deixar nada ao acaso: imprensa americana avisada e entrevista coletiva prévia de King para preparar a exclusiva mundial, que, no entanto, foi posta em dúvida pelos especialistas”.

Segundo o jornal da Santa Sé, “razões consistentes” fazem pensar que o papiro seja uma “trôpega falsificação, como tantas que chegam do Oriente Médio”, e que as frases nada têm a ver com Jesus.


Revista especializada pede melhores provas e Karen passa “vergonha”

Os resultados da descoberta anunciada em 2012 pela Profa. King deveriam ser publicados na edição de janeiro de 2013 da revista científica “Harvard Theological Review”.

Mas esta decidiu adiar a publicação, pedindo análises laboratoriais independentes e mais detalhadas que comprovem a sua autenticidade, segundo o diretor de comunicação da Faculdade de Teologia de Harvard, Kit Dogson.

Na opinião de Hershel Shanks, da Sociedade de Arqueologia Bíblica, nessas condições, a retirada do documento da lista de publicações é “vergonhosa”.

Hershel Shanks é fundador e editor da conceituada “Biblical Archaeology Review” e escreveu vários livros sobre “Arqueologia Bíblica”, como Mistério e significado dos rolos do Mar Morto (The Mystery and Meaning of the Dead Sea Scrolls, Random House, 1998); O Monte do Templo de Jerusalém (Jerusalem’s Temple Mount , Continuum, 2007); Jerusalém: uma biografía arqueológica  (Jerusalem: An Archaeological Biography, Random House, 1995); e A cidade de David: uma guia para a Jerusalém bíblica (The City of David: A Guide to Biblical Jerusalem, Tel Aviv: Bazak, 1973).

Shanks se pergunta por que a conceituada revista agiu assim. Segundo ele, o pulo da professora para transformar essa velha e nunca demonstrada teoria numa afirmação “plausível” dá a entender que a base do que ela diz “é fragmentária demais para sustentar sua posição com certeza”.

Santa Maria Madalena, Espanha
Santa Maria Madalena, Espanha
Shanks destaca também o modo “hesitante” com que a Profa. King repete sua suposição. Além do mais, o papiro não fornece nada de novo, mas apenas repete velhas assertivas de uma literatura de fontes já qualificadas como apócrifas.

Nesse contexto, conclui o especialista, compreende-se que a “Harvard Theological Review” tenha solicitado novas análises, como se a professora fosse uma principiante, e não uma estudiosa veterana.

Isto é vergonhoso para um profissional de alta competência, observou Shanks, que recomenda como autoridade na matéria o Prof. Francis Watson, da Universidade de Durham, na Inglaterra.

O Prof. Watson considera que o papiro “pode ser uma fraude moderna”, porque o texto se assemelha demais a um ‘evangelho’ apócrifo conhecido como “Evangelho de Tomás”.

Outros especialistas sublinharam que essas confusões de textos são frequentes em outras composições de épocas antigas do cristianismo.


3 comentários:

  1. Jesus Cristo, sempre será o centro das atenções, mesmo que por acusações que não têm nada de novo. Martinho Lutero, acusava Jesus de ter fornicado com três mulheres; com a Samaritana do poço de Jacó, com a adúltera que ele salvou do apedrejamento e com Maria Madalena. Quanto mais acusam Jesus, mais o exaltam pois, a verdade logo dissipa as calunias a Ele atribuídas.

    ResponderExcluir
  2. Então quer dizer que Jesus casou com sua própria mãe, Maria? Interessante, porque isto não aparece em nenhum momento na bíblia... É o cúmulo!

    ResponderExcluir
  3. Maria Madalena era uma mulher endemoniada por 7 espíritos. A Biblia Sagrada diz apenas que Jesus a libertou desses demônios. Não menciona desde quando ela era assim. A verdade é que ela não sabia de nada do que acontecia com ela. Uma vez liberta por Jesus, passou a cooperar na obra do Mestre. Ela nunca foi pecadora. Daniel Camargo de Abreu Camargo.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.