segunda-feira, 26 de maio de 2014

Arca de Noé podia levar dezenas de milhares de animais

A Arca de Noé é prefigura da Igreja Católica, Arca da Salvação. Vitral da igreja de Saint' Étienne du Mont, Paris
A Arca de Noé é prefigura da Igreja Católica, Arca da Salvação.
Vitral da igreja de Saint' Étienne du Mont, Paris
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Um recente filme que manipula o episódio bíblico da Arca de Noé e do Dilúvio num sentido ambientalista e sensacionalista, veio colateralmente levantar problemas relativos a esse acontecimento magno da História da Salvação.

Não nos deteremos nas fantasias do filme, mas procuraremos aproveitar algumas matérias recentemente publicadas sobre a odisséia de Noé.

Noé e sua Arca de que nos fala o Génesis, ainda continuam uma fonte de enigmas, não para a Fé, mas para a ciência.

De fato, até o presente não foi possível encontrar nada de positivo a respeito do local onde poderiam estar os restos da célebre Arca. Fala-se com certo fundamento que estaria no Monte Ararat, montanha sagrada da Armênia, hoje em território turco.

Expedição alguma reconhecida pela comunidade científica chegou a fazer descobertas relevantes. As teorias e suposições baseadas nestes ou aqueles fundamentos até agora não foram confirmadas por descobertas ou outros fatores.


Mas isso não quer dizer que algum dia virão a sê-lo. Aguardemos.

Entrementes, os Livros Sagrados fornecem informações interessantes sobre a Arca de Noé que alguns cientistas procuraram analisar à luz da ciência.

Uma das perguntas às quais tentam responder é: podia a Arca descrita no Gênesis levar dentro o mundo de animais que diz ter levado?

Noé recolhe os animais na Arca. Catedral de Ely, Inglaterra
Noé recolhe os animais na Arca. Catedral de Ely, Inglaterra

As dimensões da Arca definidas por Deus estão no Gênesis 6:15, porém em “côvados”: 300 de cumprimento, 50 de largura e 30 de altura.

11. A terra corrompia-se diante de Deus e enchia-se de violência.

12. Deus olhou para a terra e viu que ela estava corrompida: toda a criatura seguia na terra o caminho da corrupção.

13. Então Deus disse a Noé: “Eis chegado o fim de toda a criatura diante de mim, pois eles encheram a terra de violência. Vou exterminá-los juntamente com a terra.

14. Faze para ti uma arca de madeira resinosa: dividi-la-ás em compartimentos e a untarás de betume por dentro e por fora.

15. E eis como a farás: seu comprimento será de trezentos côvados, sua largura de cinqüenta côvados, e sua altura de trinta.

Arca de Noé, Edward Hicks (1780 – 1849). Philadelphia Museum of Art
Arca de Noé, Edward Hicks (1780 – 1849).
Philadelphia Museum of Art
16. Farás no cimo da arca uma abertura com a dimensão dum côvado. Porás a porta da arca a um lado, e construirás três andares de compartimentos.

17. Eis que vou fazer cair o dilúvio sobre a terra, uma inundação que exterminará todo ser que tenha sopro de vida debaixo do céu. Tudo que está sobre a terra morrerá.

18. Mas farei aliança contigo: entrarás na arca com teus filhos, tua mulher e as mulheres de teus filhos.

19. De tudo o que vive, de cada espécie de animais, farás entrar na arca dois, macho e fêmea, para que vivam contigo.

20. De cada espécie de aves, e de cada espécie de quadrúpedes, e de cada espécie de animais que se arrastam sobre a terra, entrará um casal contigo, para que lhes possas conservar a vida.

21. Tomarás também contigo de todas as coisas para comer, e armazená-las-ás para que te sirvam de alimento, a ti e aos animais.” (Gênesis, cap 6, 11ss)

Arca de Noé, afresco na igreja de San Maurizio, Milão
E também:

1. O Senhor disse a Noé: “Entra na arca, tu e toda a tua casa, porque te reconheci justo diante dos meus olhos, entre os de tua geração.

2. De todos os animais puros tomarás sete casais, machos e fêmeas, e de todos animais impuros tomarás um casal, macho e fêmea;

3. das aves do céu igualmente sete casais, machos e fêmeas, para que se conserve viva a raça sobre a face de toda a terra.

4. dentro de sete dias farei chover sobre a terra durante quarenta dias e quarenta noites, e exterminarei da superfície da terra todos os seres que eu fiz.” (Gênesis, cap 7, 1ss)

Há pequenas divergências sobre o valor do “côvado” – pois, de fato, houve mais de um tipo de “côvado”.

Réplica moderna da Arca de Noé feita ha Holanda permite apreciar as dimensões
Réplica moderna da Arca de Noé feita ha Holanda permite apreciar as dimensões
Transpostas as medidas bíblicas a unidades de medida modernas, nós teríamos um navio sem mastros de 137-144 metros de cumprimento, 26 metros de largura e 16 metros de altura divididos em três andares, com uma capacidade de carga de perto de 57.000 metros cúbicos.

Isto é o equivalente a um navio porta contêineres capaz de levar perto de 1.500 unidades.

Deus dispôs que entrassem na Arca um casal, macho e fêmea, de cada espécie animal – com exceção dos animais “puros”, quer dizer, os usados nos sacrifícios religiosos, e das aves, dos quais recolheu sete casais.

Quantos animais deveriam então entrar na Arca para que coubessem todas as espécies? O número exato ainda é objeto de disputa. No reputado livro O dilúvio do Gênesis ('The Genesis Flood'), Henry Madison Morris, fundador da Creation Research Society e do Institute for Creation Research e seu colega John Clement Whitcomb sugerem que aproximadamente 35.000 animais subiram na Arca.

Porém, recentemente, uma equipe de pesquisadores do Departamento de Física e Astronomia da Universidade de Leicester, na Grã-Bretanha, concluiu que a Arca tinha capacidade para carregar 70.000 animais sem afundar. Portanto, ainda sobrava espaço.

Interior da réplica da Arca de Noé, em Amsterdam
Interior da réplica da Arca de Noé, em Amsterdam
Thomas Morris, um dos autores desse trabalho, declarou ao jornal “The Telegraph”:

“Você não está obrigado a achar que a Bíblia seja necessariamente uma fonte acurada de informação, mas eu confesso que nós ficamos muitos surpresos quando descobrimos que a Arca funcionaria”.

Importa não só o número, mas o volume dos animais. Matthew J. Slick calculou que a Arca podia levar 7.400 mamíferos (obviamente maiores), 120.400 pássaros, 12.600 répteis e 5.000 anfíbios (esses ocupando bem menos espaço). Este cômputo eleva o número dos animais a 145.400, porém faz os descontos dos animais menores.

Deve-se destacar que o cálculo de Slick também inclui espaço para levar alimento para os animais e área para os insetos...!


15 comentários:

  1. O problema NÃO é a ARCA.
    O problema é a ÁGUA. De onde veio e para onde foi a água do diluvio?
    e o alimento para os animais, de onde veio? Será que o leão resistiu a fome e respeitou as gazelas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. gil carlos ferreira27 de maio de 2014 16:47

      Só posso dizer que é uma boa pergunta, mas....quem a responderá?
      FÉ TEMOS QUE TER MUITA FÉ!

      Excluir
    2. Anderson, paz e bem! Sou o Taco de Mogi das Cruzes-SP. Vejamos: 70% da Terra está coberta de água, 30% é terra seca, além disso, 75% da água potável se encontra retida nas geleiras. Se houvesse um derretimento, cidades como Nova Iorque e Tóquio sumiriam debaixo d'água. A Nova Enciclopédia Britanica afirma que: aprofundidade média de todos os mares é de 3 790m, maior que a elevação média da terra acima do nível do mar, que é de 840m. Portanto o volume do Oceano é 11 vezes superior ao da terra acima do mar, e se os montes fossem achatados e as profundas bacias marítimas enchidas, o mar cobriria a terra inteira numa profundidade de milhares de metros.

      Excluir
    3. Vá ver o filme Noé e veja como foi feito.

      Excluir
    4. Fora a profundidade do espaço oceânico que contém água, que é impossível ao homem chegar lá, se não for com equipamentos modernos tecnológicos, e em alguns casos, ele envia até robôs movidos a controle remoto.
      Sugiro que você leia este artigo também... talvez possa ajudar a explicar toda a água que buscas: http://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2014/06/cientistas-descobrem-oceano-perto-do-nucleo-da-terra.html
      Quanto ao alimento dos animais carnívoros, parece-me que adquiriram esse tipo de dieta após o Dilúvio. No capítulo 9 de Gênesis, Deus autorizou a dieta carnívora [afinal as plantas estavam ainda em status zero sobre a Terra], e possivelmente, os animais se viciaram assim como os homens, pois vemos hoje como somos [a humanidade] pela carne.

      Fique com Jesus, Anderson... grande abraço.

      Excluir
    5. A fé verdadeira não renuncia a racionalidade irmão; seu raciocínio é simplesmente inteligente, racional. A arca de Noé é uma grande verdade espiritual resguardada por meio de uma linguagem simbólica. Muitos religiosos infantis procuram entender essa história ao pé da letra; por isso tantas incoerências.

      Excluir

  2. Quanto ao Dilúvio, é possível que tenha sido um evento local e não global e foram salvos somente os animais daquela região; já que a palavra “Terra” na Bíblia, geralmente, se refere à Terra de Israel. além disso, o mundo conhecido naquela época era muito menor do que conhecemos hoje.

    Quanto a Noé, muito provavelmente, ele não é um personagem fictício; sendo que o próprio Senhor Jesus vai dizer:

    “…
    Assim como foi nos tempos de Noé, assim acontecerá na vinda do Filho do Homem. Nos dias que precederam o dilúvio, comiam, bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca. E os homens de nada sabiam, até o momento em que veio o dilúvio e os levou a todos. Assim será também na volta do Filho do Homem. Dois homens estarão no campo: um será tomado, o outro será deixado. Duas mulheres estarão moendo no mesmo moinho: uma será tomada a outra será deixada.” (Mateus, 24)

    Até sobre o DILÚVIO BÍBLICO já se encontraram evidências científicas, embora de um dilúvio local e não global; mesmo porque, a Terra conhecida por eles naquela época era somente aquela região. O fato de inúmeros relatos de um grande dilúvio universal estar descrito em praticamente todos os povos do mundo, indica que algum evento grandioso de fato ocorreu. Porém, é possível que o relato bíblico sobre o Dilúvio se refira a um evento histórico ocorrido há cerca de 7.000 anos atrás no fim da última glaciação:

    “…
    HIPÓTESE HISTÓRICA

    A consistência de tais histórias e sua extensa distribuição ao redor do globo fez com que alguns pesquisadores procurassem vestígios que a comprovassem, de acordo com métodos de pesquisa científicos.

    Em 1998, os geólogos da Universidade de Columbia William Ryan e Walter Pittman elaboraram a teoria de que o dilúvio na verdade seria um mito derivado de uma fantástica catástrofe natural, ocorrida por volta do ano 5 600 a.C., nas margens do atual mar Negro.

    Segundo as proposições dos dois pesquisadores, o evento regional teria provocado a migração de diversos grupos sobreviventes – o que explicaria o caráter dito universal (que se encontra em várias culturas) do dilúvio.

    Para os geólogos, o evento foi provocado pelo degelo ocorrido ao final da última glaciação. Em suas pesquisas, analisaram as formações geológicas e imagens submarinas, concluindo que uma grande quantidade de água marinha rompeu o atual estreito de Bósforo, com a elevação paulatina e excessiva do mar Egeu e dali para o mar de Mármara, ocasionando a abrupta inundação do mar Negro.

    …”.

    FONTE: Wikipedia.

    Segundo um documentário que assisti sobre essa teoria do Dilúvio, essa catástrofe natural provocou imensas tempestades e ondas de mais de 20 metros de altura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Inocente. O diluvio foi universal, em todo o mundo há desenhos de antigas civilizaçoes que provavelmente eram contados de geração a geração do diluvio anterior a estas civilizações. Os geólogos e evolucionistas nunca aceitarão o diluvio, pois se falarem a verdade que houve o diluvio universal, acaba e joga no llixo todo o estudo da evolução e voltam a esta zero . O orgulho destes homens nunca permitirão que falem a verdade, por isto se algum anônimo descobrir algo, ou já ate´descobriu eles vão abafar pra que isto não venha a publico.

      Excluir
    2. O pesquisador Rodrigo Silva, referência em arqueologia bíblico, divulgou fontes de relatos do dilúvio nos 5 continentes dos povos antigos. Seria no mínimo estranho que povos de diferentes continentes soubessem de um dilúvio q ocorreu apenas em Israel.

      Excluir
  3. Como Noé alimentou todos animais, já que um estudo levantou a necessidade de 600 arcas para carregar o alimento necessário.
    OBS: a única explicação que tenho e ão discordo é a de que Deus pode todas as coisas

    ResponderExcluir
  4. Quanto à alimentação, devemos considerar também que muitas espécies de animais entram em períodos de hibernação,estivação, letargia, torpor, etc. quem sabe, até os demais animais entraram em dieta durante todo esse período. Acreditamos que, como o dilúvio foi algo miraculoso, a alimentação e manutenção de Noé, sua família e todos os animais também foi um grande feito de Deus.

    ResponderExcluir
  5. Certamente o dilúvio pode não ter sido um evento mundial, mas há evidências geológicas de um acontecimento dessas proporções, relacionadas ao Estreito de Bósforo.
    Do ponto de vista bíblico (religioso), Deus queria destruir a raça humana. Não havia navios para atravessar continentes, então a raça humana estava confinada a um só continente. Segundo vários indícios, esse continente compreendia o oriente médio, Iraque, Síria, e outros países próximos. Todos nós sabemos que aquela região é desértica.

    Sabemos também que a maior biodiversidade encontra-se em florestas, item raro naquela região. Portanto, chegamos à conclusão que não havia tantos animais naquele local, portanto seria possível Noé, colocar as espécies da biodiversidade local na arca (que certamente não inclui pinguins, pois essa uma pergunta que os ateus gostam de fazer), afinal não há um grande número de animais que habitam os desertos. Sabemos que elefantes, girafas, e grandes animais não habitam regiões desérticas. Para estudarmos esse fenômeno, basta nos munirmos de um mapa topográfico daquela região nos dias de hoje e sua biodiversidade local.
    A bíblia cita como medida o côvado que é uma medida linear de 45 cm cada.
    Sendo assim a arca possuía uma dimensão que seria suficiente para a biodiversidade local.
    Se Deus queria destruir a raça humana e ela estava concentrada toda num só lugar, então para que ele inundaria o planeta inteiro? Logo, o dilúvio poderia não ser universal (global) como muitos pensam. Foi universal sob o ponto de vista humano, pois o homem não tinha ideia das dimensões do seu planeta. Para ele a terra se resumia ao que por ele era conhecido na época.
    “Ressalto que essa é apenas uma suposição”, pois Deus é poderoso para fazer além daquilo que pensamos.
    Abraço a todos!

    ResponderExcluir
  6. Água para cobrir o mundo tem. Comida para alimentar os animais Deus provém. O problema é que a arca não era de Noé, mas de Utnapishtim conto sumério que antecede a bíblia em cerca de mil anos.
    https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Utnapishtim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A narrativa do dilúvio, grande inundação local ou parcial, encontra-se em praticamente todas as culturas antigas, inclusive nas tribos mais primitivas das Américas. Isso fala da universalidade do fenômeno, lembrado por todos em todas partes.
      Quanto à datação do evento e dos documentos a disparidade de opiniões é imensa e o mais das vezes os fundamentos são inverificáveis pela ciência e só se registra o mito.
      Permanece que a Bíblia é o documento mais sério, completo em condições de ser objeto de uma crítica científica a mais exigente.

      Excluir
    2. Muito pertinente o seu comentário Luis Dufaur. A verificação livre de preconceitos amplia a visão mas...em todos os tempos, sempre haverá os que crêem em Deus e os que crêem no acaso. Deus nos guarde da incredulidade e do viver sem sentido.

      Excluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.