segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Dois milênios após a morte de São Paulo
restauradores descobriram sua mais antiga imagem

Descoberta mais antiga imagem de São Paulo
Arqueólogos no momento que desvendaram a pintura.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Em 19 de junho de 2009 foi descoberta a mais antiga representação conhecida de São Paulo. Ela se remonta ao fim do século IV.

Segundo informou a agência Zenit, foi localizada enquanto se praticavam escavações na catacumba de Santa Tecla, na via Ostiense, não longe da basílica do Apóstolo, fora das antigas muralhas de Roma.

Os arqueólogos limpavam com raios laser uma abóbada quando descobriram um exuberante afresco.

No centro estava representado o Bom Pastor. Em volta, tinha quatro círculos com as esfinges de São Pedro, São Paulo, e mais dos apóstolos.

Os arqueólogos Fabrizio Bisconti e Barbara Mazzei forneceram todos os detalhes da descoberta. Bisconti, que é secretario da Pontifícia Comissão de Arqueologia Sacra e presidente da Academia Pontifícia do Culto dos Mártires, ponderou que “pode ser considerado o ícone mais antigo do Apóstolo encontrado até agora”.



A imagem mais antiga de São Paulo descoberta em Roma.
A imagem mais antiga de São Paulo descoberta em Roma.
O achado, entretanto, suscitou mal-estar entre aqueles ‒ inclusive “católicos de esquerda” ‒ que gostam dizer que a tradição da Igreja Católica baseia-se em mitos inverificáveis.

Na pintura, São Paulo aparece com um ar pensativo, olhar penetrante, a frente alta e barba em ponta.

Aquela face, uma vez indo a Damasco para perseguir os cristãos, viu subitamente Nosso Senhor que lhe apareceu envolvido numa nuvem de luz e o derrubou por terra.

“Saulo! Saulo! Por quê me persegues?” (Atos, 9, 4-ss)

Ele então perguntou:

“Quem és, Senhor?”

“Eu sou Jesus a quem tu persegues! Duro te é recalcitrar contra o aguilhão.”

“Quem és, Senhor? O que queres que eu faça?”
“Quem és, Senhor? O que queres que eu faça?”
São Paulo tremeu. O sopro da graça há tempo vinha chamando o Paulo para se converter, e ele recalcitrava. E Nosso Senhor lhe disse:

“Levanta-te, entra na cidade. E aí te será dito o que deves fazer”. (Atos, 9, 4-ss)

O murro tinha valido. Paulo estava embasbacado e com medo. Levou um tranco que sacudiu sua alma.

Mas, respondeu com o radicalismo dele. Não perdeu tempo. Viu que estava errado, pôs-se logo ao serviço de Deus.

Saulo levantou-se cego! Foi tateando, passo ante passo, pé ante pé, sem saber se ficaria cego a vida inteira.

Ele, o grande Paulo, fariseu, excelente e ilustre, entrou como uma criança cega, conduzido por outro na cidade de Damasco.

Ananias pondo as mãos sobre Paulo lhe devolve a vista.
Ananias pondo as mãos sobre Paulo lhe devolve a vista.
A cena foi de uma violência peculiar. Pois, Paulo era, ele próprio, muito violento.

Prova disso é que quando Deus, em sonhos, aconselhou Ananias acolhê-lo.

Ananias respondeu, segundo os Atos dos Apóstolos (Atos, 9, 13-ss):

“Senhor, muitos já me falaram deste homem, quantos males fez aos teus fiéis em Jerusalém. E aqui ele tem poder dos príncipes dos sacerdotes para prender a todos aqueles que invocam o teu nome.”

Mas Deus lhe respondeu:

“Vai, porque este homem é para mim um instrumento escolhido, que levará o meu nome diante das nações, dos reis e dos filhos de Israel”.

Ananias então entrou na casa e pondo as mãos sobre ele, disse:

“Saulo, meu irmão, o Senhor, esse Jesus que te apareceu no caminho, enviou-me para que recobres a vista e fiques cheio do Espírito Santo.”

São Paulo, uma vez convertido, confundia os judeus demonstrando que Jesus é o Cristo anunciado pelos profetas
São Paulo, uma vez convertido, confundia os judeus
demonstrando que Jesus é o Cristo anunciado pelos profetas
E acrescentam os Atos dos Apóstolos:

“No mesmo instante caíram dos olhos de Saulo umas como escamas, e recuperou a vista. Levantou-se e foi batizado.

“Depois tomou alimento e sentiu-se fortalecido. Demorou-se por alguns dias com os discípulos que se achavam em Damasco.

“Imediatamente começou a proclamar pelas sinagogas que Jesus é o Filho de Deus.

“Todos os seus ouvintes pasmavam e diziam: Este não é aquele que perseguia em Jerusalém os que invocam o nome de Jesus? Não veio cá só para levá-los presos aos sumos sacerdotes?

“Saulo, porém, sentia crescer o seu poder e confundia os judeus de Damasco, demonstrando que Jesus é o Cristo.” (Atos, 9, 18-ss)

Quem sabe se esta descoberta não traz uma mensagem para nós, para o mundo.

Não precisaríamos de uma “queda” como a de São Paulo, uma chacoalhada providencial, para o mundo, nós mesmos, endereçar nossos caminhos e nos engajar pela causa da Igreja?



10 comentários:

  1. Gostaria de parabenizar o excelente trabalho que tive oportunidade de ver nesse site. E dizer que tomei a liberdade, peço perdão pelo atrevimento, de adicionar o link em minha lista de sites do meu blog: www.dougnahistoria.blogspot.com.
    Muitas alegrias em decorrência do sucesso!
    Douguera

    ResponderExcluir
  2. muito bacana nossa igeja esta no caminho certo e nenhum mal poderá destríla.
    abraços vitor

    ResponderExcluir
  3. São Paulo rogai por nós.

    ResponderExcluir
  4. Acho que os "católicos de esquerda" nem devem ser considerados nesta matéria, por que sequer são católicos ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkkkkkkkkkkk, muito bem!!!😂😂😂😂
      Irlei Geraldo

      Excluir
    2. Os do PT, PMDB e outros partidarios políticos brasileiros

      Excluir
  5. Sem querer corrigir, mas apenas como reposição da verdade a Bíblia não relata que o Aposto Paulo caíra do cavalo, apenas caíra. (última palavra do 8o. parágrafo). Com meus respeitos. MC

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado MC,
      agradecemos a precisão e já introduzimos a correção.
      Para outros leitores, esclarecemos que a representação iconográfica de São Paulo caído de um cavalo na estrada de Damasco, na realidade é um acréscimo artístico do século XII. A Ata dos Apóstolos não menciona cavalo ou análogo. O uso do cavalo nos tempos apostólicos era raríssimo, as pessoas normalmente viajavam a pé. A introdução do cavalo na iconografia visou sublinhar a magnitude da queda do orgulho de Saulo, por isso é frequente encontrá-lo até em basílicas como a de São Pedro em Roma.
      Mas a Novo Testamento não fala de animal algum montado pelo futuro Apóstolo das Gentes no momento de sua miraculosa conversão.
      Atenciosamente

      Excluir
  6. A matéria apresentada sobre os quadros das pinturas dos apóstolos apresenta: "As catacumbas contêm algumas das primeiríssimas provas do culto e devoção aos Apóstolos no nascente cristianismo, explicaram representantes do Vaticano". Com respeito ao representante do Vaticano, discordo. Nossos irmãos em Cristo Jesus nunca prestaram cultos aos apóstolos, seria idolatria coisa repugnante a Deus, está escrito: Somente ao Senhor teu Deus adorarás e só a Ele prestais culto Êxodo 20: 3 aos 5. O Senhor Jesus lembra isto Mt 4: 10. João quis prostar-se diante do anjo do Senhor e foi impedido Apocalipse 19: 10.Não poderia os cristãos primitivos prestar culto aos seus próprios irmãos, conservar a lembrança da sua aparência, concordo, mas nunca adorar.

    ResponderExcluir
  7. O termo 'culto' significa segundo o dicionário Aurélio "todas as formas de homenagem".
    Na linguagem católica o culto denominado de 'latria' é devido somente a Deus e é sinônimo de adoração.
    Também na linguagem católica o culto devido aos santos é denominado de "dulia" (hiper-dulia quando é a Nossa Senhora.
    Presta-se culto também à Pátria, à memória dos antepassados, etc.
    Nesse sentido o termo culto é a raiz da 'cultura'. Portanto, o termo tem degraus de inteligência.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.