domingo, 28 de abril de 2013

O Véu da Verônica – 2: O que dizem os cientistas

Manoppello, santuário do Véu da Verônica
Manoppello, santuário do Véu da Verônica
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




[Continuação do post anterior: Onde está, características surpreendentes]

Como chegou a Manoppello

O Padre Pfeiffer S.J. defende que o Véu da Verônica chegou a Constantinopla no ano 574, proveniente de Cesárea, e após relatar diversos episódios históricos, conclui que ele foi enviado secretamente a Roma.

De fato, documentos atestam que o Véu estava em Roma pelo menos desde o século XII. O Papa Inocêncio III (1198-1216) incentivou muito seu culto, instituiu-lhe uma procissão anual e concedeu indulgências a seus devotos.

O Véu permaneceu exposto durante muitos séculos na Basílica de São Pedro. Conservam-se desenhos e gravuras de seu riquíssimo altar. O poeta Dante Alighieri (1265-1321) fala dele na Divina Commedia, no canto XXXI do Paraíso (Versos 103-111).

Porém, por ocasião da demolição da referida basílica medieval para dar lugar à atual renascentista, durante o pontificado do Papa Paolo V (1605-1621), tudo indica que o Véu foi roubado e vendido ilegalmente, tendo sido adquirido por um morador de Manoppello.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

O Véu da Verônica – 1: Onde está, características surpreendentes

Santa Verônica e o Véu milagroso. Imagem de Lorca, Espanha.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




A consulta de uma leitora deste blog despertou em mim uma antiga pergunta: onde está o Véu da Verônica?

Salvou-se ele nas tempestades da História? Se existe em alguma parte, por que não se fala dele?

Uma relíquia preciosíssima como essa, só superada pelo Santo Sudário de Turim, não poderia ficar esquecida; dever-se-ia falar muito mais dela!

Porém, procurando nas minhas recordações, lembrei-me de ter ouvido falar que havia “vários” Véus da Verônica, certamente em virtude de alguma confusão histórica não devidamente esclarecida.

Aliás, em situação semelhante se encontram outras valiosíssimas relíquias da Cristandade. Só apurados estudos históricos, científicos e religiosos poderiam esclarecer essas situações.

Foi o caso, por exemplo, durante muitos e muitos anos do Santo Sudário.

Pelo lado da Fé, tudo indicava que era o próprio. Mas, ele passou por tantas peripécias históricas que uma certa sombra de incerteza podia pairar a seu respeito.

Isso foi até que cientistas das mais variadas procedências se debruçaram sobre o precioso tecido e produziram tal quantidade de confirmações de sua autenticidade que não é mais possível duvidar dele.

segunda-feira, 8 de abril de 2013

A surpresa de Megido e a igreja cristã mais antiga do mundo

Prisioneiros descobrem mosaico em Israel, Megido

Quando o coronel Sharon Shoan, comandante da prisão de segurança máxima de Megido ordenou aos presidiários empreenderem obras de escavação para ampliar as instalações jamais imaginou o que iriam a encontrar.

Ele sabia que a região é rica em vestígios históricos e os trabalhos foram supervisionados pela Agência de Antiguidades israelense (I.A.A. em inglês).

Na obra, trabalhavam prisioneiros de boa conduta.

Eles descobriram um grande mosaico que servia de piso daquela que, segundo alguns, poderia ser a mais antiga igreja católica do orbe.