domingo, 4 de dezembro de 2011

Lógica e ternura aliadas na comemoração do Natal

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






É a noite de Natal. A Missa de Galo vai começar. Na igrejinha toda coberta de neve, iluminada e bem aquecida, todos entram de depressa.

Ao longe ficaram as casinhas da aldeia, a fumaça sobe das chaminés, a lareira está acesa, as suculentas, deliciosas e apetitosas iguarias da culinária alemã já estão no forno...

É a festa de Natal que segue à festa litúrgica.

O coro canta “Stille Nacht, heilige Nacht” (“Noite Feliz”) (a música está no vídeo embaixo).

“Noite tranquila, noite silenciosa, noite santa.

“Tudo dorme, só está acordado o nobre e santíssimo Casal!

“O nobilíssimo menino de cabelos cacheados dorme em celestial tranqüilidade.”

A canção manifesta submissão de espírito, reverência e compaixão. Mas também alta cogitação.

Foi num ambiente desses que o povo da bravura e da proeza militar compôs essa canção de Natal universal: o “Stille Nacht, heilige Nacht” (“Noite Feliz”).

Uma outra canção natalina alemã conta que os dois iam juntos: Nossa Senhora, a flor de delicadeza, e o Menino, o tesouro do Universo!

E atravessaram um bosque de espinhos que havia sete anos que não florescia.

Nossa Senhora sozinha, trazia o Menino Jesus amparado junto a seu coração.

Mas, enquanto Nossa Senhora atravessava o bosque, os espinhos transformavam-se em rosas perfumadas para Ela.

E Ela compreendeu: foi um gesto de amabilidade de seu Filho!

Comprazida, Ela olhou maternalmente para o Divino Infante. Ele estava dormindo, mas governava a natureza!

Eis o paradoxo do povo germânico: esse povo dos grandes exércitos impecavelmente ordenados, dos couraceiros com capacetes encimados por águias, na hora da ternura sabe cantar afetuosamente o Natal como nenhum outro.



Vídeo: Noite Feliz: as almas das canções de Natal perfeitas



domingo, 13 de novembro de 2011

Manuscritos do Mar Morto que confirmam Jesus como o Messias aguardado, agora disponíveis online

Especialista digital mostra diferenças nas fotos de fragmentos do Manuscrito do Mar Morto

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Desde o 26 de setembro, já podem ser consultados os primeiros manuscritos do Mar Morto digitalizados, informou o jornal de Paris "Le Monde".

Por sua vez, a editora de Paris Editions du Cerf empreendeu há poucos anos a publicação da totalidade dos 900 manuscritos do Mar Morto, ou Qumran, transcritos para o francês.

O primeiro volume da “Biblioteca de Qumran” já apareceu, informou o diário suíço “Le Temps”.

Por sua parte, o Conselho de Antiguidades de Israel, custódio dos precisos documentos já tinha anunciado em agosto de 2008 o projeto de disponibilizar para download na internet as fotografias digitalizadas destes valiosíssimos Manuscritos.

domingo, 30 de outubro de 2011

A Santa túnica de Argenteuil analisada por um cientista

Argenteuil, ostensao solene, 1984

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Numa igreja de Argenteuil, cidade hoje absorvida pela grande Paris, venera-se uma túnica que, segundo tradição milenar da Igreja, foi tecida por Nossa Senhora para o Menino Jesus.

Seria a mesma que Nosso Senhor usou na sua Paixão. A mesma, portanto, que os algozes romanos, vendo que era inconsútil – isto é, formando uma só peça, sem costuras – lançaram à sorte, para não ter que dividi-la entre eles.

Utilizando equipamentos os mais avançados, a ciência moderna foi analisar a relíquia.

O professor André Marion, pesquisador do Centre National de la Recherche Scientifique – CNRS (Paris) é especialista no processamento numérico de imagens, leciona na Universidade de Paris-Orsay e é autor de numerosas publicações científicas e técnicas.

Ele já fez descobertas surpreendentes a respeito do Santo Sudário de Turim, com base em métodos ótico-digitais. Ele publicou suas conclusões sobre a túnica de Argenteuil no livro “Jesus e a ciência – A verdade sobre as relíquias de Cristo” (foto embaixo).

Para o trabalho, o Prof. Marion localizou nos arquivos da Diocese de Versailles chapas tiradas em 1934. Estavam bem conservadas.

Sobre elas aplicou as técnicas de digitalização de imagens, baseadas em scanners e computadores poderosos. É de se salientar a precisão do método, que chega a ser de 10 a 20 milésimos de milímetro.

domingo, 16 de outubro de 2011

Planeta de diamante: lições de um luxo que só Deus pode criar

O conceituado Max-Planck-Institute für Radioastronomie, de Berlim, anunciou que uma equipe internacional de astrônomos da Austrália, Alemanha, Itália, Reino Unido e EUA, incluindo o Prof. Michael Kramer, do próprio Max Planck Institute for Radio Astronomy, identificaram um planeta quase todo feito de diamante.

Esta espécie de jóia natural gira em torno de uma pequena estrela nos confins da Via Láctea – a nossa galáxia.

O planeta é assaz mais denso do que qualquer outro já observado e consiste quase só de carbono.

Por causa de sua densidade, os cientistas concluíram que o carbono deve se encontrar em estado cristalino. Em outras palavras, todo ou grande parte dele é feita mesmo de diamante, a preciosíssima pedra que sempre fascinou os homens.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

O ossuário de Caifás, Sumo Sacerdote que condenou Jesus Cristo

Ossuário da família Caifás
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Os arqueólogos Yuval Goren da Universidade de Tel Aviv e Boaz Zissu da Universidade Bar Ilan confirmaram, segundo noticiou a “Folha de S.Paulo”, a autenticidade de um ossuário pertencente à família do sacerdote que teria conduzido a tumultuada sessão do Sinédrio que considerou “blasfemo” Jesus Cristo.

No ossuário, os judeus guardavam os ossos dos antepassados depois da fase inicial de sepultamento.

Os especialistas concluíram que o ossuário e suas inscrições são autênticos e antigos, escreveu o “Jerusalem Post”. A peça faz parte de um conjunto de 12 usuários recuperados no mesmo local e pertencentes à família Caifás.

Dentro dessa urna foram encontrados ossos de seis pessoas ao que tudo indica da mesma família: dois bebês, uma criança entre 2 e 5 anos, um rapaz entre 13 e 18, uma mulher adulta e um homem de perto de 60 anos.

Na mesma peça lê-se a inscrição: “Miriam [Maria], filha de Yeshua [Jesus], filho de Caifás, sacerdote de Maazias de Beth Imri”. Num dos lados não decorados aparece o nome “José bar Caifás”, onde “bar” não necessariamente significa “filho de”.

Ossuário presumido do Sumo Sacerdote que mandou crucificar Cristo
A Miriam da inscrição poderia ser neta do próprio Caifás do Evangelho ou de algum outro membro da família sacerdotal.

O nome “Caifás” é a pista crucial, segundo os arqueólogos.

José filho de Caifás era o nome do sumo sacerdote do Templo de Jerusalém que, segundo os Evangelhos, liderou junto com seu sogro Anás, a iníqua conjuração que levou Jesus à morte, escreve Archeology Daily News.

No Museu de Jerusalém exibe-se outro ossuário de grande luxo. É feito em pedra entalhada com seis rosáceas dentro de dois círculos ornados com folhas de palmeira. Data provavelmente do século I.

Num lado não entalhado há a inscrição que o identifica como sendo o ossuário do próprio Caifás.

No interior deste ossuário encontraram-se os restos de um homem de 60 anos, tendo-se quase certeza que são os mesmos do Sumo Sacerdote durante a Paixão e Morte do Santíssimo Redentor.

Num dos ossuários havia uma moeda cunhada pelo rei Herodes Agrippa (37–44 d.C.). Este foi um dos indícios que sugeriu se tratar dos ossos do Sumo Sacerdote que entregou Nosso Senhor à morte pela mão dos romanos.

Segundo os Evangelhos de São Mateus (cap. 26, 3-5) e de São João (cap. 11) Caifás foi o cérebro da combinação para matar a Jesus Cristo.

Caifás (dir) e Anás (esq), combinaram o crime
Master of the Fountain of Life (1500-1520)

São Mateus fornece uma ideia geral da deliberação do Sinédrio, da decisão deicida e da estratégia escolhida no capítulo 26:

3. Então os príncipes dos sacerdotes e os anciãos do povo reuniram-se no pátio do sumo sacerdote, chamado Caifás,

4. e deliberaram sobre os meios de prender Jesus por astúcia e de o matar.

5. E diziam: Sobretudo, não seja durante a festa. Poderá haver um tumulto entre o povo.

São João (cap. 11) descreve assim o conciliábulo acontecido quando chegou a notícia que Nosso Senhor ressuscitara Lázaro, e o peso decisivo da opinião de Caifás, Sumo Sacerdote, para matá-Lo:

47. Os pontífices e os fariseus convocaram o conselho e disseram: Que faremos? Esse homem multiplica os milagres.

48. Se o deixarmos proceder assim, todos crerão nele, e os romanos virão e arruinarão a nossa cidade e toda a nação.

49. Um deles, chamado Caifás, que era o sumo sacerdote daquele ano, disse-lhes: Vós não entendeis nada!

50.Nem considerais que vos convém que morra um só homem pelo povo, e que não pereça toda a nação.

Escadaria do palácio de Caifás.
Nosso Senhor pode ter subido por ela durante a Paixão
51.E ele não disse isso por si mesmo, mas, como era o sumo sacerdote daquele ano, profetizava que Jesus havia de morrer pela nação,

52.e não somente pela nação, mas também para que fossem reconduzidos à unidade os filhos de Deus dispersos.

53.E desde aquele momento resolveram tirar-lhe a vida.

Narrando a Paixão, São João escreve (cap.18):

13. [“a coorte e os guardas de serviço dos pontífices e dos fariseus” que prenderam Jesus Cristo] Conduziram-no primeiro a Anás, por ser sogro de Caifás, que era o sumo sacerdote daquele ano.

14. Caifás fora quem dera aos judeus o conselho: Convém que um só homem morra em lugar do povo.

São João continua descrevendo uma espécie de julgamento a portas fechadas na casa de Anás, onde Caifás assumiu a iniciativa para perder o Filho do Homem:

19. O sumo sacerdote indagou de Jesus acerca dos seus discípulos e da sua doutrina.

20. Jesus respondeu-lhe: Falei publicamente ao mundo. Ensinei na sinagoga e no templo, onde se reúnem os judeus, e nada falei às ocultas.

21. Por que me perguntas? Pergunta àqueles que ouviram o que lhes disse. Estes sabem o que ensinei.

22. A estas palavras, um dos guardas presentes deu uma bofetada em Jesus, dizendo: É assim que respondes ao sumo sacerdote?

23. Replicou-lhe Jesus: Se falei mal, prova-o, mas se falei bem, por que me bates?

24. (Anás enviou-o preso ao sumo sacerdote Caifás.)

O envio sucessivo do Cordeiro de Deus a diversas autoridades sugere uma grande hesitação nos membros do Sinédrio. Entretanto, a condenação de morte já havia sido pronunciada secretamente.

Caifás increpa a Cristo. Matthias Stom (1600 – 1652), Milwaukee Art Museum
Caifás increpa a Cristo. Matthias Stom (1600 – 1652), Milwaukee Art Museum.
Foi na casa de Caifás que o Sumo Sacerdote, reunido com o Sinédrio, pronunciou a tremenda e injustíssima sentença homicida-deicida:

57. Os que haviam prendido Jesus levaram-no à casa do sumo sacerdote Caifás, onde estavam reunidos os escribas e os anciãos do povo.

58. Pedro seguia-o de longe, até o pátio do sumo sacerdote. Entrou e sentou-se junto aos criados para ver como terminaria aquilo.

59. Enquanto isso, os príncipes dos sacerdotes e todo o conselho procuravam um falso testemunho contra Jesus, a fim de o levarem à morte.

60. Mas não o conseguiram, embora se apresentassem muitas falsas testemunhas.

61. Por fim, apresentaram-se duas testemunhas, que disseram: Este homem disse: Posso destruir o templo de Deus e reedificá-lo em três dias.

62. Levantou-se o sumo sacerdote e lhe perguntou: Nada tens a responder ao que essa gente depõe contra ti?

63. Jesus, no entanto, permanecia calado. Disse-lhe o sumo sacerdote: Por Deus vivo, conjuro-te que nos digas se és o Cristo, o Filho de Deus?

64. Jesus respondeu: Sim. Além disso, eu vos declaro que vereis doravante o Filho do Homem sentar-se à direita do Todo-poderoso, e voltar sobre as nuvens do céu.

65. A estas palavras, o sumo sacerdote rasgou suas vestes, exclamando: Que necessidade temos ainda de testemunhas? Acabastes de ouvir a blasfêmia!

66. Qual o vosso parecer? Eles responderam: Merece a morte!

67. Cuspiram-lhe então na face, bateram-lhe com os punhos e deram-lhe tapas,

68. dizendo: Adivinha, ó Cristo: quem te bateu?

Nas visões e revelações de natureza privada da Beata Ana Catarina Emmerick (portanto submissas à narração evangélica), lemos uma descrição dos pormenores desse julgamento. Na “Dolorosa Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo”, cap. IV, Jesus diante do Caifás, pinta-se a cena:

Caifás rasga as vestiduras.
Bom Jesus, Braga, Portugal
16. (...) Jesus foi introduzido no vestíbulo em meio dos clamores, das injúrias e dos golpes. Logo que esteve em presença do Conselho, quando Caifás exclamou: “Já está aqui, inimigo de deus, que enches de agitação esta Santa noite!”.

A cabaça que continha as acusações do Anás foi desatada do cetro ridículo posto entre as mãos de Jesus.

Depois que as leram, Caifás com mais ira que Anás, fazia uma porção de perguntas a Jesus, que estava tranqüilo, paciente, com os olhos olhando ao chão.

(...) As testemunhas compareciam, mais para lhe dizer injúrias em sua presença do que para citar fatos. Disputavam entre eles, e Caifás assegurava muitas vezes que a confusão que reinava nos depoimentos das testemunhas era efeito de seus feitiços.

(...) Mas as testemunhas se contradisseram tanto, que Caifás e os seus estavam cheios de vergonha e de raiva ao ver que não podiam justificar nada que tivesse algum fundamento.

(...) Ao fim, apresentaram-se dois dizendo: “Jesus disse: Eu derrubarei o templo edificado pelas mãos dos homens e em três dias reedificarei um que não será feito por mãos dos homens”. Também estes não concordavam entre si.

Caifás, cheio de cólera, exasperado pelos discursos contraditórios das testemunhas, levantou-se, baixou os degraus, e disse:

‒ “Jesus: não respondes nada a esse testemunho?”

Estava muito irritado porque Jesus não o olhava.

Então os oficiais, agarrando-o pelos cabelos, jogaram-lhe a cabeça atrás e lhe deram murros sob a barba; mas seus olhos não se levantaram.

Caifás elevou as mãos com viveza, e disse em tom de aborrecimento:

‒ “Eu te conjuro pelo Deus vivo que nos digas se és o Cristo, o Messias, o Filho de Deus”.

Havia um profundo silêncio, e Jesus, com uma voz cheia de majestade inexprimível, com a voz do Verbo Eterno, disse:

‒ “Eu o sou, tu o disseste. E eu vos digo que verão o Filho do Homem sentado à direita da Majestade Divina, vindo sobre as nuvens do céu”.

Enquanto Jesus dizia estas palavras, eu Lhe vi resplandecente: o Céu estava aberto sobre Ele, e em uma intuição que não posso expressar, vi Deus Pai todo-poderoso; vi também aos anjos, e a oração dos justos que subia até seu Trono.

Debaixo de Caifás vi o inferno como uma esfera de fogo, escura, cheia de horríveis figuras.

“É digno de morte! É digno de morte!”,
clamou Caifás rasgando as vestiduras.
Giotto, capella degli Scrovegni
Ele estava em cima, e parecia separado só por uma gaze. Vi toda a raiva dos demônios concentrada nele. Toda a casa me pareceu um inferno saído da terra.

Quando o Senhor declarou solenemente que era o Cristo, Filho de Deus, o inferno tremeu diante dEle, e depois vomitou todos seus furores naquela casa.

Caifás agarrou a borda de sua capa, rasgou-o com ruído, dizendo em alta voz:

‒ “Blasfemaste! Para que necessitamos testemunhas? Ouvistes? Ele blasfema: qual é vossa sentença?”

Então todos os assistentes gritaram a uma com voz terrível:

‒ “É digno de morte! É digno de morte!”.

Durante esta horrível gritaria, o furor do inferno chegou ao máximo. Parecia que as trevas celebravam seu triunfo sobre a luz. Todos os circunstantes que conservavam algo bom foram penetrados de tanto horror que muitos cobriram a cabeça e se foram.

As testemunhas mais ilustres saíram da sala com a consciência agitada. Os outros se colocaram no vestíbulo ao redor do fogo, onde lhes deram dinheiro, de comer e de beber.

O Supremo Sacerdote disse aos oficiais:

‒ “Entrego-lhes este Rei; rendam ao blasfemo as honras que merece”.

Em seguida se retirou com os membros do Conselho a outra sala”.

O que significa que os ossos de Caifás tenham sido trazidos à luz nestes anos em que a Igreja vive um drama análogo ao da Paixão de Cristo?


terça-feira, 5 de julho de 2011

O pranto de Nossa Senhora sobre o mundo

Em ocasiões anteriores  de modo excecional publicamos matéria referente às aparições e à mensagem de Nossa Senhora de Akita, Japão.

A boa acolhida dispensada à matéria nos leva a reproduzir mais este artigo sobre o assunto.

Ela foi redigida por Diogo Waki, ele próprio descendente de japoneses que visitou Akita alguns anos atrás e escreve com conhecimento pessoal da vidente e de sua casa religiosa.

Os leitores perceberão que as partes essenciais da mensagem de Nossa Senhora se encontram reproduzidas novamente no artigo de Diogo Waski.

Se tratando de palavras de Nossa Senhora decidimos repetí-las. Elas nunca estarão demais. Confiamos na benevolência piedosa de nossos leitores.

Nosso Senhor amou Jerusalém, a cidade perfeita, alegria do mundo inteiro. Entretanto, pouco antes de Ele ser crucificado, passando perto de suas muralhas, profetizou a sua destruição, que ocorreria como castigo pelo deicídio.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

A conversão do hebreu Ratisbonne: obra sobrenatural que vai além das ciências humanas

Afonso Ratisbonne
Um dos fenômenos mais específicos da vida religiosa é o da conversão interior, espiritual, que para ser autêntica e sincera só pode acontecer pela graça de Deus.

É precisamente por causa disto que a conversão religiosa não é suscetível de uma explicação das ciências físicas. Os tentativos de dar uma explicação por vias psicológicas que deliberadamente abstraem do fator divino jamais produziram algo convincente ou concludente.

Tal vez a conversão do hebreu banqueiro Afonso Ratisbonne seja uma das mais rumorosas dos últimos séculos. Seu caso é digno de especial análise pois foi acompanhado muito de perto por várias pessoas qualificadas para descrevé-la.

É para compreender essa ação de Deus nas almas que reproduzimos a continuação a longa descrição desse caso histórico, tirada do blog "Luzes de Esperança".

Um jovem judeu, de uma família de banqueiros de Estrasburgo, de notável projeção social pelas riquezas e pelo parentesco com os banqueiros Rothschild, pelo meio-dia do dia 20 de janeiro de 1842, caminhava despreocupado, na aparência, por uma rua do centro histórico de Roma.

Seu nome era Afonso Ratisbonne.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

A cruz incólume de Joplin e uma reflexão sobre o futuro do Brasil

O tornado chegando a Joplin, Missouri, EUA

Sobre a cidade de Joplin, no Estado de Missouri ‒ EUA, soprou o mais devastador tornado da história na noite de 22 de maio.

A base do tornado tinha uma largura de quase um quilômetro e avançou seis quilômetros, ceifando pelo menos 132 vidas.

Centenas de pessoas ainda estão desaparecidas enquanto escrevemos. Quase todos os edifícios em seu caminho ficaram em total ruína.

Compreende-se que o desastre natural tenha sido qualificado de apocalíptico. Os fortes ventos arrancaram árvores e os levantaram pelo ar junto com carros como se fossem folhas secas e os jogaram caoticamente com fúria incontível.

terça-feira, 17 de maio de 2011

O halo solar de Fátima filmado desde uma casa

Veja vídeo
O fenômeno meteorológico
filmado desde uma casa
A respeito da auréola formada sobre o imenso número de peregrinos que assistiam às cerimônias e orações na esplanada do Santuário de Fátima, Portugal, a 13 de maio último (2011):

Chegou até nós um vídeo caseiro, mas suficientemente nítido, do fato no céu, tirado desde uma casa na cidade de Fátima.

Julgamos que poderia ser de interesse para nossos leitores e aqui o publicamos.

CLIQUE AO LADO.






segunda-feira, 16 de maio de 2011

13 de maio em Fátima: halo solar impressiona multidão

Agência Lusa





No dia 13 de maio uma grande multidão de peregrinos reuniu-se em Fátima, aliás, como é costumeiro nesta grande data que comemora a primeira aparição de Nossa Senhora em 1917.

Foto de jornal
No auge das orações verificou-se um fenômeno natural que raramente acontece no local: um halo solar.

Considerando que em Fátima Nossa Senhora quis se manifestar ao povo com fenômenos luminosos como o famoso Milagre do Sol, em 13 de outubro de 1917, tem procedência se perguntar se este fenômeno foi um sinal do Céu.

domingo, 17 de abril de 2011

Rolos do Mar Morto serão visualizáveis na Internet


A Autoridade de Antiguidades de Israel anunciou que os milenares documentos de Qumran, perto do Mar Morto, serão digitalizados em altíssima resolução e disponibilizados ao público via Internet.

O trabalho já começou envolvendo 900 rolos divididos em mais de 30.000 fragmentos. A arqueóloga israelense Pnina Schorr, que preside os trabalhos, sublinhou em entrevista a “La Nación” de Buenos Aires que a parte mais importante dos misteriosos e polêmicos documentos é integrada por Sagradas Escrituras escritas há 2000 anos.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Investida atéia pretende que o nada produziu o Universo (2)

Stephen Hawking tem muito prestigio nos ambientes anti-católicos. Na foto, com Obama.
continuação do post anterior

Gleiser toca num ponto para o qual acenamos aqui apenas de passagem: Sendo a inteligência do homem limitada, por mais que avancem os estudos da física, jamais o homem chegará à compreensão final, última, da matéria, do fenômeno da vida, da alma espiritual; numa palavra, do Universo criado.

Só a mente divina compreende tudo até o fim. Por mais que o homem progrida nos seus conhecimentos, desfechará sempre no mistério, que lhe abrirá novas portas para a investigação, sem que jamais chegue à compreensão total e final.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Akita 4: a Fátima do Oriente ‒ Prantos, suor e sangue: análises científicas e pronunciamento canônico


Continuação do post anterior

Novos prantos da imagem

Após as mensagens de Nossa Senhora, a luz ofuscante que cercava a estátua sumiu.

Em 4 de janeiro de 1975, para o espanto da comunidade e do padre Yasuda, a estátua da Virgem começou a chorar e assim fez três vezes naquele dia. Também foram testemunhas dessa lacrimação, além das irmãs, o bispo Ito e certo número de pessoas que participavam com as freiras de um retiro de Ano Novo.

As lágrimas coletadas na borda interior dos olhos desciam pelas bochechas, as coletadas na borda da borda do vestido perto da garganta, desciam pelas dobras da túnica e caiam sobre o mundo sob os pés de Nossa Senhora.

O Pe. Yasuda registrou em seu livro The Tears and Message of Mary (As lágrimas e a Mensagem de Maria), que a estátua:

“... ficou completamente seca durante anos, desde que foi feita e, havia pouco, algumas rachaduras começaram a aparecer. Já é milagroso que a água flua de tal material, mas é ainda mais prodigioso que um líquido levemente salgado, com as características da verdadeira lágrima humana possa ter escorrido precisamente a partir dos olhos.”
O número de lacrimações foi de 101, e aconteceram em intervalos irregulares desde 4 de janeiro de 1975 até 15 de setembro, 1981.

domingo, 20 de março de 2011

Akita 3: a Fátima do Oriente ‒ Anúncio dos castigos

Continuação do post anterior

A última mensagem

No dia 13 de outubro de 1973, aniversário do Milagre do Sol em Fátima, a Irmã Inês ouviu mais uma vez uma belíssima voz falando pela estátua:

Veja vídeo
Documentário (inglês):
Nossa Senhora, Akita,
Irmã Inês, D. Ito e os fatos
“Como eu lhe disse, se os homens não se arrependerem e melhorarem, o Pai irá infligir uma terrível punição a toda a humanidade. Será uma punição maior do que o dilúvio, tal como nunca se viu antes. Fogo irá cair do céu e vai eliminar uma grande parte da humanidade; os bons assim como os maus, sem poupar nem sacerdotes nem fiéis. Os sobreviventes irão ver-se tão desolados que irão invejar os mortos.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Akita 2: a Fátima do Oriente e seus anúncios ‒ Penitência e reparação

Continuação do post anterior

Segunda mensagem

Nossa Senhora comunicou a segunda mensagem em 3 de agosto de 1973, uma primeira sexta-feira do mês. Uma voz celestial que provinha da estátua advertiu:

“Minha filha, minha noviça, você ama o Senhor? Se você ama o Senhor, ouça o que eu tenho a lhe dizer.

“É muito importante... Você irá comunicar isso ao seu superior.

Muitos homens neste mundo afligem o Senhor. Eu desejo almas para consolá-lo, para aliviar a ira do Divino Pai. Eu desejo, com meu Filho, almas que reparem através de seu sofrimento e sua pobreza pelos pecadores e ingratos.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Nossa Senhora de Akita 1: a Fátima do Oriente e seus anúncios ‒ Primeira mensagem

A imagem milagrosa de Akita
O extraordinário interesse que naturalmente inspiram os terríveis acontecimentos do Japão e a misericordiosa intervenção preventiva de Nossa Senhora, levou-nos a coletar informações sobre os fatos de Akita.

Devido à extensão da matéria, a dividiremos em quatro posts sucessivos.


Inês (Agnes) Katsuko Sasagawa, 42, ingressou no Instituto das Servas do Santíssimo Sacramento em Yuzawadai, apenas fora de Akita, em 12 de maio de 1973. Inês vinha de se converter do budismo, mas estava totalmente surda, incurável.

Primeiros fenômenos sobrenaturais

O primeiro evento milagroso ocorreu em 12 de junho de 1973, apenas um mês após a entrada de Inês no convento: uma luz resplandeceu diante do Tabernáculo. Isso aconteceu várias vezes junto com algo parecido com fumaça que pairava em volta do altar.

domingo, 13 de março de 2011

A advertência não atendida de Nossa Senhora de Akita e o terremoto no Japão

Em 1973, Nossa Senhora se manifestou no Japão à Irmã Agnes Katsuko Sasagawa, que então tinha 42 anos de idade, no convento das Servas da Ssma. Eucaristia na localidade de Yuzawadai, perto de Akita, província de Tohoku.

Quer dizer na região mais atingida pelo terremoto que acaba de causar formidáveis danos no Japão.

Akita fica na mesma latitude do epicentro do colossal abalo sísmico, porém do lado ocidental da ilha, a uma distância de 150 kms de Sendai, a cidade mais atingida, e que fica no lado oriental do arquipélago do Sol Nascente.

As fotos das pavorosas ruínas da cidade de Sendai e vizinhanças estão em todos os jornais, TVs e sites da Internet.

quarta-feira, 9 de março de 2011

Investida atéia pretende que o nada produziu o Universo (1)

Recentemente o físico inglês Stephen Hawking publicou um livro pretendendo que o nada por si próplrio teria gerado a Criação. Para esta afirmação ele apela a argumentos de tipo científico mas envolve como presuposto o ateísmo, se afastando dos limites da ciência.

A árdua tese foi alvo de muita discussão e reprovação também por parte de cientistas. Oferecemos a seguir uma amostra dessa polêmica com muitos e decisivos argumentos esclarecedores do truque ateu.





Muitas vezes os grandes sábios não entendem o que, no entanto, era ensinado com simplicidade e concisão aos meninos e meninas que outrora se preparavam para a Primeira Comunhão.

O físico inglês Stephen Hawking “é um cientista de grande fama, conhecido por sua terrível desgraça, até pelo público que não se interessa por astrofísica. Mais de uma vez foi visto na televisão com o seu pobre corpo devastado por uma doença degenerativa do sistema nervoso, que o obriga a andar numa cadeira de rodas e lhe permite comunicar-se apenas através de um sintonizador” (Stefano Zecchi no “Il Gornale”, de Milão, 3/9/2010).

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Delírios do evolucionismo para extinguir o homem com ares de progresso (6 e fim)

Richard Dawkins, líder da militância atéia evolucionista hodierna
continuação do post anterior

O pesadelo da confusão das espécies

Para os evolucionistas mais desinibidos, a “vida inventada de cabo a rabo” mergulhar-nos-ia no “paraíso da biodiversidade”.

Este consistiria numa utopia igualitária onde as fronteiras entre o homem e os demais seres vivos seriam violadas, para aparecer toda sorte de híbridos: macacos-homens ou animais-vegetais.

Richard Dawkins, o mais renomado porta-voz hodierno do evolucionismo, deplora que “nossa moral e nossa política pressupõem [...] que a separação entre o homem e o animal é absoluta”.

Ele deblatera contra os “pró-vida”, que se opõem ao aborto e à eutanásia com base em critérios éticos, como sendo seguidores especialmente condenáveis desse “erro”.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

'Cultura da morte' tem base no evolucionismo (5)


continuação do post anterior

Darwin e o eugenismo adotado pelo evolucionismo

O termo eugenismo — de origem grega, significando melhoramento genético — foi cunhado por um primo-irmão de Charles Darwin e adepto da teoria da evolução, o matemático Francis Galton (1822-1911).

Ele tentou criar uma “ciência para o melhoramento das linhagens” humanas, inspirada na criação dos animais. As doenças, os problemas sanitários, sócio-econômicos ou sociais, como os ligados às classes pobres, eram interpretados como fruto de “taras congênitas” próprias a espécimes “inferiores”.

A utopia eugenista foi adotada pelo evolucionismo social. Diversos métodos foram concebidos para detectar os indivíduos, categorias ou raças “decadentes” ou “inferiores”, que deveriam ser segregados, eliminados ou impedidos de se reproduzir para não servir de obstáculo ao progresso da evolução social.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Ateísmo e marxismo encontram apoio em Darwin (4)

Onibus ateu de Richard Dawkins
continuação do post anterior

Um exemplo de “cruzada sem cruz” no Brasil

O apologista mais rumoroso do darwinismo, o biólogo Richard Dawkins, promoveu uma coleta de fundos para pagar anúncios colados em ônibus urbanos de cidades como Londres e Madri — os chamados ônibus-ateus —, com a mensagem: “Provavelmente Deus não existe. Deixe de se preocupar e goze sua vida”.

Em sua “cruzada sem cruz” contra Deus e o Criador, Dawkins esteve no Brasil. Falou sobre o tema “Fé e ciência não vivem juntas”, na 7ª Festa Literária Internacional de Paraty (RJ).

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Evolucionismo tenta abafar debate científico sério (3)

continuação do post anterior

Cascata de conjeturas inverificáveis

Os discípulos de Darwin tentaram dar embasamento científico a essa acumulação de “obscuridades confusas do passado”, onde Darwin dizia ler com tanta facilidade.

Eles até acrescentaram que, na origem, houve uma célula que teria aparecido há quatro bilhões de anos, batizada de LUCA (Last universal common ancestor, ou derradeiro ancestral comum universal).(5)

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

A investida do evolucionismo contra a Bíblia e toda religião (2)

continuação do post anterior

Darwin percebeu que, sem um princípio e um fim, o homem ficaria escravo, como um bicho, ao capricho de sua fantasia e de seus instintos:

Um homem que não tem uma crença bem sólida na existência de um Deus pessoal, ou numa existência futura com retribuição e recompensa, não pode ter outra regra de vida, segundo me parece, senão seguir seus impulsos e seus instintos mais prementes, ou que ele acha os melhores”.

Esta conclusão, ele a enfeitou com sentimentos típicos do romantismo vitoriano do século XIX.

Sua crise religiosa, que descambou para a apostasia e para o anticristianismo, correu lado a lado com a explicitação do evolucionismo.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Evolucionismo: a história de um anti-cristianismo visceral que visa a extinção do homem manipulando a ciência (1)


Charles Darwin (1809-1882) nasceu numa abastada família inglesa. Estudou ciências naturais nas universidades de Edimburgo e Cambridge.

Ainda jovem, empreendeu uma viagem de quase cinco anos em volta da Terra (1831-1836). Nela acumulou observações e amostras do reino animal.

De retorno à Inglaterra, guardou as anotações embaixo de uma escada. As crianças da casa arrancavam as folhas para brincar.

Mais de vinte anos depois, o naturalista Alfred Russel Wallace (1823-1913) mostrou a Darwin o livro que ia publicar, com idéias próximas às dele.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Dado essencial: houve o fenômeno astronômico
denominado “estrela de Belém”

O astrônomo e matemático alemão Johannes Kepler (1571 — 1630)
também propendeu para a hipótese de uma conjunção estelar única.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






No post anterior referimos a tese do astrônomo Mark Thompson, da Royal Astronomical Society de Londres e apresentador científico da BBC, noticiada por "The Telegraph".

Veja: Astrônomo defende com computador a existência da estrela de Belém

Cabe ponderar que essa tese não é a única nos meios científicos.

Há anos, Werner Keller, num livro muito divulgado e que é digno de uma atualização com as novas descobertas científicas (Werner Keller, “E a Bíblia tinha razão”) recolhe afirmações avalizadas de cientistas de fama universal.

Pouco antes do Natal, no dia 17 de dezembro de 1603, o famoso matemático imperial e astrônomo da corte, Johannes Kepler (ao lado), estava em Praga observando, com seu modesto telescópio, a “conjunção” de Saturno e Júpiter na constelação de Peixes.

Kepler lembrou que segundo o rabino Abarbanel (1437-1508) para os astrólogos judeus o Messias viria por ocasião de uma conjunção de Saturno e Júpiter na constelação dos Peixes.