segunda-feira, 30 de julho de 2007

“Descoberta do túmulo de Jesus” é farsa publicitária

Prof. Amos Kloner, arqueólogo da Universidade Bar-Ilan, IsraelO Discovery Channel (canal americano de TV) emitiu na Quaresma um filme dizendo terem sido achados em Talpiot, Jerusalém, os ossuários de Nosso Senhor, Nossa Senhora, Santa Maria Madalena e um imaginado “filho de Jesus”.

O supervisor das escavações nesse túmulo, professor Amos Kloner, arqueólogo oficial do Distrito de Jerusalém, disse que as teorias do filme “são só farsa publicitária [...], um total sem sentido, algo absolutamente impossível”.

Todo ano, por ocasião do tempo da Quaresma e Semana Santa, certa mídia difunde matérias que questionam a figura do Redentor da humanidade e a Redenção. Esta montagem, ademais, apresenta analogias com as blasfêmias do Código da Vinci e erros teológicos progressistas do gênero.

Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de 'Ciência confirma a Igreja' no meu Email

Confirmação da autenticidade da Santa Casa de Loreto


Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Em 1294, a Santa Casa, onde viveu a Sagrada Família em Nazaré (Galiléia), foi trasladada milagrosamente pelos anjos a Loreto (Itália), onde está encerrada num magnífico santuário.

A Santa Casa foi assim salva dos muçulmanos, que tinham conquistado o reino franco de Jerusalém no século XIII.

Desde então, todos os Papas confirmaram a autenticidade da sagrada habitação.

Recente estudo arqueológico também confirmou sua autenticidade.

As pedras do altar da Santa Casa de Loreto têm a mesma origem das que se encontram na gruta da Anunciação em Nazaré, concluiu a análise dirigida pelo arquiteto Nanni Monelli.


domingo, 29 de julho de 2007

Gruta onde possivelmente São João Batista viveu


O arqueólogo britânico Shimon Gibson descobriu uma gruta a oeste de Jerusalém. De acordo com a tradição, São João Batista teria morado, pregado e batizado naquele local.

Na gruta há um entalhe típico da iconografia bizantina representando o Precursor do Messias.

Até o século V, o lugar foi objeto de culto católico, segundo se deduziria das inscrições. Foram extraídos cerca de 250.000 fragmentos de valor arqueológico.

Caso seja confirmada, é sintomático que a preciosa descoberta tenha ocorrido nos dias de hoje. Pois há analogias entre a pregação de São João Batista e a mensagem de Nossa Senhora em Fátima, nos tempos atuais.

O Precursor profetizou o fim de uma época e o início de nova, com a vinda iminente do Messias. Nossa Senhora anunciou em Fátima o fim calamitoso de nossa era de pecado e rejeição de Deus, e o início do reinado de seu Imaculado Coração.

Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de 'Ciência confirma a Igreja' no meu Email