segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021

A face do Santo Sudário foi se revelando nos séculos

Santo Sudario à direita. Rosto de Cristo em Sevilha, à esquerda, da Irmandade da Lançada, (artista Juan Manuel Miñarro)
Santo Sudário à direita. Rosto de Cristo em Sevilha, à esquerda,
(da Irmandade da Lançada, artista Juan Manuel Miñarro)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








As ciências históricas estudam incógnitas por vezes mais importantes que as indagadas pelas ciências especializadas na matéria respectiva.

Uma das mais surpreendentes e singulares dessas incógnitas está contida no rosto do Santo Sudário, mas dela se fala pouco infelizmente.

Como pudemos tratar nesta página o divino rosto de Jesus Cristo foi sendo elaborado por artistas ou simples fiéis com base em sentimentos religiosos ao longo dos milênios.

Nesse imenso período, a divina face foi sendo pintada, esculpida, etc. cada vez mais parecida com o rosto que haveria de se revelar no santo Sudário de Turim no século XIX por obra de uma fotografia tirada com equipamentos que hoje podem estar num museu!

Suponha-se que o universo dos fiéis ao longo de 1900 anos tivesse elaborado uma imagem de Cristo que depois não bateria com Aquela impressa no lenço que envolveu Jesus e que a foto de Secondo Pia captou.

Ter-se-ia criado uma crise horrível e inevitável: a Igreja – clérigos e leigos – teria errado em massa durante milênios forjando uma imagem errada de Cristo !!!

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021

Civilizações perdidas na floresta amazónica
desmentem mitos 'verdes'

Antigo assentamento amazônico de Kuhikugu
Antigo assentamento amazônico de Kuhikugu
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








E se tivesse havido civilizações surpreendentes na Amazônia misteriosamente desaparecidas e que se quer silenciar, deturpando nosso passado e, em consequência, nosso futuro?

A teologia da libertação e o estruturalismo tribalista martelam uma visualização deprimente de nosso continente.

Espalham obsessivamente o mito de que os índios amazônicos levariam uma vida ideal na natureza afundados num primitivismo extremo, sem “intoxicações” culturais do Evangelho, da propriedade privada, da organização racional da vida, do agronegócio, etc.

Esse mito repousa numa conversa excogitada por teólogos e utopistas ultracomunistas na Europa para induzir a tóxica utopia em que visam afundar a humanidade.