segunda-feira, 11 de outubro de 2021

As pirâmides do Egito e a ciência de Adão
comparadas por um sacerdote astrônomo

Pirâmide de Quéfren à esquerda, Esfinge à direita, foto satelital. ©Geoeye
Pirâmide de Quéfren à esquerda, a esfinge à direita, em fotografia de satélite ©Geoeye.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Com frequência ouve-se falar das pirâmides do Egito. Associa-se a elas muitos mistérios. Alguns soam verossímeis, outros obscuros, e outros meras patacoadas.

Por um lado, o tema é explorado por uma literatura de rodoviária. Deixemos de lado estes subprodutos da superstição e do sensacionalismo jornalístico.

Por outro lado, o assunto é arduamente estudado por altos cientistas, num patamar frequentemente muito difícil de acompanhar.

A Grande Pirâmide, Quéops, o Khuvu dos antigos egípcios.
É a mais densa de simbolismos e incógnitas.
De fato, o mistério das pirâmides envolve algum dos passos fundamentais da história da Humanidade.

Mas, também, indireta e possantemente alguns dos dogmas da religião cristã.

Entretanto, nós não vemos aparecer do lado católico quem aborde as questões levantadas pelos grandes monumentos do Egito antigo.

Entretanto, se bem analisados à luz da ciência e da fé, esses monumentos têm muita coisa para revelar.

Quais coisas? Quão importantes?

Um sacerdote apaixonado pela astronomia, o Pe. Théophile Moreux (1867-1954), membro da Academia Pontifícia de Ciências, criador de dois observatórios astronômicos na sua cidade natal ‒ Bourges, na França ‒, escreveu incontáveis obras de divulgação científica que o tornaram célebre pela sua precisão.

A NASA deu o nome do padre cientista a uma cratera de Marte

Cratera Moreux, Marte, foto NASA
Cratera de Marte batizada Théophile Moreux
pela NASA em lembrança do sacerdote cientista
Para honrar a memória de seus excelentes trabalhos, foi montada uma exposição especial ‒ “Un curé chez les savants” ‒ no museu da própria Bourges.

A Sociedade Astronômica da França dedicou-lhe prestigiosa homenagem na sua revista L’Astronomie de junho de 2004 , com destaque na capa e na editorial da publicação.

O Pe. Moreux fez algo único: estudou os monumentos egípcios antigos de um ponto de vista estritamente científico.

Depois, conferiu os resultados com a Teologia e a História Sagrada.

Dessas comparações saíram conclusões de deixar pasmo.

Por quê?

Para responder, entramos no fulcro dos famosos mistérios, que pode se formular assim:

Se os antiquíssimos egípcios foram um povo de altos conhecimentos científicos ‒ coisa que não é mais posta em dúvida ‒ de onde tiraram eles toda essa sapiência?

Porque, se o homem provém do macaco, como dizem os evolucionistas, quanto mais antigos os povos, mais rústicos, ignorantes e incapazes.

Porém, eis um povo da gentilidade que ingressa na História ostentando uma ciência que os homens modernos empenham imensos esforços, tecnologias e dinheiro para obter.

Tutankhamon
Máscara mortuária de Tutankhamon, faraó egípcio (+ 1324 a.C.)
Se os homens, em sentido contrário, não descendem por evolução de um símio, e sim de Adão, homem perfeito e acabado no relato bíblico, muitas coisas se explicariam.

De Adão, São Tomás de Aquino diz que Deus lhe infundiu a ciência de todas as coisas que os homens deviam conhecer para fundar as civilizações que cobririam a Terra.

Portanto, não só a respeito de Deus, mas também relativa à construção da civilização terrena.

Nesse caso, Adão teria sido o homem histórico que melhor conheceu a natureza, a ordem do Universo e seus segredos.

Sobre a ciência de Adão ensina São Tomás de Aquino na acatada Suma Teológica:
“o primeiro homem (…) também foi feito perfeito na sua alma para que pudesse instruir e governar aos demais.

“Porém, ninguém pode instruir sem possuir ciência.

“Por isso mesmo, o primeiro homem foi criado por Deus de maneira que tivesse ciência de tudo aquilo em que o homem pode ser ensinado.

“Isto é, de tudo o que existe virtualmente nos princípios evidentes por si mesmos; isto é, de tudo o que o homem pode conhecer naturalmente”. (São Tomás de Aquino, “Suma Teológica”; I, q. 94) Fonte (em espanhol).

Se foi assim, é razoável supor que Adão contou a seus descendentes aquilo que sabia. E estes o foram transmitindo de geração em geração a seus respectivos filhos, como uma tradição oral herdada do primeiro pai.

Nesse caso compreende-se que as civilizações mais antigas conhecessem o fundamento mais profundo de muitas coisas.

Fundamentos esses que não foram descobertos em laboratório, mas que foram comunicados por Deus como primeiro impulso à civilização que Adão e sua progênie deviam construir.

Jesus Cristo tira Adão do limbo, Fra Angelico, San Marco, Florença
Jesus Cristo libera os justos do limbo e os leva para o Céu.
Em primeiro lugar: Adão. Fra Angelico.
Ainda nessa linha de pensamento, seria preciso acrescentar que essa transmissão sofreu interferências que a deformaram.

Pois houve a realidade histórica da decadência desses povos antiquíssimos.

Na medida em que passava o tempo, os conhecimentos iam se perdendo, ou se corrompendo.

Entraram, então, a superstição, o politeísmo, os vícios morais...

Então se compreenderia que alguns dos detentores dessa sabedoria recebida por Adão, tivessem querido deixar inscritos em pedra seus precisos conhecimentos antes de serem engolidos pela confusão.

Se for assim, as pirâmides não seriam, então, símbolos monumentais de restos importantes dessa ciência que Deus deu a Adão?

Eis a grande questão que o Pe. Moreux abordou num livro famoso. Este livro, quase um século depois de publicado, merece ainda muita atenção:  

“A Ciência Misteriosa dos Faraós” (Pe. Théophile Moreux, "La Science Mystérieuse des Pharaons", Librairie Octave Doin, Gaston Doin éditeur, Paris, 1925, 238pp.).

O tema é apaixonante, sutil, complexo e extenso... Pretendemos tratá-lo em vários posts sucessivos.


continua no próximo post: As revelações de Quéops, a Grande Pirâmide


segunda-feira, 27 de setembro de 2021

O “computador de Arquimedes”:
lição para a ufania da modernidade

Computador de Arquimedes réplica científica do século XX
Computador de Arquimedes: réplica científica do século XX
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








No ano de 1900, um mergulhador resgatou do fundo do Mediterrâneo um aparelho estranho que se encontrava entre muitas obras de arte gregas dos séculos I e II antes de Cristo.

O achado ocorreu na Ilha de Anticitera, na Grécia, tendo sido feito por um simples coletor de esponjas marítimas de nome Elias Stadiatos.

Ele desceu sem equipamento algum, como era costume, e voltou dizendo que tinha encontrado corpos desfeitos, cabeças e braços arrancados, cavalos mutilados.

Julgando-o tonto devido à falta de oxigênio, ou até bêbado, o capitão Dimitrios Kondos desceu até o local.

E voltou dizendo que Elias não só não estava errado, mas que havia muito mais coisas: lançadores de discos, efebos de mármore, estátuas de bronze e ânforas de cerâmica.

Certamente era um tesouro transportado outrora por um navio cujos restos desfeitos ainda podiam ser identificados.

Tratava-se na verdade de um dos mais importantes naufrágios da História. Era um navio que levava um tesouro com joias e esculturas que hoje estão nos museus.

Após estudarem as moedas que faziam parte do tesouro, os arqueólogos calcularam que o navio afundou entre os anos 85 e 60 a. C.

Ele foi um dos maiores da época e não se sabe bem por que naufragou. Talvez devido a uma tempestade, ou por sobrecarga de riquezas.

Reconhecida a riquíssima carga, constatou-se ser o botim de guerra que o cônsul romano Lúcio Cornélio Sila havia amealhado dos atenienses na Primeira Guerra Mitridática (88 a.C. – 84 a.C.).

Naquela guerra, que opôs Roma ao famoso Mitrídates VI, rei do Ponto, Sila invadiu a Grécia e saqueou Atenas, que era aliada de Mitrídates.

O botim provavelmente devia ser exibido num desfile triunfal do imperador Júlio César, mas o mar resolveu ficar com ele.

As obras de arte, ânforas e outros objetos resgatados foram para o Museu Arqueológico Nacional de Atenas.

Uma peça, entretanto, era sumamente intrigante.

Computador de Arquimedes: a peça principal foi a primeira achada
Computador de Arquimedes: a peça principal foi a primeira achada
Havia sido catalogada como “item 15.087” e, contrariamente ao resto do tesouro, não se sabia ao certo para que servia. Mas devia ser muito valiosa para estar entre tantos artefatos seletos.

O diretor do Museu de Atenas, Valerios Stais, analisou cuidadosamente aquilo que parecia ser uma máquina.

Pois se tratava de uma peça de bronze calcificado e corroído pela água que exibia incrustados restos de engrenagens.

Novas expedições juntaram fragmentos desse objeto: 82 no total.

Ele deve ter tido 30 centímetros de altura por 15 de largura, e estava composto de várias rodas dentadas superpostas, onde estavam gravados 3.000 caracteres. O todo ficava protegido por uma caixa de madeira.

Acreditava-se que os níveis de precisão e miniaturização do engenho só haviam aparecido cerca de 1.400 anos depois, como nos relógios astronômicos das catedrais, capazes de reproduzir o movimento dos planetas, do Sol e da Lua, e predizer suas fases.

Os investigadores discutiram durante anos o que seria aquela peça. Só concordaram em que era um aparelho pequeno, leve e portátil.

À procura de uma pista, os arqueólogos recorreram às bibliotecas. E identificaram alusões inquietantes, que acabaram sendo esclarecedoras.

Encontraram que Arquimedes (287 a.C. – 212 a.C.), o maior matemático e inventor da Antiguidade, escrevera um manual com o título: Sobre a construção de máquinas de astronomia.

Também o filósofo e político Marco Túlio Cícero (106 a.C. – 43 a.C.), em seu tratado De republica, descreve engenhos que podiam calcular os eclipses em função de outros movimentos dos astros.

Ele também menciona que no ano 212 a. C., o cônsul romano Marco Claudio Marcelo (268 a.C. – 208 a.C.) conquistou Siracusa (Sicília). E dali trouxe um objeto fascinante feito por Arquimedes.

Documentário do History Channel:




Tudo apontava na direção do “item 15.087”, que os cientistas começaram a chamar de “mecanismo de Anticitera”, local da descoberta, e parecia ter relação com o aparelho roubado em Siracusa. Ele talvez fosse uma versão mais aperfeiçoada do invento de Arquimedes.

De 1951 até 1983, o físico inglês Derek de Solla Price tirou muitas radiografias das peças enferrujadas e reconstituiu o mecanismo.

Segundo ele, o modelo mostrava a posição do Sol e da Lua no zodíaco e apontava as datas para as colheitas.

A descoberta de Solla Price foi ouvida com desconfiança: parecia algo moderno demais, até desprestigiante para a ciência da computação moderna.

Mas Michael Wright, especialista em engenharia mecânica do Museu da Ciência de Londres, obteve tomografias irrefutáveis com tecnologia 3D.

O mecanismo reproduzia com exatidão os movimentos do céu, as fases lunares, e apontava as festividades religiosas.

Wright construiu uma nova réplica usando as mesmas ferramentas dos gregos, e demonstrou que se tratava de um computador mecânico.

“Tu introduzes uma série de dados e ele te devolve outros relacionados”, explicou num documentário do History Channel.

Computador de Arquimedes (réplica): muitas de suas funcionalidades ainda não foram descobertas
Computador de Arquimedes (réplica): muitas de suas funcionalidades ainda não foram descobertas
Eis a surpresa: os antigos antes de Cristo já tinham concebido e construído o primeiro computador da História.

O consenso científico hodierno concorda em que o “mecanismo de Anticitera” ou “computador de Arquimedes” era um planetário portátil que era movido com uma manivela lateral e mostrava a posição presente e futura do Sol, da Lua e dos cinco planetas então conhecidos: Marte, Júpiter, Vênus, Saturno e Mercúrio.

Tinha detalhes extremamente refinados: a agulha da Lua acelerava e desacelerava ritmicamente, copiando a órbita real.

Outra agulha lembrava ao usuário que este devia fazer retroceder um dia em cada 76 anos, o hiper-preciso calendário.

No início do III milênio o “computador de Arquimedes” ainda continha segredos a revelar.

Um consórcio de astrônomos e historiadores liderados pelo matemático inglês Tony Freeth lançou o Antikythera Mechanism Research Project.

Um fabricante de tomógrafos aceitou criar um com potência suficiente para penetrar em todos os níveis do equipamento enferrujado retirado do fundo do mar.

Não foi pouca coisa. Pois o singular tomógrafo pesa oito toneladas e foi levado em caminhão de Londres até Atenas.

O esforço foi bem compensado: o tomógrafo produziu uma série de imagens em alta resolução e em 3D.

O mecanismo ainda conservava 27 engrenagens, talvez a metade dos originais, concentrados em sete centímetros.

“Foi como ver um mundo novo”, comenta Freeth no documentário The 2000 year-old computer (“O computador de dois mil anos”) documentário especial da BBC.

Com base nas tomografias e técnicas especiais para detectar antigos traços de pintura, Feeh identificou as letras gregas que a corrosão do mar havia apagado.


Documentário da BBC:



As letras formavam frases: “a cor é negra”, “a cor é vermelho-sangue”. Isso confirmava que o aparelho também predizia eclipses solares e lunares.

Freeth também verificou que uma espécie de relógio embutido anunciava a data dos jogos pan-helênicos, que incluíam gladiadores.

O relógio dava maior destaque aos Jogos Ístmicos, celebrados em Corinto. Os investigadores descobriram também que o calendário concordava com o da colônia grega de Siracusa.

Então, a mão inspiradora ou inventora de Arquimedes tornou-se ainda mais patente.

Desde 2008, outra equipe, sustentada pela Universidade Puget Sound de Tacoma e pela Fundação Fulbright, e liderada pelos cientistas James Evans e Christián Carman, descobriu que a escala do zodíaco não estava dividida em partes iguais.

A agulha que representava o Sol demorava mais em algumas das zonas, acelerava e desacelerava acompanhando o ritmo da Lua.

As reconstituições tentam compreender como e para o que pode ter sido feito na Antiguidade um mecanismo que se acreditava exclusivo da Era Contemporânea
As reconstituições tentam compreender como e para o que
pode ter sido feito na Antiguidade
um mecanismo que se acreditava exclusivo da Era Contemporânea
Procura-se saber o uso que lhe era dado.

“O mais provável é que fosse uma espécie de computador. Se queres saber quando será o próximo eclipse, bastava girar a manivela até sair a predição. Se queres saber onde estava Marte no dia em que nasceste, basta girar o calendário até o dia de teu nascimento e ficarás sabendo”, disse Christián ao jornal “Clarin” de Buenos Aires. 

Christián estudou as imagens gravadas na face posterior do mecanismo e descobriu os eclipses ordenados num ciclo que se repetia a cada 47 meses.

Tratava-se só dos eclipses no hemisfério norte, o único que os gregos podiam observar.

Os cientistas queriam saber a data em que foi feito o “computador de Arquimedes”.

Por sua parte, os epigrafistas, ou especialistas em inscrições antigas, dataram as inscrições entre o ano 250 a.C. e o 50 a.C., um espectro de tempo assaz grande que incluía dez eclipses.

Com base nos estudos de Alexander Jones, que estabeleceram a velocidade lunar de alguns eclipses, Christián descartou nove dos dez possíveis.

Só uma hipótese ficou de pé: o primeiro eclipse do mecanismo aconteceu no dia 25 de junho de 205 a. C., às 15.35, hora local de Atenas.

Portanto, o calendário de Anticitera começou a funcionar em agosto ou setembro do ano 216 antes de Cristo, quando Arquimedes ainda estava vivo.

Apesar da precisão deste dado, ainda há outras variáveis para serem decifradas, sugeridas por engrenagens cuja finalidade ainda não foi identificada.

Christián observou o fascínio que produz um instrumento que passou 2.000 anos no fundo do mar.

De fato, o reaparecimento do engenho aponta que muitas coisas de que a modernidade se ufana foram, na realidade, inventadas há milênios, sem dinheiro nem maquinarias complicadas, mas apenas contemplando com sabedoria natural a ordem posta por Deus no Universo criado.

Documentário do governo grego:



segunda-feira, 20 de setembro de 2021

Satélite procura-planetas: só na Terra há vida inteligente. As “inteligências extraterrestres” ou são angêlicas, ou... diabólicas

Dados do satélite "caçador de planetas" Kepler afastam certeza de vida ET
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Segundo John Rehling, cientista de computação no Dartmouth College e na Universidade de Indiana e que já trabalhou para a NASA, ainda estamos bem longe de encontrar um planeta gêmeo da Terra.

A afirmação soou como “desanimadora” para aqueles que não gostam da ideia da centralidade do ser humano e de sua natureza por assim dizer monárquica e exclusiva dentro da ordem do universo, feito a imagem e semelhança de Deus.

Esta antipatia subjaz em muitas pesquisas à procura de vida extra-terrestre – ou ET. Procura que de momento só pôde exibir números mais ou menos hipotéticos sobre planetas que eventualmente reuniriam condições análogas às da Terra para poderem albergar alguma forma de vida.

Agora, com base nos dados do satélite caçador de planetas Kepler, o Prof. Rehling explicou que das 156 mil estrelas que o Kepler monitora em busca de planetas, apenas 27 podem estar orbitando um planeta que possa ser comparado legitimamente à Terra, em termos de tamanho e órbita.

O que significa dizer que será preciso muita sorte para que algum deles seja bem identificado, de muito mais sorte ainda para nele haver vida, e de muitíssimo mais sorte para existir vida inteligente!

Kepler achou mais de 1.200 planetas extra-solares, mas chances de vida são ínfimas
Os cientistas que trabalham com o Kepler anunciaram muitas vezes: “Estamos encontrando cada vez mais planetas pequenos como o nosso e cada vez mais planetas suficientemente afastados de suas estrelas”.

O problema é que, depois de uma análise estatística rigorosa, Rehling percebeu que há um senão decisivo nessa informação: em geral, quando o planeta tem o tamanho da Terra, não tem órbita similar, e vice-versa.

Os métodos aplicados no Kepler para detectar planetas fornecem toneladas de potenciais “trânsitos” ou movimentos, tratados em geral como “candidatos a planeta”.

Mas, observou Rehling, nem todos esses “candidatos a planeta” são verdadeiros planetas. Muitos “trânsitos” obedecem a outros fenômenos astronômicos. Há também vieses de observação do próprio satélite, que tendem a registrar mais planetas mais próximos e maiores.

Feitos os descontos que o bom método científico exige, Rehling observou que o Sistema Solar é “quantitativamente atípico”: “Embora o Kepler nos mostre que há quase certamente vários planetas em cada estrela, ele também indica que o Sistema Solar tem uma distribuição bizarramente espalhada quando comparada à de sistemas planetários típicos”.

Infograma da "Folha de S.Paulo" mostra excecionalidade da Terra
O resultado – observou o cientista – aponta que a Terra não é apenas mais um planeta girando ao redor do Sol, sem nada de especial.

Pelo contrário, ela é um planeta todo especial, sem igual conhecido ou comparável.

Isso se deve ao fato da extrema raridade de suas condições na escala astronômica.

Esta raridade só poderia ser atingida por um punhado de planetas orbitando entre centenas de milhares de estrelas.

E, por isso, embora o Sistema Solar seja um entre muitos, é um sistema mais provavelmente único.

A revelação caiu como balde d’água fria nos ambientes que querem fazer crer que em outros planetas há condições de vida – talvez a própria vida – e, numa proporção cada vez mais difícil e pequena, até vida inteligente.

Esses estudiosos, contudo, não negaram o valor científico da afirmação de Rehling.

Preferiram fugir do mérito do problema e apelar para a necessidade de uma nova geração de satélites mais poderosos para ver se encontram os tais planetas eventualmente capazes de albergar alguma forma de vida, ainda que ínfima.

Os astrônomos também pedem cautela antes de se tirar qualquer conclusão desse tipo.

“Temos de esperar a nova geração de satélites para ter alguma segurança” – diz Eduardo Janot Pacheco, astrônomo da USP e da equipe do Corot (satélite europeu caçador de planetas, rival do Kepler).

Enquanto essa nova geração de satélites não entrar em funcionamento e detectar os tais planetas que poderiam ter vida, as informações que procuram dar a entender que foi achado um planeta capaz de ter vida devem ser recebidas com precaução.

Talvez suspeitas de torcidas pessoais, de sensacionalismo da imprensa ou fruto até de preconceitos ideológicos anticatólicos.

Enquanto as ciências não encontrarem alguma indicação algo mais aproximativa da existência de vida em outros planetas, o raciocínio sobre a suspeita aparece como ocioso.

Entretanto, convém lembrar que possuir inteligência foi para os filósofos da Antiguidade o sinal de uma natureza espiritual e, portanto, imorredoura.

Para a teologia bíblica hebraico-cristã, foi sempre a prova de que o homem está dotado de uma alma espiritual destinada a viver eternamente.

Segundo São Tomás de Aquino, os anjos presidem os astros para que funcionem bem, segundo suas leis que Deus criou
Segundo São Tomás de Aquino, os anjos presidem os astros
para que funcionem bem, segundo suas leis que Deus criou
Na morte o corpo e a alma se separam e o corpo se decompõe.

A morte decorre do pecado dos nossos primeiros pais. Mas, Nosso Senhor se encarnou para remir o homem do pecado.

Com a Resurreiçao dos Mortos no fim do mundo, cada alma voltará a se reunir com seu corpo respectivo ressuscitado.

E aqui se põem questões ainda muito remotas, mas mordentes. Esses seres extraterrestres dotados de inteligência teriam sido remidos? Ou não precisam de Jesus Cristo, ou porque não pecaram ou por outra razão?

Seriam eles alheios à Redenção e à Igreja?

Por que a Escritura nada fala de sua existência, sendo que, se existem, seria natural que falasse pois tem a ver com a História da Salvação?

Fora dos homens, as Escrituras só falam da existência dos seres inteligentes que são os anjos.

Eles, se dividiram em função da revolta de Lucifer, entre bons e maus. Os bons não pecaram, e Jesus Cristo não precisou remí-los nem fazer qualquer coisa equivalente a uma encarnação neles.
Segundo São Tomás de Aquino, os anjos presidem os astros para que funcionem bem, segundo suas leis que Deus criou
Segundo São Tomás de Aquino, os anjos presidem os astros
para que funcionem bem, segundo suas leis que Deus criou

Os maus pecaram, mas pela radicalidade de seu pecado fixaram-se para sempre no mal. Uma espécie de redenção e/ou “encarnação” neles não faz sentido algum.

Os anjos governam o movimento dos astros e estão presentes um pouco por toda parte até nas mais longínquas constelações, muito longe da Terra.

Os demônios ditos “dos ares” ainda vagueiam também um pouco por toda parte – nos astros e na Terra – até o dia que serão precipitados definitivamente no inferno.

Nesse sentido muito especial – que os cientistas não consideram – poderiam ser chamados de “inteligências extraterrestres”.

As inteligências extraterrestres sem Redenção com as quais especulam alguns cientistas – e não cientistas – ao quê que se pareceriam?

Muitas questões estão em aberto.



segunda-feira, 13 de setembro de 2021

Há 175 anos apareceu Nossa Senhora em La Salette

Mélanie e Maximin, os dois videntes, desceram para ver uma grande luz, dentro da qual havia uma Dama
Mélanie e Maximin, os dois videntes, desceram para ver uma grande luz, dentro da qual havia uma Dama
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Na manhã do 19 de setembro de 1846 Maximin acompanhou Mélanie para cuidar do gado. Era um dia bonito, o céu estava sem nuvens e o sol brilhava intensamente.

Subiram o morro de La Salette (França) até uma altura de 1.800 metros, sem poderem imaginar o evento sobrenatural que haveriam de testemunhar.

Maximin queria brincar. Ela lhe propôs seu entretenimento preferido: fazer o que ela chamava de paraíso, isto é, uma casinha de pedras toda recoberta de ramalhetes feitos com flores silvestres, que desabrocham naturalmente nas alturas.

Chegando a uma curva do terreno protegida dos ventos, começaram a levantar o paraíso. No local há muita ardósia, pedra que forma placas e se prestava para o brinquedo.

A fonte de La Salette

Ali corre um regato chamado Sézia, formado pelo degelo das neves, e que empresta seu nome ao local da aparição.

Também surgia uma fonte de água de vez em quando.

Os pastores costumavam levar o gado para beber água dessa fonte, mas desde a aparição, ela vem jorrando sem interrupção.

Pode-se beber dela e, por causa disso, muita gente tem recebido graças. Até mesmo milagres têm acontecido.

O paraíso tinha um térreo, que seria a habitação, e um sobrado fechado por uma pedra mais larga. 

Eles colheram maços de flores, fizeram coroas adornadas e as distribuíram sobre o paraíso. Após muito trabalho nessa construção, o paraíso ficou pronto e todo colorido e perfumado.

Os dois admiraram a obra, mas sentiram sono. Afastaram-se um pouco, comeram seu magro quitute,  deitaram na relva e dormiram.

Uma luz mais brilhante que o sol

Maximin contou o que em seguida aconteceu:

“Nossas vacas beberam e se dispersaram. Fatigado, me deitei sobre a grama e dormi. Alguns instantes depois ouvi a voz de Mélanie que me chamava:
– Mémin [era um diminutivo de Maximin], Mémin vem logo, vamos ver onde estão as vacas.

“Eu me levantei num pulo, peguei meu bordão e fui atrás de Mélanie, que era minha guia. Atravessamos o Sézia e subimos rapidamente a encosta de um montículo. Do outro lado percebemos que nossos animais repousavam tranquilamente.

"Voltamos para o banco de pedra, onde tínhamos deixado nossas merendeiras, quando de repente Mélanie parou O bastão caiu de suas mãos, e espantada, ela voltou-se para mim, dizendo:
– Está vendo lá em baixo essa grande luz?
– Sim, estou vendo. Mas vai, pega o teu bordão.

“Então, brandindo o meu cajado de modo ameaçador, eu disse:
– Se ela nos tocar, eu lhe darei um bom golpe!

“Essa luz, diante da qual a do sol parece pálida, parecia se entreabrir, e percebíamos no seu interior a forma de uma Dama ainda mais brilhante. Ela tinha a atitude de uma pessoa profundamente aflita. Estava sentada sobre uma das pedras do banquinho [N.R.: refere-se ao paraíso], com os cotovelos apoiados nos joelhos e o rosto coberto com as mãos”.

Era o dia 19 de setembro de 1846. As crianças não faziam bem ideia da magnitude do que estava ocorrendo.

Mélanie e Maximin se encontravam nesse momento num local mais alto, e foram descendo, de início intrigados e depois maravilhados. Maximin continua:

“Embora estivéssemos a uma distância de uns vinte metros, ouvimos uma voz doce, como se saísse de uma boca próxima de nossos ouvidos, que dizia:

– Avançai meus filhos, não tenhais medo. Estou aqui para vos anunciar uma grande notícia.

O temor respeitoso que nos tinha contido desvaneceu-se. Corremos até ela, como indo a uma boa e excelente mãe”.

Mélanie sempre foi mais meticulosa nas suas descrições. Deixou registrado com mais pormenores o que viu e ouviu. Ela conta:

“O vestido da Santíssima Virgem era branco prateado e todo brilhante. Não tinha nada de material, estava composto de luz e de glória variante e cintilante.

“Na terra não há expressões nem comparação para usar. (...)

“A Santíssima Virgem tinha um avental amarelo. Por que digo amarelo? Ela tinha um avental mais brilhante que muitos sóis juntos.

“Não era de um pano material, estava composto de glória, e esta glória era cintilante e de uma beleza encantadora.

“Tudo na Santa Virgem me atraía poderosamente e me inclinava a adorar e a amar meu Jesus em todos os estados de sua vida mortal.

“A coroa de rosas que ela tinha sobre a cabeça era tão bela, tão brilhante, que não dá para se fazer uma ideia. As rosas de diversas cores não eram da terra.

“Era uma reunião de flores que rodeava a cabeça da Santíssima Virgem com forma de coroa. Mas as rosas mudavam e se substituíam, porque do centro de cada rosa saía uma luz tão bela, que fascinava e tornava as rosas de uma beleza esplendorosa.

“Da coroa de rosas subiam raios de ouro e uma grande quantidade de outras florzinhas misturadas com brilhantes. O todo formava um belíssimo diadema, que brilhava sozinho mais do que nosso sol na Terra.

Os sapatos (pois é preciso dizer sapatos) eram brancos, mas de um branco prateado, brilhante. Havia rosas em torno deles.

“Essas rosas eram de uma beleza fulgurante. E do centro de cada rosa saía uma chama de luz muito bonita e muito agradável de se ver. Sobre os sapatos havia uma fivela de ouro, não do ouro da Terra, mas de ouro do paraíso”.

Mélanie contou que Maximin tentou pegar uma destas rosas que estavam sob Nossa Senhora, mas nada conseguiu.

“A Santa Virgem tinha uma belíssima cruz pendurada no pescoço. Essa cruz parecia ser dourada, mas digo dourada para não dizer que era folheada a ouro (...).

“Sobre esta cruz brilhantíssima havia um crucificado. Era Nosso Senhor com os braços estendidos sobre a cruz. Quase nas duas extremidades da cruz, de um lado havia um martelo e do outro uma torquês.

“A cor da pele do crucificado era natural, mas brilhava com grande fulgor. E a luz que emanava de todo seu corpo parecia dardos brilhantíssimos que perpassavam meu coração de desejo de me fundir n’Ele.

“Por vezes Cristo parecia morto. Ele tinha a cabeça inclinada e o corpo estava afastado, como a ponto de cair, se não fosse retido pelos pregos que o seguravam na cruz.

“Outras vezes Cristo parecia vivo. Tinha a cabeça erguida, os olhos abertos, e parecia estar na cruz por vontade própria. E em algumas ocasiões parecia falar”.

Geralmente interpreta-se o martelo como símbolo daqueles que pela sua má vida, pelo menosprezo da Lei divina e até pelo ódio, pregam ainda mais Nosso Senhor Jesus Cristo na cruz.

Nesta concepção a torquês representa aqueles que, pelas suas boas ações, diminuem as dores de Nosso Senhor, e dentro de suas possibilidades tentam despregá-lo da cruz.

“A Santíssima Virgem – lembra ainda Mélanie – tinha duas correntes, uma um pouco mais larga que a outra. Da mais estreita estava pendurada a cruz à qual me referi.

“Essas correntes (é preciso dar-lhes o nome de correntes) eram raios de glória de grande brilho, que não é fixo mas faiscante”.

Os videntes desceram logo a pouca distância que os separava da Dama.

Ao mesmo tempo Nossa Senhora se pôs em pé e deu alguns passos em direção às crianças.

Ela pairava uns 10 centímetros acima da relva, e começou dizendo:
“Vinde meus filhos, não tenhais medo, estou aqui para vos anunciar uma grande notícia.

“Se meu povo não quiser se submeter, fico obrigada a deixar o braço de meu Filho golpear.

“Ele é tão pesado e tão grave, que não posso mais segurá-lo.

“Há muito que sofro por vossa causa. Se quero que meu Filho não vos abandone, estou obrigada a rezar a Ele sem cessar, por vossa causa.

Mas vós não fazeis caso”.

Mélanie descreveu assim o olhar de Nossa Senhora, como ela viu na aparição:

“Os olhos da Santíssima Virgem, nossa terna mãe, não podem ser descritos por língua humana.

“Seria preciso um serafim, seria preciso a linguagem do próprio Deus, desse Deus que criou a Virgem Imaculada, obra-prima de sua onipotência.

“Os olhos da augusta Maria pareciam mil vezes mais belos que os brilhantes, os diamantes, as pedras preciosas mais procuradas.

“Eles brilhavam como sóis. Eram doces, feitos da própria doçura, luminosos como um espelho. Em seus olhos via-se o Paraíso, eles atraíam a Ela.

“Ela parecia querer dar-se e atrair. Quanto mais eu a olhava, mais a queria ver. Quanto mais a via, mais a amava com todas minhas forças.

“Os olhos da bela Imaculada eram como a porta de Deus, de onde se via tudo que pode inebriar a alma. Quando meus olhos se encontravam com os da Mãe de Deus e minha, sentia dentro de mim uma feliz revolução de amor, uma promessa de amá-la e de me desfazer de amor.

“Quando nos olhávamos, nossos olhos conversavam à sua maneira. Eu a amava tanto, que teria querido osculá-la entre os olhos.

“Eles enterneciam minha alma e pareciam atraí-la e a fundir com a minha. Seus olhos inculcaram um suave tremor em todo o meu ser.

“Eu temia qualquer movimento que lhe pudesse ser desagradável, por menor que fosse.

“A simples visão dos olhos da mais pura das virgens teria bastado para tornar-se o céu de um bem-aventurado. Teria bastado para que uma alma se unisse plenamente com a vontade do Altíssimo, permanecendo assim em meio aos eventos da vida mortal.

“Teria bastado para que esta alma praticasse contínuos atos de louvor, de ação de graças, de reparação e de expiação.

“Esta simples visão concentra a alma em Deus e a torna como uma morta viva que olha todas as coisas da Terra, até as que lhe parecem mais sérias, como se fossem brinquedos de crianças. Ela não desejaria senão ouvir falar de Deus e do que toca na sua glória”.


Vídeo: Uma visita a La Salette - CLIQUE NA FOTO



segunda-feira, 30 de agosto de 2021

Hospital cruzado de Jerusalém
inspirou a criação dos hospitais no mundo

A Grande Sala dos Pobres, do Hospital (Hôtel-Dieu) de Beaune
nos dá uma ideia de como pode ter sido o Hospital de Jerusalém
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







continuação do post anterior: O primeiro Hospital foi cruzado e em Jerusalém. Hoje à luz do dia


O Hospital segundo testemunhos de época


A Ordem que criou e deu todo seu brilho ao Hospital foi fundada durante a Primeira Cruzada pelo Bem-aventurado Pierre-Gérard de Martigues, mais conhecido como Gerardo Thom (Tum, Tune, Tenque, segundo as grafias).

Ele foi reconhecido como fundador em Bula de 1113 do Papa Pascoal II, confirmada pelo Papa Calixto II pouco após a morte do Beato em 1120.

O Hospital, como seu nome indica, tinha o objetivo de servir de hospedaria para os peregrinos.

Mas, as condições difíceis e perigosas da romaria a Terra Santa adoentava a muitos. Também eram numerosos os que chegavam feridos pelas violências dos infiéis.

O Hospital foi então passando a ser uma coisa que não existia até então: uma casa para curar doentes, pessoas debilitadas ou qualquer outro mal do corpo.

O historiador americano Thomas Woods cita João de Würzburg, sacerdote alemão que ficou pasmo com o que viu no Hospital de São João quando de sua romaria a Jerusalém.

A casa – escreveu ele – alimenta tantos indivíduos fora dela quanto dentro, e dá um tão grande número de esmolas aos pobres, seja aos que chegam até a porta, seja as que ficam do lado de fora, que certamente o total das despesas não pode ser contado, nem sequer pelos administradores e dispensários da casa” (Thomas E. Woods, How the Catholic Church built Western Civilization, Regnery Publishing Inc, Washington 2005, p. 178. Em português: Como a Igreja Católica construiu a civilização ocidental, Quadrante, SP, 2008).
Hospital medieval de Beaune: figuras de cera recriam o ambiente
Teodorico de Würzburg, outro peregrino alemão, maravilhou-se porque, “indo através do palácio, nós não podemos de maneira alguma fazer uma ideia do número de pessoas que ali se recuperam. Vimos um milhar de leitos.

“Nenhum rei ou tirano seria suficientemente poderoso para manter diariamente o grande número de pessoas alimentadas nessa casa” (Woods, p. 178).

“Nossos senhores, os pobres”

O sucessor do Beato Gerardo, Raymond du Puy, prior dos Cavaleiros Hospitalários, escreveu o Decreto, ou Regra, da Ordem.

Nele incita os monges-guerreiros a fazerem sacrifícios heroicos por “nossos senhores, os pobres”.

Pois a espiritualidade da Ordem de São João via no doente um “pobre de Cristo” ou um “santo Pobre”, e isto antes mesmo de Deus enviar o grande São Francisco de Assis.

“Quando os pobres chegam – diz o artigo 16 do decreto de du Puy – devem ser assim acolhidos: que recebam o Santo Sacramento, após terem confessado primeiro seus pecados ao sacerdote, e depois sejam levados à cama, como se fosse um Senhor”.

O decreto de du Puy, que leva o titulo de “Como Nossos Senhores os doentes devem ser recebidos e servidos”, virou um marco no desenvolvimento dos hospitais católicos (Woods, pp. 178-179).

O Hospital de Jerusalém inspirou a criação de uma rede de hospitais similares na Europa que acabou dando nos hospitais modernos.

Sua ordem interna, sua qualidade no atendimento e seu espírito de caridade fizeram dele o modelo das instituições que à sua imitação passaram a se chamar também “hospital”.

De retorno da Terra Santa, os peregrinos contavam na Europa a maravilha do Hospital de Jerusalém.

Não poucos deles eram nobres, ricos comerciantes e até reis, e passaram a financiar instituições que imitassem o modelo de São João de Jerusalém.

Pois o Hospital de Jerusalém era gratuito para os doentes ou peregrinos sem hospedagem, abundantes nesses tempos de guerra em que não havia hotéis.

Cozinha do Hôtel-Dieu de Beaune. O Hospital de Jerusalém
alimentava milhares de pessoas diariamente de modo gratuito
Em 1131, o rei Alfonso de Aragão legou um terço de seu reino aos Cavaleiros Hospitalares.

No século XII, os novos hospitais da Europa pareciam, do ponto de vista da eficiência e organização, mais com hospitais modernos do que com os antigos hospícios – descontadas as limitações materiais, técnicas e de conhecimentos da época.

No século XIII, os Hospitalários administravam pelo menos 20 outros hospitais e leprosários em território europeu.

Mas o de São João de Jerusalém estava sempre na frente pelo profissionalismo, organização e disciplina.

A hospitalidade de que os beneditinos davam exemplos aparentemente insuperáveis foi de algum modo sobrepujada pela dos monges-cavaleiros de São João de Jerusalém, ordem hoje mais conhecida como Ordem de Malta.

Cada dia o doente devia ser visitado duas vezes pelos médicos, ser lavado e tomar duas refeições. Os responsáveis não podiam comer antes que os pacientes.

Uma equipe de mulheres cumpria outras tarefas e garantia vestimentas e roupa de cama limpas – acrescenta o Prof. Woods. PARA VER O CURSO DE AULAS LEGENDADAS EM PORTUGUÊS DO PROF. WOODS, CLIQUE AQUI.

Ocaso do Hospital de Jerusalém e do sistema hospitalar medieval

Após o desaparecimento do Hospital de Jerusalém pela incúria maometana, o rei protestante Henrique VIII fechou na Europa os mosteiros e confiscou suas propriedades. Desapareceu então a caridade para com os necessitados.

Ruínas do Hospital de Jerusalém
A redistribuição das terras abaciais trouxe “a ruína para incontáveis milhares dos mais pobres dos camponeses, a quebra de pequenas comunidades que eram seu mundo, e a verdadeira miséria passou a ser seu futuro” (Woods, p. 182).

Idêntico ou pior mal fez a Revolução Francesa. Em 1789, o governo revolucionário confiscou as propriedades da Igreja. Em 1847, mais de meio século depois, a França tinha 47% hospitais a menos do que no ano do confisco (Woods, pp. 185-186).

Hoje os hospitais em mãos do Estado – por vezes mal cuidados – ou dos particulares – por vezes caríssimos – ainda usufruem do impulso dado pelo Hospital de São João de Jerusalém, impregnado de caridade cristã.

A descoberta das ruínas do Hospital dos Cruzados é como o achado de uma relíquia da História da Igreja. E da história da ciência médica também.

FIM

terça-feira, 17 de agosto de 2021

O primeiro Hospital foi cruzado e em Jerusalém. Hoje à luz do dia

Fundo: ruínas do Hospital de Jerusalém.
Frente: brasão de feitio moderno dos hospitalários
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Uma equipe de arqueólogos da Autoridade de Antiguidades de Israel – AAI (máxima autoridade na matéria do país), liderada por Renee Forestany e Amit Reem, encontrou as ruínas do primeiro hospital da história.

Pois esse hospital serviu de modelo para as casas de saúde que se construíram a partir de então.

Em seu momento, a notícia repercutiu largamente na imprensa internacional. Por exemplo “Público” de Portugal, “ABC” de Madri, e em sites especializados em arqueologia como “Heritage Daily”

As ruínas do edifício hoje ficam na Cidade Velha de Jerusalém, no coração do bairro cristão, num local também conhecido como Muristão, uma corruptela de Hospital em língua persa.

A parte desentulhada revela um imenso prédio construído pelos Cruzados entre os anos 1099 e 1291 d.C.

Trata-se em verdade do famosíssimo Hospital de São João de Jerusalém, criado pela ínclita Ordem religiosa de cavalaria hoje conhecida como Soberana Ordem Militar e Hospitalar de São João de Jerusalém, de Rodes e de Malta. Abreviadamente: Ordem de Malta.

Um monumento erigido nos tempos modernos no local pela própria Ordem de Malta testemunha que lá existiu o famoso Hospital.

Segundo o jornal israelense Haaretz, a revelação é o produto de anos de investigação e restauro.

Durante muito tempo, as ruínas foram usadas para um mercado árabe de frutas e legumes. O fato impedia os trabalhos. O mercado fechou de há muito.

Um aspecto do Hospital de Jerusalém após desentulhar o local
Ordem cruzada criou o modelo do hospital para os séculos futuros

O que resta do velho hospital impressiona pela sua magnitude. Ele cobre pelo menos uma área equivalente a um campo de futebol e meio. O total do prédio deve ter atingido 15.000 metros quadrados.

Os grandes arcos e as colunas, o pé-direito de seis metros de altura, e a divisão do espaço em salas grandes e pequenas dão pistas preciosas em relação à sua dimensão e ao seu uso.

Os monges-cavaleiros da Ordem dos Hospitalários, hoje Ordem de Malta, também garantiam a segurança dos peregrinos da Terra Santa.

Nos momentos críticos, os monges hospitalares acompanhavam os romeiros em suas viagens por locais infestados de assaltantes e bandos de mouros até os portos ou as cidades por onde Jesus passou.

Caso necessário, juntavam-se à batalha e constituíam uma das mais temíveis unidades de elite cristã e terror das hordas muçulmanas.

Krak dos Cavaleiros (Síria) hoje.
Foi uma das peças chaves da segurança da Terra Santa
na mão dos cavaleiros hospitalários
Para garantir a segurança, os monges hospitalários chegaram a construir ou possuir na Terra Santa sete grandes fortalezas – entre as quais o mítico Krak dos Cavaleiros – além de outros 140 castelos menores.

Organização e tamanho espantosos para a época

Renee Forestany e Amit Reem, coordenadores da escavação, também pesquisaram documentos da época. “Informamo-nos a respeito do hospital através de documentos históricos contemporâneos, a maior parte em latim”, contam.

Eles ainda explicam que esse sofisticado hospital tinha capacidade para dois mil pacientes de todo tipo, independente de idade, gênero ou religião. Homens e mulheres eram atendidos em setores separados.

Tal como as atuais unidades hospitalares, ele estava dividido em asas e departamentos, segundo a natureza das doenças e a condição dos pacientes.

Acolhiam recém-nascidos abandonados, que eram atendidos com grande dedicação, segundo o comunicado da AAI. O orfanato recebia crianças que perdiam os pais ou que eram simplesmente deixadas por eles ao cuidado dos monges.

Muitas dessas crianças viriam a trabalhar mais tarde para a Ordem, e alguns dos rapazes chegaram mesmo a combater nas fileiras dos cruzados.

A mesma AAI procura minimizar o prestígio dessa grande instituição católica acenando para os pobres conhecimentos da medicina da época. Mas essa ignorância era geral, e não culpa dos frades.

Antes pelo contrário, a ordem e a higiene que reinavam no Hospital estabeleceram o modelo de instituição hospitalar para o mundo civilizado, contribuindo poderosamente para o desenvolvimento da ciência médica.

Monumento confirma que ali estava o famoso Hospital
A instituição do hospital era desconhecida dos pagãos, inclusive dos muçulmanos. A medicina era venerada pelos árabes, porém desde que nasceu o Hospital de São João os médicos árabes iam a aprender da boca dos frades Cruzados.

O Hospital de São João de Jerusalém maravilhou a Saladino (1138-1193), sultão e chefe militar islâmico que conquistou Jerusalém em 1187.

Por isso o implacável guerreiro permitiu aos monges manterem as portas abertas e até ampliarem o Hospital.

Porém, as autoridades maometanas não souberam cuidar de uma instalação tão específica. E quando, devido a um terremoto, grande parte do prédio velho desmoronou no ano 1457, os islâmicos nem souberam restaurá-lo ou voltar a pô-lo em funcionamento.

O Império Otomano apenas conseguiu abrir o mercado de frutas e legumes nas ruínas.

E o povo de Jerusalém, islâmico ou não, ficou às voltas com as doenças, sem ter onde procurar tratamento ou auxílio.

Hospital: uma invenção católica desconhecida dos antigos

O caso do Hospital de São João de Jerusalém é paradigmático do papel da Igreja Católica impulsionando as ciências médicas quando e onde estas, ou não existiam ou estavam no último ponto do esquecimento.

A instituição do hospital, assim como dos orfanatos e dos asilos na área da saúde é um produto específico da Cristandade nascida sob o bafejo da caridade cristã.

Fundo: aspecto dos trabalhos nas ruínas do Hospital de Jerusalém.
Frente: brasão de feitio moderno dos hospitalários
No ano 600, o Papa São Gregório Magno impulsionou a construção de um hospital em Jerusalém para tratar e dar hospedagem aos peregrinos da Terra Santa.

Esse primeiro hospital-albergue foi ampliado por ordem de Carlos Magno, Imperador do Sacro Império Romano Alemão, por volta do ano 800. A reforma incluiu a criação de uma biblioteca que dependia do hospital

Em 1005, os fanáticos da seita islâmica fatimita, que achavam que o califa Al Hakim era uma encarnação de Alá, realizaram a “proeza” de destruir o hospital e 300 outros prédios em Jerusalém.

Os historiadores ocidentais se referem a Al Hakim como o “Califa louco”, mas hoje em dia ele continua sendo venerado por diversas sub-seitas islâmicas.

Em 1023, à vista dos resultados desastrosos, o califa Ali az-Zahir do Egito autorizou a reconstrução do hospital sobre as ruínas do mosteiro de São João Batista fundado por monges beneditinos.


continua no próximo post: Hospital cruzado de Jerusalém inspirou a criação dos hospitais no mundo


segunda-feira, 2 de agosto de 2021

A surpresa de Megido: é a igreja cristã mais antiga do mundo?

Presos descobrem mosaico em Israel, Megido
Presos descobrem mosaico em Megido, Israel
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Quando o coronel Sharon Shoan, comandante da prisão de segurança máxima de Megido, Israel, ordenou aos presidiários empreenderem obras de escavação para ampliar as instalações jamais imaginou o que iriam a encontrar.

Ele sabia que a região é rica em vestígios históricos e os trabalhos foram supervisionados pela Agência de Antiguidades israelense (I.A.A. em inglês).

Na obra, trabalhavam prisioneiros de boa conduta.

Eles descobriram um grande mosaico que servia de piso daquela que, segundo alguns, poderia ser a mais antiga igreja católica do orbe.

Em verdade, a mais antiga igreja do mundo é a do Cenáculo em Jerusalém, onde Nosso Senhor Jesus Cristo instituiu a Missa.

Confira: O mais antigo templo católico: a "igreja dos Apóstolos" no Cenáculo


O mosaico de Megido, porém, mais provavelmente é dos anos 240-241 d.C.

Uma das igrejas católicas mais antigas do mundo descoberta em Israel
Uma das igrejas católicas mais antigas do mundo descoberta em Israel
Nele há menções a Jesus Cristo como Deus, e o peixe, símbolo cristão.

A estrutura é típica de uma casa privada reformada para atender as necessidades litúrgicas de uma comunidade em aumento.

Ele seria um exemplo da expansão do Cristianismo nas altas esferas do Império.

O Império pagão perseguiu a Igreja nascente até o Edito de Milão do ano 313.

Com aquele feliz edito o juizoso imperador Constantino concedeu liberdade plena ao cristianismo.

Então, inúmeros templos pagãos fecharam, muitos outros foram transformados em igrejas, e o catolicismo passou a ser a religião principal do Império romano cristianizado.

Os mosaicos representam também quatro mulheres e uma Missa.

O arqueólogo israelense Yotam Tepper, da Universidade de Tel Aviv, trabalhou os restos da igreja confirmando que data do século III. Nessa época os cristãos eram perseguidos pelo Império Romano.

O mosaico principal do chão mede 54 m2 e está muito bem conservado.

Uma das igrejas católicas mais antigas do mundo descoberta em Israel
Encontra-se o nome do centurião romano Gaianos, ou Porfírio, provável benfeitor da obra.
Inclui inscrições, figuras geométricas e representações de peixes, símbolo utilizado pelos primeiros cristãos.

As inscrições, escritas em grego antigo, são em número de três, segundo Wikipedia.

Um deles menciona o oficial romano Gaianus, que teria doado “seu próprio dinheiro” para a confecção do mosaico.

A inscrição pode ser assim traduzida:

“Gaïanos, também chamado Porfirio, centurião, nosso irmão [amado] e dignitário, mandou fazer este mosaico às suas custas. Broutis conseguiu”.

Uma segunda inscrição diz: “Comemore Primilla, Kyriakê, Dorotea e novamente Khrêstê”.

É possível que essas quatro mulheres tenham sido mártires desta comunidade.

E ainda frente à anterior, lê-se numa outra inscrição:

“Memorial da piedosa Akeptous que ofereceu o altar de Deus Jesus Cristo”.

No altar foi sem dúvida celebrada a Santa Missa, a que alude o termo memorial.

“Esse altar estava provavelmente no centro da sala, perto da inscrição, segundo o arranjo constatado nos restos das igrejas do Norte da África.

“O nome de Akeptous, sem dúvida derivada do latim Acceptus, pode referir-se a uma escrava”.

Igreja católica de Megiddo, uma das mais antigas do mundo
Igreja católica de Megido, uma das mais antigas do mundo
Se a datação do pavimento da igreja de Megido está correta, a descoberta confirma os dados conhecidos por fontes literárias.

Em particular da “História Eclesiástica” de Eusébio de Cesaréia.

De fato, o Cristianismo passou a ser amplamente tolerado a partir do ano 260.

A construção poderia, portanto, datar do último quarto do século III ou do primeiro quarto do século IV.

Por outro lado, o antropólogo Joe Zias, ex-curador da Autoridade de Antiguidades de Israel, acredita que:

“Meu palpite é que aqui houve um edifício romano que foi convertido em uma igreja”.

Quem daqueles primeiros católicos teria dito que quase dois mil anos depois de sair de uma era de perseguição, e de consagrar seus pobres recursos à glória de Deus, veriam sua modesta igreja objeto de uma tão gloriosa exumação!