segunda-feira, 19 de julho de 2021

As pirâmides do Egito foram feitas com ciência e técnica herdadas de Adão?

Concepção artística de como poderia ter sido a construção das pirâmides
Concepção artística de como poderia ter sido a construção das pirâmides
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Até não muito, hipóteses das mais diversas, e até bizarras, pretendiam explicar a construção das pirâmides do Egito.

De fato, elas surpreendem pela inteligência de sua engenharia e conhecimentos científicos inscritos em suas formas.

As teorias mais comuns falavam de escravos sacrificados aos milhares num trabalho inumano, mas há maluquices como a de Elon Musk, que quer ser o homem mais rico de mundo, e as atribui a extraterrestres.

Especulou-se também com a teoria de que judeus escravizados foram explorados para faze-las.

Segundo o jornal “Clarín”, a hipótese de judeus escravizados foi descartada desde uma perspectiva hebraica pelos arqueólogos Israel Finkelstein e Neil Asher Silberman no livro “Bíblia Desenterrada: a nova visão da arqueologia de Israel antigo e a origem de seus textos sagrados”.

No livro, eles garantiram que não foi encontrado registro arqueológico algum do povo hebreu no Egito datando de 4.500 anos, quando as pirâmides de Gizé foram erguidas.

“Não temos ideia, nem mesmo uma palavra, sobre os primeiros israelitas no Egito. Nem nas inscrições monumentais nas paredes dos templos, nem nas inscrições nos túmulos, nem nos papiros”, escreveram Finkelstein e Silberman em sua obra.

O "Diário de Merer"
O "Diário de Merer"
O mistério dos construtores das pirâmides parece ter chegado ao fim porque uma categorizada equipe de arqueólogos foi estudar o papiro conhecido como “Diário de Merer”, descoberto em 2013.

Também foi desvendado um revelador cemitério para os construtores daqueles gigantes de pedra, segundo registrou “Clarín”.

O papiro conserva as notas do capataz egípcio Merer e é o único registro de primeira mão que conta como as pirâmides egípcias foram construídas.

Eatueta que representaria ao capataz Merer,  Metropolitan Museum of Art, New York
Eatueta que representaria ao capataz Merer
Metropolitan Museum of Art, New York

Nele, o remoto autor explica que as pedras foram extraídas por uma equipe habitualmente de cerca de 200 homens. 

Depois foram transferidas para Gizé por canais especialmente construídos até um porto interno aberto a poucos metros da base da Grande Pirâmide.

Zahi Hawass, famoso egiptólogo e ex-ministro das Antiguidades do Egito, descreveu os construtores como “trabalhadores muito bem tratados”.

É testemunho loquaz disso o cemitério especial feito para eles descoberto em 2013.

Nele há pelos menos 12 esqueletos em perfeito estado de conservação e na posição ditada pelas antigas crenças do sepultamento e demais objetos que os egípcios colocavam nas tumbas.

Cidade dos engenheiros das pirámides
Cidade dos engenheiros das pirámides
“Se eles fossem escravos, não seriam enterrados ao lado de reis e rainhas”, explicou Hawass.

Descartar as outras teorias foi assaz mais fácil porque em favor delas nunca foi encontrada evidência arqueológica alguma, em nenhum momento.

A ideia de que os construtores teriam sido habitantes da cidade perdida de Atlântida, para muitos pesquisadores ficou reduzida a uma invenção, a um mito novelesco.

No que diz respeito aos alienígenas do bilionário exibicionista, a hipótese se autoexclui.

Zahi Hawass, ex-ministro de Antiguidades do Egito
Arqueólogo Zahi Hawass, ex-ministro de Antiguidades do Egito
O arqueólogo e egiptólogo americano Mark Lerner descobriu os restos da cidade onde viviam os engenheiros, e encontrou um grande número de ossos de boi e milhares de ossos de peixes.

Ele calculou que esses animais podem ter alimentado bem centenas de trabalhadores por quase um século.

As pirâmides do Egito são os vestígios emblemáticos mais poderosos e reconhecidos do mundo antigo, visitadas até hoje por milhões de turistas cada ano.

Existem mais de 100 conhecidas sendo as mais famosas as de Quéops, Quéfren e Miquelinos, na planície de Gizé: perto do Cairo.

Os referidos achados esclarecem muito sobre como foram feitas.

Mas deixam em pé uma outra enorme interrogação.

Pe. Théophile Moreux descodificou a "Ciência Misteriosa dos Faraós"
O Pe. Théophile Moreux descodificou a "Ciência Misteriosa dos Faraós"
Os dados citados acima apontam para uma categoria de engenheiros de uma ciência e de uma técnica admirável a ponto de serem enterrados junto a reis e rainhas.

Onde eles tiraram essa ciência e essa técnica tão aprimorada?

Temos publicado posts no nosso blog sobre essa problemática apaixonante abordada por um brilhante sacerdote astrônomo que não é mencionado como merece.

E isso quando até a NASA batizou uma área de Marte com seu nome: é o Pe. Théophile Moreux.

Na sua obra “A Ciência Misteriosa dos Faraós” (“La Science Mystérieuse des Faraons”, Librairie Octave Doin, Gaston Doin editor, Paris, 1925, 238pp.), que citamos abundantemente em nossos posts, ele defende sapientemente que:

As pirâmides do Egito são o testemunho registrado em pedra de que na origem da história Deus comunicou ao primeiro homem ‒ Adão ‒ conhecimentos naturais de alto nível necessários para fundar a civilização.

Segundo este ensinamento, explicado logicamente por Santo Tomás de Aquino, é improcedente supor que o homem tenha passado por épocas escuras das que foi saindo, por evolução, de um estado animalesco até adquirir a inteligência.

A hipótese é além do mais achincalhante.

Muito pelo contrário, o ser humano tem uma origem muito alta que está de acordo com sua dignidade natural.

Ele descende da obra prima de Criação divina: nossos primeiros pais Adão e Eva.

E como Deus tudo faz com perfeição, o primeiro casal foi de uma perfeição que fizeram de Adão o homem naturalmente mais parecido com Jesus Cristo.

Deus se revelou a eles e passeava pelo Paraíso com eles até o pecado original. Segundo Santo Tomás de Aquino, Deus revelou ao patriarca da humanidade todos os conhecimentos necessários para erigir a civilização.

Mesmo depois do pecado original, nesta terra de exílio, Adão teria transmitido esses conhecimentos à sua descendência.

Teriam sido então remotos herdeiros desse saber comunicado por Deus ao primeiro homem, os mestres de obra admiráveis que dirigiram a construção das pirâmides?

O tema é muito extenso e ocupa estes posts:

I. As pirâmides do Egito e a ciência de Adão comparadas por um sacerdote astrônomo
 
II. As revelações de Quéops, a Grande Pirâmide

III. Quem revelou os conhecimentos científicos contidos na pirâmide de Quéops?
 
IV. A revelação de Deus a Adão, os mistérios do Egito e das civilizações desaparecidas

V. (fim) Adão recebeu de Deus conhecimentos que transmitiu oralmente e que os egípcios gravaram na pedra.



quarta-feira, 7 de julho de 2021

Arca de Noé podia levar dezenas de milhares de animais

A Arca de Noé é prefigura da Igreja Católica, Arca da Salvação. Vitral da igreja de Saint' Étienne du Mont, Paris
A Arca de Noé é prefigura da Igreja Católica, Arca da Salvação.
Vitral da igreja de Saint' Étienne du Mont, Paris
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Um dos recentes filmes que exploram o episódio bíblico da Arca de Noé e do Dilúvio num sentido ambientalista e sensacionalista, veio colateralmente levantar problemas relativos a esse acontecimento magno da História da Salvação.

Não nos deteremos nas fantasias do filme, mas procuraremos aproveitar algumas matérias recentemente publicadas sobre a odisseia de Noé.

Noé e sua Arca de que nos fala o Gênesis, ainda continuam uma fonte de enigmas, não para a Fé, mas para a ciência.

De fato, até o presente não foi possível encontrar nada de positivo a respeito do local onde poderiam estar os restos da célebre Arca. Fala-se com certo fundamento que estaria no Monte Ararat, montanha sagrada da Armênia, hoje em território turco.

Expedição alguma reconhecida pela comunidade científica chegou a fazer descobertas relevantes. As teorias e suposições baseadas nestes ou aqueles fundamentos até agora não foram confirmadas por descobertas ou outros fatores.

Mas isso não quer dizer que algum dia virão a sê-lo. Aguardemos.

Entrementes, os Livros Sagrados fornecem informações interessantes sobre a Arca de Noé que alguns cientistas procuraram analisar à luz da ciência.

Uma das perguntas às quais tentam responder é: podia a Arca descrita no Gênesis levar dentro o mundo de animais que diz ter levado?

Noé recolhe os animais na Arca. Catedral de Ely, Inglaterra
Noé recolhe os animais na Arca. Catedral de Ely, Inglaterra
As dimensões da Arca definidas por Deus estão no Gênesis 6:15, porém em “côvados”: 300 de cumprimento, 50 de largura e 30 de altura.

11. A terra corrompia-se diante de Deus e enchia-se de violência.

12. Deus olhou para a terra e viu que ela estava corrompida: toda a criatura seguia na terra o caminho da corrupção.

13. Então Deus disse a Noé: “Eis chegado o fim de toda a criatura diante de mim, pois eles encheram a terra de violência. Vou exterminá-los juntamente com a terra.

14. Faze para ti uma arca de madeira resinosa: dividi-la-ás em compartimentos e a untarás de betume por dentro e por fora.

15. E eis como a farás: seu comprimento será de trezentos côvados, sua largura de cinquenta côvados, e sua altura de trinta.

Arca de Noé, Edward Hicks (1780 – 1849). Philadelphia Museum of Art
Arca de Noé, Edward Hicks (1780 – 1849).
Philadelphia Museum of Art
16. Farás no cimo da arca uma abertura com a dimensão dum côvado. Porás a porta da arca a um lado, e construirás três andares de compartimentos.

17. Eis que vou fazer cair o dilúvio sobre a terra, uma inundação que exterminará todo ser que tenha sopro de vida debaixo do céu. Tudo que está sobre a terra morrerá.

18. Mas farei aliança contigo: entrarás na arca com teus filhos, tua mulher e as mulheres de teus filhos.

19. De tudo o que vive, de cada espécie de animais, farás entrar na arca dois, macho e fêmea, para que vivam contigo.

20. De cada espécie de aves, e de cada espécie de quadrúpedes, e de cada espécie de animais que se arrastam sobre a terra, entrará um casal contigo, para que lhes possas conservar a vida.

21. Tomarás também contigo de todas as coisas para comer, e armazená-las-ás para que te sirvam de alimento, a ti e aos animais.” (Gênesis, cap 6, 11ss)

Arca de Noé, afresco na igreja de San Maurizio, Milão
E também:

1. O Senhor disse a Noé: “Entra na arca, tu e toda a tua casa, porque te reconheci justo diante dos meus olhos, entre os de tua geração.

2. De todos os animais puros tomarás sete casais, machos e fêmeas, e de todos animais impuros tomarás um casal, macho e fêmea;

3. das aves do céu igualmente sete casais, machos e fêmeas, para que se conserve viva a raça sobre a face de toda a terra.

4. dentro de sete dias farei chover sobre a terra durante quarenta dias e quarenta noites, e exterminarei da superfície da terra todos os seres que eu fiz.” (Gênesis, cap 7, 1ss)

Há pequenas divergências sobre o valor do “côvado” – pois, de fato, houve mais de um tipo de “côvado”.

Réplica moderna da Arca de Noé feita ha Holanda permite apreciar as dimensões
Réplica moderna da Arca de Noé feita na Holanda permite apreciar as dimensões
Transpostas as medidas bíblicas a unidades de medida modernas, nós teríamos um navio sem mastros de 137-144 metros de cumprimento, 26 metros de largura e 16 metros de altura divididos em três andares, com uma capacidade de carga de perto de 57.000 metros cúbicos.

Isto é o equivalente a um navio porta contêineres capaz de levar perto de 1.500 unidades.

Deus dispôs que entrassem na Arca um casal, macho e fêmea, de cada espécie animal – com exceção dos animais “puros”, quer dizer, os usados nos sacrifícios religiosos, e das aves, dos quais recolheu sete casais.

Quantos animais deveriam então entrar na Arca para que coubessem todas as espécies? O número exato ainda é objeto de disputa. No reputado livro O dilúvio do Gênesis ('The Genesis Flood'), Henry Madison Morris, fundador da Creation Research Society e do Institute for Creation Research e seu colega John Clement Whitcomb sugerem que aproximadamente 35.000 animais subiram na Arca.

Porém, recentemente, uma equipe de pesquisadores do Departamento de Física e Astronomia da Universidade de Leicester, na Grã-Bretanha, concluiu que a Arca tinha capacidade para carregar 70.000 animais sem afundar. Portanto, ainda sobrava espaço.

Interior da réplica da Arca de Noé, em Amsterdam
Interior da réplica da Arca de Noé, em Amsterdã
Thomas Morris, um dos autores desse trabalho, declarou ao jornal “The Telegraph”:

“Você não está obrigado a achar que a Bíblia seja necessariamente uma fonte acurada de informação, mas eu confesso que nós ficamos muitos surpresos quando descobrimos que a Arca funcionaria”.

Importa não só o número, mas o volume dos animais. Matthew J. Slick calculou que a Arca podia levar 7.400 mamíferos (obviamente maiores), 120.400 pássaros, 12.600 répteis e 5.000 anfíbios (esses ocupando bem menos espaço). Este cômputo eleva o número dos animais a 145.400, porém faz os descontos dos animais menores.

Deve-se destacar que o cálculo de Slick também inclui espaço para levar alimento para os animais e área para os insetos...!





segunda-feira, 28 de junho de 2021

A luta de Davi contra Golias:
indícios arqueológicos e testes científicos

Davi combate contra Golias, Bibliotèque Nationale de France, breviário de Martim de Aragão
Davi combate contra Golias, Breviário de Martim de Aragão,
Bibliotèque Nationale de France.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Arqueólogos de Jerusalém descobriram no ano 2007 vestígios que confirmam, de modo colateral mas precioso, o relato bíblico da luta e vitória do Rei-profeta Davi contra o gigante filisteu Golias.

O local situa-se em Tel es-Safi, no sul de Israel, onde antigamente esteve Gate [= Get ou Gath], a cidade filistéia de onde provinha Golias.

O Dr. Aren Maeir, diretor das escavações, confirmou ao jornal Jerusalem Post que os achados provam que o combate de Davi contra Golias não é lenda, e que existiam representações artísticas dele feitas aproximadamente 50 anos após o fato bíblico.

O mesmo Aren após presidir as escavações nas ruínas de Gath durante 23 anos, afirmou que os arqueólogos tomaram uma surpresa, segundo informou o jornal israelense "The Jerusalem Post".

Ela resultou das dimensões extraordinariamente grandes das casas e prédios. Sabia-se que os muros e defesas assim o eram, mas se explicava por razões militares. Cfr. Desenterrado o pórtico de acesso à cidade de Golias

Porém, as proporções das residências faz pensar em habitantes fisicamente muito grandes confortando a narração bíblica de Golias e sugere que não foi gigante apenas pela lenda mas de modo corpóreo.

Desta maneira, o texto bíblico da luta entre Davi e Golias que enfrentou diversas oposições sobre sua objetividade histórica, vai ficando cada vez mais incontrovertível.

Mas se avançavam outras objeções: poderia um menino ou adolescente pastor, com uma simples funda, derrubar um gigante armado?

Golias estava recoberto com uma armadura de bronze que pesava aproximadamente 56 quilos.

As armas da época incluíam o elmo, geralmente metálico, com reforços internos em sola, e pedrarias ornamentais externas do lado de fora no caso dos mais famosos, como o herói filisteu Golias.

O elmo forçosamente não protegia certas partes da testa, por exemplo os olhos e em volta deles.

Poderia uma pedra, ainda que jogada com acerto extremo, ter força para ferir de morte um adulto gigante?

Combate entre Davi e Golias, Biblioteque Nationale de France, Petites Heures de Jean de Berry
Combate entre Davi e Golias. Petites Heures de Jean de Berry, Bibliotèque Nationale de France
Como pode ter sido a funda usada por Davi? Que projétil usou o jovem pastor?

Testes modernos com reprodução de fundas de época provam que o relato da Bíblia é verossímil e que a realidade bem confirma o que está escrito pelo autor sagrado.

Luis Pons Livermore, das Baleares, Espanha, o maior “fundeiro” (atirador esportivo de funda) do momento, foi a Israel para colaborar em testes sobre a efetividade de uma funda como a usada por Davi.

Cientistas acompanharam o teste, formulando as exigências necessárias para ser crível.

Veja vídeo

O traumatologista Dr. Mike Edwards,  calculou que a força de uma pedrada capaz de matar alguém deve atingir o crânio com uma potência algo acima de 3.000 newtons numa área de 30 milímetros quadrados.

3.000 newtons equivalem à força necessária para partir ao meio um bloco de concreto.

O teste se revelou positivo: o “fundeiro” balear fez uma pedra atingir o equipamento de medição com uma potência de 3.620 newtons, o bastante para liquidar Golias.

Assim descreve o primeiro livro de Samuel, capítulo XVII o combate de Davi com Golias:

1. Mobilizaram os filisteus as suas tropas para a guerra e concentraram-se em Soco, em Judá. Acamparam entre Soco e Azeca, em Efes-Domim.

2. Saul e os israelitas mobilizaram-se de seu lado e acamparam no vale do Terebinto, pondo-se em linha de combate contra os filisteus.

3. Estes estavam num lado da montanha e Israel na colina defronte; o vale os separava.

4. Saiu do acampamento dos filisteus um campeão chamado Golias, de Get, cujo talhe era de seis côvados e um palmo. (Nota: côvado hebreu = aproximadamente 428.1 mm; palmo = aprox.. 220 mm. Portanto, 2,788 metros aprox.)

5. Trazia na cabeça um capacete de bronze e no corpo uma couraça de escamas, cujo peso era de cinco mil siclos de bronze. (Nota: siclo = aprox. 11,4 gramas, portanto 57 quilos aprox.)

Davi contra Golias, De Ricci MS 050, f 71
Davi contra Golias. De Ricci MS 050, f 71
6. Tinha perneiras de bronze e um dardo de bronze entre os ombros.

7. O cabo de sua lança era como o cilindro de um tear, e sua ponta pesava seiscentos siclos de ferro. Um escudeiro o precedia.

8. Apresentou-se ele diante das tropas israelitas e gritou-lhes: Por que viestes dispostos a uma batalha? Não sou eu filisteu, e vós os escravos de Saul? Escolhei entre vós um homem que desça contra mim.

9. Se ele me vencer, batendo-se comigo, e matar-me, seremos vossos escravos; mas, se eu o vencer e o matar, então sois vós que sereis nossos escravos e nos servireis!

10. E ajuntou: Lanço hoje este desafio ao exército de Israel: dai-me um homem para lutarmos juntos!

11. Saul e todo o Israel ouviram essas palavras do filisteu, e ficaram consternados, cheios de medo. (...)

16. O filisteu aproximava-se pela manhã e pela tarde, e isso por quarenta dias seguidos. (...)

20. (...) Davi, confiando o rebanho a um pastor, tomou sua bagagem e partiu, como lhe ordenara Isaí. Chegou ao acampamento no momento em que saía o exército para a batalha, levantando o grito de guerra.

21. Israel e os filisteus puseram-se em linha de combate, tropa contra tropa. (...)

23. Golias, de Get, avançou para fora das fileiras do seu exército, proferindo o mesmo desafio (como nos dias precedentes), que Davi escutou.

24. Todo o Israel recuava à vista do homem, tremendo de medo.

25. Vedes, diziam eles, esse homem que avança? Ele vem insultar Israel. Aquele que o matar, o rei o cumulará de favores, dar-lhe-á sua filha e isentará de impostos em Israel a casa de seu pai.

26. Davi perguntou aos que estavam perto dele: Que será feito àquele que ferir esse filisteu e tirar o opróbrio que pesa sobre Israel? E quem é esse filisteu incircunciso para insultar desse modo o exército do Deus vivo?

27. E deram-lhe a mesma resposta: Dar-se-á isto e isto a quem o ferir. (...)

31. As palavras de Davi foram ouvidas e comunicadas a Saul, que o mandou vir à sua presença.

32. Davi disse-lhe: Ninguém desanime por causa desse filisteu! Teu servo irá combatê-lo.

Davi decapita Golias, Dscriptorium, Med-Ren Frag 73
Davi decapita Golias, Dscriptorium, Med-Ren Frag 73
33. Combatê-lo, tu?!, exclamou o rei. Não é possível. Não passas de um menino e ele é um homem de guerra desde a sua mocidade.

34. Davi respondeu a Saul: Quando o teu servo apascentava as ovelhas do seu pai e vinha um leão ou um urso roubar uma ovelha do rebanho,

35. eu o perseguia e o matava, tirando-lhe a ovelha da boca. E se ele se levantava contra mim, agarrava-o pela goela e estrangulava-o.

36. Assim como o teu servo matou o leão e o urso, assim fará ele a esse filisteu incircunciso, que insultou os exércitos do Deus vivo.

37. O Senhor, acrescentou, que me salvou das garras do leão e do urso, salvar-me-á também das mãos desse filisteu. Vai, disse Saul a Davi; e que o Senhor esteja contigo!

38. O rei revestiu Davi com sua armadura, pôs-lhe na cabeça um capacete de bronze e armou-o de uma couraça.

39. Davi cingiu a espada de Saul por cima de sua armadura e tentou andar com aquela equipagem inusitada. Mas disse a Saul: Não posso andar com isso, pois não estou habituado!

40. E, tirando a armadura, tomou seu cajado e escolheu no regato cinco pedras lisas, pondo-as no alforje de pastor que lhe servia de bolsa. Em seguida, com a sua funda na mão, avançou contra o filisteu.

41. De seu lado, o filisteu, precedido de seu escudeiro, aproximou-se de Davi,

42. mediu-o com os olhos, e, vendo que era jovem, louro e de delicado aspecto, desprezou-o.

43. Disse-lhe: Sou eu porventura um cão, para vires a mim com um cajado? E amaldiçoou-o em nome de seus deuses.

44. Vem, continuou ele, e eu darei a tua carne às aves do céu e aos animais da terra!

45. Davi respondeu: Tu vens contra mim com espada, lança e escudo; eu, porém, vou contra ti em nome do Senhor dos exércitos, do Deus das fileiras de Israel, que tu insultaste.

46. Hoje o Senhor te entregará nas minhas mãos, e eu te matarei, cortar-te-ei a cabeça, e darei os cadáveres do exército dos filisteus às aves do céu e aos animais da terra. Toda a terra saberá que há um Deus em Israel;

Davi exibe a cabeça de Golias. Gustave Doré, séc.XIX
Davi exibe a cabeça de Golias. Gravura de Gustave Doré, século XIX
47. e toda essa multidão saberá que não é com a espada nem com a lança que o Senhor triunfa, pois a batalha é do Senhor, e ele vos entregou em nossas mãos!

48. Levantou-se o filisteu e marchou contra Davi. Davi também correu para a linha inimiga ao encontro do filisteu.

49. Meteu a mão no alforje, tomou uma pedra e arremessou-a com a funda, ferindo o filisteu na fronte. A pedra penetrou-lhe na fronte, e o gigante caiu com o rosto por terra.

50. Assim venceu Davi o filisteu, ferindo-o de morte com uma funda e uma pedra. E como não tinha espada na mão,

51. correu ao filisteu, subiu-lhe em cima, arrancou-lhe a espada da bainha e acabou de matá-lo, cortando-lhe a cabeça. Vendo morto o seu campeão, os filisteus fugiram.

52. Os homens de Israel e de Judá levantaram-se então, soltando gritos de guerra, e perseguiram os inimigos até a entrada de Get [= Gate] e até as portas de Acaron. Os cadáveres dos filisteus juncavam o caminho desde Saraim até Get e até Acaron. (...)

54. Davi tomou a cabeça do filisteu e mandou levá-la para Jerusalém. Conservou, porém, em sua própria tenda a armadura de Golias. (I Samuel, cap. 17)


Teste mostra como Davi pode ter derrotado Golias




segunda-feira, 21 de junho de 2021

Confirmado: é a mais antiga imagem de madeira da Crucificação

Volto Santo de Lucca é a mais antiga representação em madeira da Crucificação
Volto Santo de Lucca
é a mais antiga representação em madeira da Crucificação
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O mais antigo crucifixo de madeira venerado em toda a Europa é o da Santa Face de Lucca (Volto Santo di Lucca, em italiano).

Objetava-se que podia ser uma réplica do século XIII da estátua original, que segundo a tradição é aqueropita, isto é, não feita por mãos humanas, que teria sido replicada após ter a original ficado muito danificada, segundo explicou reportagem de “La Stampa” de Turim.

A capelinha do Volto Santo na catedral de Lucca
A capelinha do Volto Santo
na catedral de Lucca
O Crucifixo é venerado numa capelinha especial que é uma verdadeira joia de arte, dentro da Catedral de San Martino. 

Os testes com carbono 14, muito criticados quando se tentou usá-los com o Santo Sudário, datavam o Crucifixo entre os séculos VIII e IX.

Porém, segundo antigos textos, o Crucifixo de 247 centímetros de altura chegou a Lucca no ano 782 diretamente da Terra Santa. 

A superposição com o Santo Sudário de Turim apresenta uma impressionante identidade de proporções.

Agora foi feita uma descoberta “marcante” que permitiu definir com certeza se tratar da escultura da Morte de Cristo em madeira mais antiga do Ocidente e desfazer as dúvidas.

segunda-feira, 7 de junho de 2021

Onda de professores refuta o falso mito da Igreja oposta à ciência

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Um dos erros que mais danificaram o bom relacionamento entre as ciências e a Igreja foi uma campanha iniciada nos remotos tempos do naturalismo humanista que abriu um fosso entre elas.

Esse fosso foi acentuado pela aversão filosófica da Era das Luzes que preparou a anticristã Revolução Francesa.

Voltaire, Rousseau e outros propagandistas avessos à Igreja apresentaram-na como a fonte da ignorância e do obscurantismo.

A Idade Média foi rebaixada ao nível de Era das Trevas enquanto que o século que culminou nas chacinas do Terror foi promovido a Era das Luzes.

Porém, no século XX e no atual milênio essas tendências que queriam opor ciência e religião foram perdendo fôlego.

E apareceu toda uma corrente de historiadores que, com massas de documentos na mão, estão demolindo o falso mito de a Igreja inimiga do conhecimento e do progresso.

segunda-feira, 24 de maio de 2021

Magdala, a cidade de Santa Maria Madalena
onde Jesus pregou

Funcionário limpa mosaicos ornamentados no sítio arqueológico de Magdala, Israel
Funcionário limpa mosaicos ornamentados no sítio arqueológico de Magdala, Israel
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Há sete anos uma tentativa de construir um hotel para peregrinos na Galileia acabou desencavando as ruínas da cidade natal de Santa Maria Madalena e uma antiga sinagoga onde Nosso Senhor Jesus Cristo pode muito bem ter pregado, segundo noticiou na época “The New York Times”.

O padre Juan Solana, diretor do Instituto Centro Pontifício Notre Dame de Jerusalém, quis construir uma instalação para romeiros no lugar onde se ouviu a maior parte da pregação divina e se viu a maioria dos milagres de Jesus, segundo os Evangelhos.

Em 2009 um velho resort foi demolido, e quando se cavou a terra para colocar os alicerces, apareceram restos da cidade. Do ponto de vista arqueológico e histórico, a descoberta é relevante, pois não se conhecia ao certo o posicionamento de Magdala, (ou Migdal). 

Somente os Evangelhos nos falam dessa cidade. Ela tinha deixado de existir e não faltou quem usasse a aparente contradição para impugnar a veracidade histórica da inspirada narração dos evangelistas.

A contradição também servia para alimentar a abstrusa afirmação de que Jesus e os Evangelhos, e também toda a Bíblia, não são históricos.

segunda-feira, 10 de maio de 2021

O labirinto das catedrais, um mistério decifrado.
Verdadeiros simbolismos e ensinamentos

Labirinto da catedral de Amiens, França
Labirinto da catedral de Amiens, França
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Na catedral de Chartres, na França, existe o mais renomado labirinto do mundo. Ele serviu de inspiração e modelo a muitos outros, ainda existentes em catedrais da maior respeitabilidade no orbe católico.

Sabe-se que muitos desses labirintos foram destruídos em séculos de iluminismo ou anticatolicismo.

Mas, o que faz um labirinto gravado no chão? Qual é a função desse desenho matemático no recinto sagrado de uma catedral?

O termo ‘labirinto’ designa um percurso sinuoso, com ou sem cruzamentos, becos-sem-saída e falsas pistas, destinado a perder ou enganar o intruso que nele penetra.

Quem visita Chartres pode encontrar pessoas executando um estranho ritual. Estão percorrendo esse labirinto com ares de procurar “energias” provenientes de obscuras forças telúricas.

Em poucas palavras, trata-se de mais uma superstição Nova Era, de tipo neopagão, que nada tem a ver com o catolicismo.Na catedral de Chartres ou nas suas lojas de souvenirs, ninguém soube explicar-me direito a razão de ser do labirinto.

segunda-feira, 26 de abril de 2021

Corpos incorruptos: diferença entre milagrosos e naturais

Beata Ana Maria Taigi, urna na igreja de São Crisógono, Roma
Beata Ana Maria Taigi, urna na igreja de São Crisógono, Roma
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Um dos fenômenos que mais chamam a atenção é a preservação até a incorruptibilidade do corpo de certos santos.

É fato que em condições excepcionais pode acontecer que um corpo não se desfaça inteiramente por razões meramente naturais.

Porém, o fenômeno dá-se com os santos em proporções muito acima do normal, sendo que na quase totalidade das vezes foram sepultados em condições comuns e que, portanto, deveriam se decompor como os outros.

No processo de canonização, a Igreja estabelece a abertura dos sarcófagos para conferir que o corpo ali enterrado pertence verdadeiramente ao Servo de Deus e constatar seu estado.

A conservação inusitada desse corpo é um sinal que, entre outros, contribui a definição da santidade do Servo de Deus.

Há, portanto, três tipos de preservação:

segunda-feira, 12 de abril de 2021

Como explicar tantas imagens intactas em catástrofes?

Nossa Senhora da Medalha Milagrosa intacta em Beirute
Nossa Senhora da Medalha Milagrosa intacta em Beirute
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







No último ano chegaram até nós as notícias, com sua comprovação fotográfica, de algumas enormes calamidades que se abateram sobre países de grande população católica.

Escrevemos "chegaram até nós" porque podemos supor razoavelmente que houve outras de que não tivemos informação.

O caso mais recente deu-se no belo arquipélago colombiano de San Andrés no Caribe exposto a furacões.

Em novembro um furacão de magnitude 5 atingiu especialmente a ilha de Santa Catalina danificando 98% das casas e construções turísticas.

A única peça que ficou incólume foi uma imagem de quase um metro e oitenta de Nossa Senhora das Graças, ou da Medalha Milagrosa, feita despretensiosamente em concreto e totalmente pintada de branco.

Ela está montada sobre um grande pedestal acima de uma relevância olhando o mar, e resistiu vitoriosa e incólume ao furacão mais violento que atingiu a Colômbia em toda a sua história.

segunda-feira, 29 de março de 2021

A púrpura real desde Davi e Salomão até Cristo e a Igreja

Fibras de tecido tingidas com púrpura 1,000 anos antes de Cristo, descoberta no vale de Timna, Israel, (Foto Dafna Gazit, Israel Antiquities Authority)
Fibras de tecido tingidas com púrpura 1,000 anos antes de Cristo,
descoberta no vale de Timna, Israel, (Foto: Dafna Gazit, Israel Antiquities Authority)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







O que é que pode se dizer – além da importância histórica e arqueológica – dos restos de tecidos tingidos com púrpura real encontrados em escavações no Vale do Timna, Israel, nas famosas Minas de Cobre do Rei Salomão?

Eles teriam cerca de 3.000 anos, portanto, são da era dos Reis Davi e Salomão, noticiou entre outros “Clarín”.

Davi é o fundador da estirpe na qual nasceu Jesus Cristo, como ensinam os Evangelhos. Esse rei, também tratado como São Davi, em certo momento pecou. Mas fez uma penitência exemplar cujos gemidos a Igreja faz seus nos Salmos de sua autoria, soprados pelo Espírito Santo.

terça-feira, 16 de março de 2021

A pista de dança onde se decidiu a morte de São João Batista

Decapitação de São João Batista, Rogier van der Weyden (1400 — 1464)
Decapitação de São João Batista, Rogier van der Weyden (1400 — 1464)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Acredita-se que uma espécie de maldição paira nos locais onde se cometeram crimes horrendos. Mas onde santos sacrificaram sua vida por Cristo e sua Igreja pousa um imponderável bom comparável a uma presença angélica.

Essa realidade sutil mas sobrenatural conferiu um interesse especial à descoberta da pista de dança onde São João Batista foi sentenciado à morte por volta de 29 d.C., segundo os arqueólogos.

Os Evangelhos e o historiador hebreu Flávio Josefo (37-100 d.C.) descrevem, cada um do seu ponto de vista, como o rei Herodes Antipas, filho do rei Herodes o Grande, decidiu decapitar a São João Batista.

O historiador judeu especificou que a execução ocorreu em Machaerus (ou Maquero), um forte perto do Mar Morto, na Jordânia dos dias modernos, informou Live Science.

Os Evangelhos não especificam o local material.

segunda-feira, 1 de março de 2021

Lápide de 1.400 anos fala da fé incipiente na Imaculada Conceição

Lápide funerária glorifica Imaculada Conceição há 1.400 anos. Nitzana National Park.Credit David Palmach
Lápide funerária glorifica Imaculada Conceição há 1.400 anos.
Nitzana National Park.Credit: David Palmach
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







No deserto de Negev, em Israel perto da fronteira com o Egito, arqueólogos descobriram uma lápide bizantina com a inscrição “Abençoada Maria, que viveu uma vida imaculada” proveniente do túmulo de uma mulher que habitou na área de Nitzana há 1.400 anos.

A descoberta se juntou a outras feitas em escavações em túmulos da região que pertenceram a cristãos e foram enterrados em igrejas locais e cemitérios. Foi noticiada pelo jornal israelense “Haaretz”.

A inscrição está em grego antigo do final do período bizantino e inclui a data da morte da piedosa mulher: 9 de fevereiro.

Ela é mais uma das demonstração histórica da veneração cristã a Nossa Senhora, enfatizando especialmente o fato de carecer de mancha do pecado, que nos leva à ideia de sua Imaculada Conceição. Cfr. Aleteia

A profissão de fé na vida imaculada da Virgem em tão remotos tempos e em local para nós tão afastado não é desprovida de importância.

Quando a Igreja vai proclamar um dogma solene, como é o da Imaculada Conceição, e ainda mais, como foi neste caso, uma doutrina de Fé que está contida nas Sagradas Escrituras, mas não é patentemente afirmada, a Igreja pondera com sabedoria diversos fatores.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021

A face do Santo Sudário foi se revelando nos séculos

Santo Sudario à direita. Rosto de Cristo em Sevilha, à esquerda, da Irmandade da Lançada, (artista Juan Manuel Miñarro)
Santo Sudário à direita. Rosto de Cristo em Sevilha, à esquerda,
(da Irmandade da Lançada, artista Juan Manuel Miñarro)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








As ciências históricas estudam incógnitas por vezes mais importantes que as indagadas pelas ciências especializadas na matéria respectiva.

Uma das mais surpreendentes e singulares dessas incógnitas está contida no rosto do Santo Sudário, mas dela se fala pouco infelizmente.

Como pudemos tratar nesta página o divino rosto de Jesus Cristo foi sendo elaborado por artistas ou simples fiéis com base em sentimentos religiosos ao longo dos milênios.

Nesse imenso período, a divina face foi sendo pintada, esculpida, etc. cada vez mais parecida com o rosto que haveria de se revelar no santo Sudário de Turim no século XIX por obra de uma fotografia tirada com equipamentos que hoje podem estar num museu!

Suponha-se que o universo dos fiéis ao longo de 1900 anos tivesse elaborado uma imagem de Cristo que depois não bateria com Aquela impressa no lenço que envolveu Jesus e que a foto de Secondo Pia captou.

Ter-se-ia criado uma crise horrível e inevitável: a Igreja – clérigos e leigos – teria errado em massa durante milênios forjando uma imagem errada de Cristo !!!

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021

Civilizações perdidas na floresta amazónica

Antigo assentamento amazônico de Kuhikugu
Antigo assentamento amazônico de Kuhikugu
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








E se tivesse havido civilizações surpreendentes na Amazônia misteriosamente desaparecidas e que se quer silenciar, deturpando nosso passado e, em consequência, nosso futuro?

A teologia da libertação e o estruturalismo tribalista martelam uma visualização deprimente de nosso continente.

Espalham obsessivamente o mito de que os índios amazônicos levariam uma vida ideal na natureza afundados num primitivismo extremo, sem “intoxicações” culturais do Evangelho, da propriedade privada, da organização racional da vida, do agronegócio, etc.

Esse mito repousa numa conversa excogitada por teólogos e utopistas ultracomunistas na Europa para induzir a tóxica utopia em que visam afundar a humanidade.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

Incógnitas na liquefação do sangue de San Gennaro ( São Januário)

O sangue de São Januário liquefeito
O sangue de São Januário liquefeito
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







O milagre da liquefação do sangue do mártir São Januário (ou San Gennaro em italiano) acontece quase todo ano em duas datas principais.

A primeira data da liquefação anual é o sábado que precede o primeiro domingo de maio, festa da translação das relíquias do santo a Nápoles.

A segunda é o dia 19 setembro, festa litúrgica do aniversário do martírio do bispo São Januário. Nas duas datas o sangue se dissolve também nos sete dias sucessivos, segundo relatou “Il Fatto Quotidiano”.

A relação com eventos nefastos é feita pelos fiéis quando não há liquefação do sangue em alguma dessas duas datas. A Igreja não adota nenhuma interpretação, mas deixa correr as suposições piedosas, e até agora não declarou o prodígio como "milagre".

Porém, para pasmo de todos, a liquefação acontece também em datas aleatórias, como 16 dezembro, dia em que no ano 1631 impetuosas torrentes de lava do Vesúvio desciam rumo à cidade de Nápoles, com força para destruí-la como outrora Pompeia e Herculanum.

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Quem foram os Reis Magos?

'A viagem dos Magos' (1894), James Jacques-Joseph Tissot (1836-1902). Brooklyn Museum, New York City.
'A viagem dos Magos' (1894), James Jacques-Joseph Tissot (1836-1902).
Brooklyn Museum, New York City.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Um antigo documento conservado nos Arquivos Vaticanos lança uma certa luz, embora indireta e sujeita a caução, sobre a pessoa dos Reis Magos que foram adorar o Menino Jesus na Gruta de Belém. A informação foi veiculada por muitos órgãos de imprensa e páginas da Internet.

O documento é conhecido como “A Revelação dos Magos”. 

Provavelmente seja algum “apócrifo”, nome dado aos livros não incluídos pela Igreja Católica na Bíblia. Portanto, não são “canônicos”, apesar de poderem ser de algum autor sagrado.

“Canônico” deriva de “Cânon”, que é o catálogo de Livros Sagrados admitidos pela Igreja Católica e que constituem a Bíblia. Este catálogo está definitivamente encerrado e não sofrerá mais modificação.

Há uma série de argumentos profundos que justificam esta sábia decisão da Igreja.

Entretanto, uma extrema ponderação em apurar a verdade faz com que a Igreja não recuse em bloco esses “apócrifos” e reconheça que pode haver neles elementos históricos ou outros que ajudem à Fé.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Reaparece em Belém
o Anjo que aponta onde Jesus nasceu

Anjo redescoberto na basílica Natividade, Belém, olha fixo para o local onde Jesus nasceu
Anjo redescoberto na basílica Natividade, Belém,
olha fixo para o local onde Jesus nasceu
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Graças a uma equipe de restauradores italianos veio à luz precioso mosaico de um anjo que estava encoberto por pintura na Basílica da Natividade, em Belém, informou a BBC Brasil.

O feliz achado, depois da primorosa restauração, exibe em toda sua beleza um anjo que olha fixo para o local onde Jesus nasceu.

Coberta por reboco há quase mil anos, a obra encontrava-se fora do alcance do olhar humano.

A Basílica da Natividade, em Belém, precisava de uma importante restauração que envolvia a própria estrutura do milenar templo.

Contudo, um imprudente “ecumenismo” fazia depender as obras de restauro da aprovação de um conjunto de denominações cristãs.

As denominações ditas “ortodoxas” vivem apegadas a um passado mofado e amarfanhado, antipatizando-se com as restaurações.

Ademais, não têm a escola teológica nem o amor pelo passado que é sinal distintivo dos católicos. Esses possuem outra visão da tradição, da importância das obras de arte do passado e de sua contribuição para o presente e o futuro.

Malgrado os defeitos que possam ocorrer, o dinamismo católico é impulsionado por um amor sincero ao belo, à tradição, à história e de tudo o que se refere a Nosso Senhor Jesus Cristo.

Em tudo procura o brilho que merece a única Igreja e que resplandece ao longo das vicissitudes tempestuosas dos milênios.