quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

A impregnação das alegrias de Natal

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






A festa do Santo Natal tem o privilégio de interromper o tempo.

Pode uma pessoa estar na situação aflitiva que estiver, chegando o Natal, abre-se como que um paredão e as desgraças ficam do outro lado.

Bimbalham os sinos, o Natal começou! Cristo nasceu: alegria para todos os homens!

A alegria própria ao Natal é toda feita de luz - é o Lumen Christi, a luz de Nosso Senhor Jesus Cristo que brilhou na Terra na noite de Natal.

Uma alegria que não é a alegria vulgar do homem que fez um bom negócio, que venceu uma jogada política ou ganhou na loteria.

Não.

É uma alegria muito mais interna, muito mais leve, toda feita de luz.

Enquanto as outras alegrias são feitas de coisas palpáveis e de segunda ordem, a alegria própria ao Natal é toda feita de luz — é o Lumen Christi, a luz de Nosso Senhor Jesus Cristo que brilhou na Terra na noite de Natal.

Luz que nunca mais, de ano em ano, deixou de brilhar, trazendo uma verdadeira alegria, uma verdadeira paz de alma até para as pessoas mais atormentadas.

No meu tempo de menino, a noite de Natal era um hiato luminoso, cheio de algo que não se consegue descrever.

Mas que todos sentiam: era aquela suavidade, aquela paz, aquela doçura que dava a impressão de que todo o céu estrelado da noite estava como que impregnando a Terra de perfumes.

Os sinos tocavam, o som se espalhava e o júbilo impregnava até os jardins.

Era uma alegria enorme que circundava todos os homens, porque Cristo nasceu, nasceu em Belém!

(Fonte: Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, 21.12.1984. Sem revisão do autor. “Catolicismo”)


quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Fim do mundo em 2012? Cientistas desmentem alarmismo e superstição

Juizo Final, Hans Memling (c. 1440-1494), Museu Narodowe, Danzig
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Ano de 2012, pirâmide maia, alinhamento dos planetas, numerologia, super-vulcões, planetas e asteroides rumando para um choque exterminador com a Terra: cresce a onda de “profecias” e anúncios assustadores, de filmes alarmistas anunciando com aparências científicas que o mundo está na iminência de seu fim.

Segundo “Le Post”, 2.5 milhões de endereços na Web e 200 opúsculos falam do fim do mundo em dezembro de 2012.

Eles se baseiam, para isso, como se tratasse de algo muito sério, num calendário usado pelos maias, povo desaparecido da América Central.

Eles dizem que o calendário está inscrito em uma das pirâmides típicas da civilização maia.

Na verdade não está inscrito em pirâmide alguma, porque os maias gravavam os calendários em estelas de pedra. As estelas conhecidas estão em museus onde foram estudadas por especialistas sérios.

Instituto Nacional de Antropologia  e História (Tabasco, Mexico) exibiu  estela maia com o famoso calendário  para provar que nada há nele  sobre o fim do mundo
O Instituto Nacional de Antropologia
e História (Tabasco, Mexico) exibiu
estela maia com o famoso calendário maia
para provar que nada há nele
sobre o fim do mundo
Uma das mais famosas foi recentemente exposta pelo Instituto Nacional de Antropologia e História, em Tabasco, Mexico, exatamente para mostrar com a força da evidência que o famoso calendário nada diz nem tem a ver com o suposto “fim do mundo” em 2012.

Descoberta de Xultún: pá de cal na fraude da “pirâmide maia”

O mais antigo calendário maia, e, paradoxalmente o mais recentemente descoberto, foi encontrado nas ruínas da desaparecida cidade de Xultún, na Guatemala em 2010.

Os resultados da expedição e a interpretação cientifica dos descobridores foram apresentados à imprensa neste ano de 2012.

Os arqueólogos William Saturno, da Universidade de Boston, e David Stuart, da Universidade de Texas-Austin, lideraram a expedição arqueológica.

Detalhe do calendário maia de Xultún
Detalhe do calendário maia de Xultún
Eles explicaram que o calendário joga por terra as teorias apocalípticas segundo as quais aquele povo centro-americano vaticinava o fim do mundo para este ano.

O calendário é do século IX e documenta 17 ciclos lunares e planetários.

Segundo Stuart, houve “manipulação” do calendário maia e quando em 21 de dezembro de 2012 acabe o 13º ciclo, o calendário recomeça e assim continua durante milhões de anos.

Arqueólogo William Saturno trabalha no local da descoberta
Arqueólogo William Saturno trabalha no local da descoberta
“É como o contador de quilómetros do carro: quando atinge o máximo o carro não acaba e o contador recomeça de zero”, explicaram os descobridores.

Eles, aliás, contaram que, após as pregações catastrofistas do ano 2000 “nós sabíamos que o próximo anúncio do fim do mundo seria 2012”.

A NASA

O astrônomo Jon U. Bell, 56, diretor do Planetário Hallstrom, do River State College, em Fort Pierce (EUA) e ex-diretor do Planetário Hayden da cidade de New York, reduziu à insignificância a “profecia” do fim do mundo para dezembro de 2012.

Segundo ele, nessa onda de rumores não há conteúdo científico algum. Pelo contrário, na origem dessas “profecias” só há romances, e de má lei.

A NASA (North National Aeronautics and Space Administration - Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço) montou uma página para desfazer essas enganações.

E as desfaz falando curto e direto, com a segurança do cientista – trata-se, aliás, de um grupo de cientistas – que entende das coisas.

Bell: nessa onda de rumores não há conteúdo científico algum
Bell: onda de rumores não tem conteúdo científico
“Nada de ruim vai acontecer com a Terra em 2012. Nosso planeta tem-se saído muito bem por mais de 4 bilhões de anos e os cientistas confiáveis de todo o mundo não sabem de nenhuma ameaça associada a 2012”, sublinhou ele.

O Dr. Bell cita uma das fontes daquilo que a NASA qualifica de “choradeira”: a novela ‘O horizonte invisível: mente, alucinógenos e I Ching’, de Terrence McKenna (“The Invisible Landscape: Mind, Hallucinogenics and The I Ching”). Já o título ostenta a extravagância salpicada de esoterismo da Nova Era.

No romance, o autor especula com o dia 21/12/2012, porque nele o sol vai estar na área de Sagitário. Porém, acrescenta o Dr. Bell, nesse período do ano o sol está sempre em Sagitário. Todo o resto é ignorância e sensacionalismo.

O povo maia deu muita importância à astronomia. Nisto ele faz lembrar os caldeus no Oriente Médio, de onde saíram os Três Reis Magos após reconhecerem a estrela de Belém.

A similitude do interesse astronômico dos maias e dos caldeus, dois povos que viveram em regiões tão longínquas e em tempos tão diferentes, sugere mais uma vez a origem comum da humanidade.

A posterior dispersão dos povos com a Torre de Babel fez com que cada um levasse consigo algo do patrimônio científico comum que, com razão, podemos supor herdado de Adão.

Pirâmide de Chichén Itzá:
maias não acreditavam no fim do mundo
no fim do calendário,
mas em ciclos que se renovavam
Já tivemos ocasião de falar dessas heranças culturais e científicas que apontam uma origem comum de todos os povos. Origem de que nos fala a Bíblia e a teologia católica com tanta precisão.

Os maias construíram em pedra pirâmides de perfeição admirável comparáveis às do Egito. Até em alguns pontos as superam.

Com a ajuda de Nossa Senhora, esperamos ainda tratar em diversos posts sobre esse fundo comum de todos os povos, descendentes dos primeiros pais: Adão e Eva.

O diretor do Planetário Hallstrom explicou que os maias tinham três calendários que se encerravam periodicamente. Obviamente, eles próprios não achavam que o mundo acabaria no fim dos calendários, pelo contrário recomeçavam.

Os cientistas da NASA são bem claros: assim como o mundo não deixa de existir cada vez que em 31 de dezembro o calendário que você tem na cozinha acaba, mas recomeça novamente em 1º de janeiro, o mesmo acontece com o calendário maia.

Num outro romance (“Cosmogenese Maia” – “Mayan Cosmogenesis”), John Jenkins volta a explorar a fantasia do fim do mundo para 2012.

Os maias – esclarece ainda o astrônomo Jon Bell – não acreditavam nisso. Pelo contrário, caso se fixasse uma data para o término do universo segundo os critérios deles, essa data deveria ser posta muitos séculos no futuro.

Subprodutos ridiculizáveis

O alarmismo gosta de anunciar como mais ou menos iminente a data exata em que Historia acabaria.

Montevideu: pastor protestante anunciou o fim do mundo em 2011, mas ele acabou na clínica
Montevideu: pastor protestante anunciou o fim do mundo em 2011,
mas ele acabou na clínica
A maioria dos apocalípticos causadores de pânico prefere o 21/12/12; outros falam o 12/12/12. Trata-se de um jogo supersticioso de números.

Houve também quem falasse em 28/10/2011, enquanto o pastor protestante Harold Camping se adiantou “profetizando” o 21/5/2011.

Seus seguidores afixaram cartazes em várias cidades – em Montevideu, por exemplo.

Desapontado pelo fracasso de sua “profecia”, o pastor anunciou então nova data, mas acabou sofrendo um AVC, sendo internado num hospital de Oakland, na Califórnia.

A montagem do Nibiru

Outras sagas acenam com o “planeta” Nibiru, que colidiria com a Terra. Ele apareceria por trás do sol, “como a cada 3.600 anos”, e se arremessaria contra nós numa velocidade de 70.000 km/h.

O mito do Nibiru provém da antiga Babilônia. Ele está associado a um deus menor da mitologia suméria que não se sabe ao certo se designava Júpiter ou Mercúrio. Os sumérios possuíam conhecimentos muito reduzidos a respeito do sol, além de desconhecerem qualquer planeta além de Júpiter.

Um obscuro escritor russo-americano, também pertencente à pagã e abstrusa corrente Nova Era, desenterrou o mito do Nibiru e instalou nele homenzinhos verdes (os Amunakis), visando retorno comercial.

A NASA defende que o Nibiru ou qualquer outro objeto celeste do gênero é “boato da Internet”. Se estivesse vindo contra a Terra, já teria sido detectado e deveria ser visível a olho nu.

“Obviamente não existe”, concluiu o mais autorizado instituto mundial para o espaço. (No site da NASA, ver também a página “Ask an astrobiologist”)

O exagero sobre a inversão dos polos magnéticos terrestres

Ambientalismo espalhou muito pânico se disfarzando de ciência,  mas só é ideologia socialista/comunista
Ambientalismo espalhou muito pânico se disfarzando de ciência,
mas visando muita política e ideologia socialista/comunista.
Veja "Verde: a cor nova do comunismo
A inversão dos polos magnéticos é outro despropositado espantalho catastrofista misturado com 2012.

O fenômeno aconteceria a cada 400.000 anos. E a NASA desfaz qualquer temor:

“Em toda a medida dos nossos conhecimentos, uma inversão magnética dessas não causará nenhum dano à vida na Terra. Acresce que é muito improvável que aconteça uma inversão magnética nos próximos milênios”.

O mirabolante site ZetaTalk profetizou a inversão para o 15 de maio de 2003, mas ninguém levou a sério e nada aconteceu. Os “Zetas” seriam extraterrestres que falam através de uma emissária e vendem livros e CDs. Sem palavras...

Só uma sensação não explícita de que algo está profundamente errado na Terra pode levar a acreditar em tanta bobagem.

Alinhamento da Terra, do Sol e da Via Láctea

Fim do mundo em 2012: alarmismo e superstição
Fim do mundo em 2012: alarmismo e superstição
Não menos sem-pé-nem-cabeça é o medo espalhado pelo alinhamento da Terra com outros planetas e o centro da Via Láctea, nossa galáxia.

“Não haverá alinhamentos planetários nas próximas décadas – esclareceu a NASA. A Terra não cruzará o plano galáctico em 2012 e se porventura esses alinhamentos acontecessem, os efeitos na Terra seriam negligenciáveis. Em cada mês de dezembro, a Terra e o sol se alinham com o centro aproximado da Via Láctea, mas esta é uma ocorrência anual sem consequências”.

Os super-vulcões que destruiriam a vida na Terra

O delírio alarmista é reforçado por certo ecologismo apocalíptico que acena com a possibilidade de algum super-vulcão extinto, como o do Parque de Yellowstone, nos EUA, despertar em 2012. O filme de catástrofe “2012”, de Roland Emmerich, encena de modo sugestivo e fantasioso esse macro-desastre hipotético.

Trata-se de um castelo de suposições que não resiste ao bom senso. A última erupção do gênero teria acontecido 600.000 anos atrás e não há sequer indícios remotos de que algum desses super-vulcões tenha retomado atividade digna de nota.

Tempestades solares

Tempestades são cíclicas e sol está em fase normal
Os “complotistas do 2012” – segundo o apelativo de “Le Post” – exploram o espectro das explosões solares, que obedecem a ciclos de 11 anos. Com base não se sabe bem em qual bola de cristal, profetizam uma arrasadora labareda do sol no ano “fatídico”.

De fato, na superfície do sol acontecem continuamente explosões que geram imensas tempestades magnéticas e de partículas.

Várias dessas atingem regularmente a Terra, e o fizeram até muito recentemente. Elas foram percebidas por sofisticados instrumentos e causaram danos passageiros às comunicações.

Mas, pergunta “Le Post”: “Você percebeu alguma coisa” no ano que passou? Ou neste que está passando?, acrescentamos nós.

“Não há risco especial algum associado a 2012”, diz a NASA, sublinhando que o ciclo solar em andamento “não é diferente dos ciclos anteriores da História”.

Por que então tanto fala-fala em torno do ‘fim do mundo’ em 2012?

“Fim do mundo” em 2012 não é ciência, mas revela problema moral e religioso

Importa reconhecer que a crise geral do mundo suscita em muitos espíritos a ideia da necessidade de uma intervenção divina para salvar a humanidade decaída. E que essa intervenção pode ser próxima ou muito próxima.

Nossa Senhora até chorou pelo mundo,
mas prometeu o triunfo de seu Imaculado Coração,
jamais falou de fim de mundo, e por cima em 2012!
Falam com clareza nesse sentido as mensagens de Nossa Senhora em Fátima, La Salette e Akita, para citarmos a principais.

Porém, o alarmismo que refutamos neste post nada fala de Nosso Senhor Jesus Cristo, nem das advertências de Nossa Senhora. Estas, sim, mereceriam ser mais faladas, inclusive nas igrejas.

O alarmismo sobre 2012 nada tem a ver com a ciência, mas a desmoraliza pretendendo falar, por vezes, em nome dela.

O alarmismo sobre 2012 nada tem a ver com a fé, mas confunde a fé se misturando com sentimentos e revelações genuínas que nada tem a ver com ele.

O alarmismo obedece a outras razoes ligadas à propaganda ambientalista extremada na qual foram se refugiar os ativistas frustrados pelo fracasso do socialismo. Mas, isto não é ciência nem religião, mas política e agitação.

Essa propaganda, entretanto, não deixa de ser danosa. Se Deus, para o bem dos homens, decidir executar as advertências feitas por meio de Nossa Senhora, poderá acontecer que muitos homens, confundidos pelo alarmismo, não sejam capazes de interpretar bem os fatos enormes que então advirão.

Para completar a abordagem do assunto, tratamos dos aspectos proféticos do assunto num blog consagrado especificamente à temática:


Veja:
“Profecias” sobre o “fim do mundo” em 2012: alarmismo danoso

“2012”: Avisos do Céu falam que hoje não vivemos o fim mas o prelúdio de um triunfo divino

“2012”: mais santos falam que não vivemos no fim do mundo, mas nas proximidades de um triunfo divino

“2012”: Nossa Senhora anunciou que não vivemos no fim do mundo mas num preâmbulo do triunfo divino

“2012”: a voz dos Papas aponta a vitória da Igreja sobre o Leviatã do caos universal nos dias vindouros

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

São Juan Diego, vidente de Guadalupe, foi príncipe de sangue real?

Nossa Senhora de Guadalupe apareceu ao índio São Juan Diego pela primeira vez em 9 de Dezembro de 1531. A terceira e última aparição aconteceu em 12 de dezembro do mesmo ano.

Embora São Juan Diego tenha um papel tão importante na história das Américas, pouco se fala da pessoa dele.

E, ouvindo se tratar de um índio, acredita-se geralmente que ele não tem história conhecida, salvo o fato da aparição.

Entretanto os estudos históricos e sociológicos mais abalizados mostram que São Juan Diego não foi um índio comum: ele foi príncipe e de família real.

Esse rango principesco de São Juan Diego contribuiu poderosamente para o batismo em massa de milhões de mexicanos.

“Nos dez anos anteriores à aparição, os missionários e os franciscanos converteram ao catolicismo entre 250 e 300 mil indígenas no México, enquanto que após o milagre de Guadalupe acontecido em 1531, em apenas 7 anos converteram-se 8 milhões de pessoas”, explicou o Padre José Fortunato Alvarez, secretário chanceler do Bispado de Mexicali.

Por parte de pai, São Juan Diego foi neto de Netzahualcóyotl (1402-1472), rei de Tezcoco.

Netzahualcóyotl ficou conhecido como o “rei poeta” e é considerado “o monarca mais distinto do Antigo México, suas idéias e forma de governo foram de um humanismo notável e diferente da ideologia reinante”.





O rei Netzahualcóyotl escreveu poesias nas quais se reflete um espírito não-batizado que intui a existência de um único Deus, criador de todas as coisas e ao qual se deve todo o culto. Neste sentido, destoa da vulgar idolatria que grassava entre os astecas.

Eis um de seus poemas:

domingo, 2 de dezembro de 2012

Sodoma e Gomorra foram destruídas por um asteroide?

Planisfério assírio, meteorito sobre Sodoma, British Museum
Tabuleta de argila achada no século XIX, mas só agora foi decifrada. British Museum.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Os cientistas britânicos Alan Bond, diretor da empresa de propulsão espacial Reaction Engines, e Mark Hempsell, especialista em astronáutica da Universidade de Bristol, decifraram as inscrições cuneiformes de uma tabuleta de argila datada de 700 a.C.

Eles concluíram se tratar do testemunho lavrado por um astrônomo sumério descrevendo a passagem de um asteroide cujas características se assemelham à chuva de fogo que arrasou as cidades de Sodoma e Gomorra.

As informações circularam largamente em páginas da Internet como a BBC Brasil ou jornais como o Times de Londres, La Stampa de Turim, ou The Australian. Elas são objeto de crítica e análise. Os especialistas reuniram dados e conclusões no livro “A Sumerian Observation of the Kofels Impact”, publicado em Londres.

A tabuleta foi descoberta nas ruínas de Nínive por Sir Henry Layard em meados do século XIX. É conservada no British Museum de Londres. Ela é conhecida como “Planisfério” (foto acima) e há 150 anos os cientistas vêm disputando sobre seu verdadeiro significado.

No objeto há anotações de um astrônomo feitas milhares de anos atrás. O “Planisfério” é uma cópia feita por volta do ano 700 a.C., a partir de uma tabuleta suméria muito anterior.

Bond e Hempsell apelaram a tecnologias computadorizadas para simular a trajetória de objetos celestes. Assim reconstruíram o céu observado por esse astrônomo há milhares de anos.

Os cálculos apontaram que o evento descrito aconteceu na noite do dia 29 de junho de 3123 a.C., de acordo com o calendário juliano.

Asteroide penetrando na atmosfera, reconstituição artística
Asteroide penetrando na atmosfera, reconstituição artística.
Assim poderia ter sido o objeto celeste que destruiu Sodoma e Gomorra.
Os pesquisadores interpretam que uma metade do "Planisfério" informa a posição dos planetas e das nuvens. A outra metade descreve a trajetória de um asteroide de mais de um quilômetro de diâmetro.

O asteroide teria voado próximo ao chão, e as ondas supersônicas que produziu impactavam a Terra com força cataclísmica.

Mark Hempsell diz que, pelo tamanho e rota do objeto, pode se tratar do asteroide que se desfez sobre a região de Köfels, nos Alpes austríacos.

O destrutor fenômeno celeste não deixou cratera em Köfels, mas provocou enorme desabamento no morro sobre o qual explodiu. Esse desabamento intrigava aos geólogos. Eles não imaginavam a causa certa e procuravam a cratera provocada pelo impacto de um objeto celeste.

Mas esse não colidiu ali na superfície, explodiu no ar, produzindo desabamentos.

A explosão teria gerado uma bola de fogo avançando a uma velocidade de 5 quilômetros por segundo com temperaturas de até 400ºC. Na hora de atingir a terra essa massa incandescente teria devastado por volta de 1 milhão de quilômetros quadrados.

O local da queda teria sido a 2.000 quilômetros de Köfels. Quer dizer teria caído de cheio na área do Mar Morto. Segundo Hempsell a devastação se assemelha à descrição bíblica da destruição de Sodoma e Gomorra, e catástrofes mencionadas em mitos antigos.

Nenhuma forma de vida pode ter sobrevivido em tal vez centenas de quilômetros em volta do centro da queda.

Para o pesquisador, a nuvem de fumaça causada pela explosão do asteroide teria atingido o Sinai, algumas regiões do Oriente Médio e o norte do Egito.

Em Köfels há traços de um impacto cósmico que provocou o desabamento de uma área de 5 quilômetros de largura.

Cometa McNaught visto no ceu da cidade de Christchurch,Nova Zelanda
O cometa McNaught fotografado sobre a cidade de Christchurch, Nova Zelanda
Para Hempsell e Bond a trajetória do meteorito descrita na tabuleta leva a achar que no seu percurso, o asteroide causou pavorosas destruições numa longa faixa. Sodoma e Gomorra estavam nessa faixa e teriam sido destruídas pelo fogo e pela onda de impacto provocada.

O Gênesis assim descreve o acontecimento:
20. O Senhor ajuntou: “É imenso o clamor que se eleva de Sodoma e Gomorra, e o seu pecado é muito grande.

21. Eu vou descer para ver se as suas obras correspondem realmente ao clamor que chega até mim; se assim não for, eu o saberei.” (Gen, 18-21-ss)

Abraão que “ficou em presença do Senhor” fez apelo para salvar as cidades ímpias. Abraão obteve que Deus perdoasse as cidades se nelas e encontrasse dez justos.

32. Abraão replicou: “Que o Senhor não se irrite se falo ainda uma última vez! Que será, se lá forem achados dez?” E Deus respondeu: “Não a destruirei por causa desses dez.”

33. E o Senhor retirou-se, depois de ter falado com Abraão, e este voltou para sua casa. (Gen, 18, 32-33ss)
Porém, nem esses dez justos havia. Dois enviados de Deus, anjos com forma masculina, foram até Sodoma para tirar Lot e sua família. Mas foram percebidos pela população que rodeou a casa de Lot e exigiu com violência que lhes fossem entregues para abusarem deles.

9. Eles responderam: “Retira-te daí! – e acrescentaram: Eis um indivíduo que não passa de um estrangeiro no meio de nós e se arvora em juiz! Pois bem, verás como te havemos de tratar pior do que a eles.” E, empurrando Lot com violência, avançaram para quebrar a porta.

10. Mas os dois (viajantes) estenderam a mão e, tomando Lot para dentro de casa, fecharam de novo a porta.

11. E feriram de cegueira os homens que estavam fora, jovens e velhos, que se esforçavam em vão por reencontrar a porta.

12. Os dois homens disseram a Lot: “Tens ainda aqui alguns dos teus? Genros, ou filhos, ou filhas, todos os que são teus parentes na cidade, faze-os sair deste lugar,

13. porque vamos destruir este lugar, visto que o clamor que se eleva dos seus habitantes é enorme diante do Senhor, o qual nos enviou para exterminá-los.”

14. Saiu Lot, pois, para falar a seus genros, que tinham desposado suas filhas: “Levantai-vos, disse-lhes, saí daqui, porque o Senhor vai destruir a cidade.” Mas seus genros julgaram que ele gracejava.

15. Ao amanhecer, os anjos instavam com Lot, dizendo: “Levanta-te, toma tua mulher e tuas duas filhas que estão em tua casa, para que não pereças também no castigo da cidade.”

Lot foge de Sodoma destruida pelo fogo divino, Gustave Doré
Lot foge de Sodoma. Sua mulher vira coluna de sal.
Gravura de Gustave Doré (século XIX)
16. E, como ele demorasse, aqueles homens tomaram pela mão a ele, a sua mulher e as suas duas filhas, porque o Senhor queria salvá-los, e o levaram para fora da cidade. (Gen, 19, 9 e ss.)

Lot impetrou e obteve de Deus que o aldeamento de Segor fosse poupado para nele se refugiar com os seus.
23. O sol levantava-se sobre a terra quando Lot entrou em Segor.

24. O Senhor fez então cair sobre Sodoma e Gomorra uma chuva de enxofre e de fogo, vinda do Senhor, do céu.

25. E destruiu essas cidades e toda a planície, assim como todos os habitantes das cidades e a vegetação do solo.

26. A mulher de Lot, tendo olhado para trás, transformou-se numa coluna de sal.

27. Abraão levantou-se muito cedo e foi ao lugar onde tinha estado antes com o Senhor.

28. Voltando os olhos para o lado de Sodoma e Gomorra e sobre toda a extensão da planície, viu subir da terra um fumo espesso como a fumaça de uma grande fornalha.

29. Quando Deus destruiu as cidades da planície, lembrou-se de Abraão e livrou Lot do flagelo com que destruiu as cidades onde ele habitava. (Gen, 19, 23 e ss)

* * *

A tese defendida pelos britânicos Alan Bond e Mark Hempsell tem verossimilhança. Porém ainda deve passar pelo crivo da crítica científica. Isto pode demorar anos e trazer tal vez enriquecimentos ou modificações importantes. Ou até sua substituição por outra. Ou a sua confirmação, seja pela demonstração definitiva, seja pelo consenso dos cientistas prudentes.

A proposta, entrementes, não deixa de fornecer valiosos elementos para a reflexão.

Sodoma e Gomorra, John Martin.
A destruição de Sodoma. Quadro de John Martin (1789–1854)
Deus costuma agir por meio de causas segundas. Quer dizer por meio de seres criados, como elementos da natureza, homens ou anjos.

No caso de Sodoma e Gomorra, Deus se valeu do fogo: “fez cair uma chuva de enxofre e de fogo”.

A dedução de Bond e Hempsell explicaria a “causa segunda” empregada por Deus para gerar a formidável massa de fogo capaz de provocar a “grande fornalha” que “destruiu essas cidades e toda a planície, assim como todos os habitantes das cidades e a vegetação do solo”: um asteroide que causou profunda impressão nos astrônomos caldeus que o viram passar.

O local estimado de Sodoma e Gomorra fica nas vizinhanças do Mar Morto, nos sítios arqueológicos de Tall el-Hamaam e Tall Kafrein.

P.S. novembro 2015: Dados publicados recentemente com os resultados de décadas de escavações em Tall el-Hamaam, Jordânia, confirmaram com certeza que Sodoma ficava ali. E reforçaram ainda mais a teoria dos dois cientistas britânicos.


domingo, 18 de novembro de 2012

As atuais oliveiras são as do tempo em que Jesus agonizou no Getsemani?

Agonia de Jesus no Monte das Oliveiras, ou jardim do Getsemani
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Alguns amigos que estiveram em peregrinação pela Terra Santa voltaram trazendo inesquecíveis lembranças dos locais divinamente abençoados por Nosso Senhor Jesus Cristo na divina odisseia da Redenção.

Eles visitaram múltiplos locais sagrados de um valor espiritual que lhes marcou profundamente a alma.

E como que apalparam a presença sobrenatural e a dimensão histórica conferidas a esses lugares pela passagem do Redentor, de sua Mãe Santíssima e dos Apóstolos com a Igreja Católica nascente.

Ficaram eles também impressionados com a antiguidade das oliveiras existentes no Jardim sagrado onde Nosso Senhor agonizou, foi traído por Judas e preso pelos romanos para iniciar sua longa e dolorosa Paixão.

Meus amigos contrataram guias para melhor aproveitar o tempo da peregrinação.

E como esses guias muitas vezes não são sequer cristãos e preocupam-se mais com o dinheiro, os peregrinos tomavam com alguma cautela certas coisas que eles diziam.

No Monte das Oliveiras, um desses guias lhes apontou uns pés de oliveiras que datariam, segundo ele, do tempo em que Jesus Cristo foi entregue à Morte no Getsemani.

“As oliveiras do Getsemani estão entre  as mais antigas árvores de folha larga do mundo”.
“As oliveiras do Getsemani estão entre
as mais antigas árvores de folha larga do mundo”.
A extraordinária longevidade natural das oliveiras e o multissecular aspecto daquelas falavam no sentido da informação.

Mas os guias não eram de toda confiança, sobretudo diante de estrangeiros dos quais queriam tirar uma boa gorjeta.

Teria sido verdade?

Aquelas velhíssimas oliveiras estavam ali quando Nosso Senhor bebeu o cálice que o anjo Lhe trouxe da parte do Pai para O reconfortar na iminência da Paixão?

Junto a alguma delas dormiram ingloriamente os Apóstolos, enquanto Jesus agonizava?

Em alguma delas teria se apoiado o soldado Malco, que teve a orelha cortada por São Pedro e colada milagrosamente por Jesus?

Recentemente, uma equipe de pesquisadores de cinco universidades italianas, trabalhando para o Consiglio Nazionale delle Ricerche - CNR, publicou um estudo sobre a longevidade das oito oliveiras mais antigas do Getsemani intitulado “Os segredos do jardim do Getsemani”.

Aspecto do jardim do Monte das Oliveiras
Aspecto do jardim do Monte das Oliveiras
Às três árvores menos velhas foram atribuídas idades de “pelo menos 900 anos”.

Não são os dois milênios que nos separam daquela augusta data, mas o “pelo menos” deixa aberta uma porta.

As outras cinco oliveiras mais antigas não puderam ser testadas.

A causa foi que suas partes mais velhas, as mais interessantes para o estudo, que ficavam no cerne, haviam secado.

Os troncos que hoje se podem ver imensamente alargados resultam de brotos de épocas posteriores.

Os resultados dos testes não permitiram definir se as árvores são exatamente as mesmas que estavam no Monte das Oliveiras quando Jesus foi traído e entregue aos soldados romanos e aos enviados do Sinédrio.

O sono dos Apóstolos no Getsemani
O sono dos Apóstolos no Getsemani
Os especialistas explicaram a hesitação que marca seu relatório pelo fato de as oliveiras rebrotarem muito facilmente após serem cortadas pela base.

“Não podemos excluir a possibilidade de que tenha havido uma intervenção para renovar os pés, quando pararam de produzir ou começaram a secar”, disse o chefe dos pesquisadores, Prof. Antonio Cimato, durante a apresentação dos resultados em Roma.

Caso essa renovação tivesse acontecido, as oliveiras poderiam ter o dobro da idade e com isso se aproximariam muito do ano da Paixão.

“Quero esclarecer – disse o Prof. Cimato – que na literatura científica não há menção a árvores de tão grande idade como estas oliveiras.

“As oliveiras do Getsemani estão entre as mais antigas árvores de folha larga do mundo”.

Testes de datação pelo carbono sobre amostras extraídas das partes mais velhas dos troncos de três oliveiras, apontaram respectivamente para os anos de 1092, 1166 e 1198.

Prof Antonio Cimato (sentado) liderou a pesquisa
Os testes foram realizados pelo Conselho Nacional das Pesquisas - CNR da Itália e por acadêmicos de mais cinco universidades italianas.

Esses cernes de tal maneira antigos teriam existido nos momentos trágicos e gloriosos daquele passo da Paixão?

A ciência não pode dizê-lo. Ao menos, com os conhecimentos, tecnologias e métodos que possui atualmente.

Malgrado a sua imensa idade, os estudos mostraram que as três oliveiras mais antigas testadas encontram-se em excelentes condições e não foram afetadas pela poluição da região.

Análises de DNA indicaram que os pés foram plantados a partir de uma mesma oliveira, talvez com a finalidade de preservar uma mesma espécie ou linhagem de árvores, disseram os especialistas.

O cerne das mais antigas secou, impossibilitando a análise
O Pe. Pierbattista Pizzaballa, O.F.M., Zelador de Terra Santa, responsável pelo local, disse que esta procedência comum das oliveiras mostra a tentativa deliberada de passar uma preciosa herança às gerações futuras.

“A questão mais importante não é se essas são as mesmas árvores, mas se este aqui é o local referido no Evangelho. E este é o local, a respeito disto não há dúvida alguma”, concluiu Fr. Pizzaballa.



sábado, 20 de outubro de 2012

Imagem de Nossa Senhora de Coromoto, padroeira da Venezuela: descobertas surpreendentes

Nossa Senhora de Coromoto, imagem antes da restauração
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






No transcurso do ano de 2009 foram feitos surpreendentes achados na imagem de Nossa Senhora de Coromoto, padroeira da Venezuela, por ocasião de trabalhos de restauração, segundo informou na época a agência Zenit.

As descobertas lembram as já feitas na imagem miraculosa de Nossa Senhora de Guadalupe, no México, padroeira das Américas.

As informações foram dadas a público em roda de imprensa na sede da Conferência Episcopal Venezuelana (CEV), em 3 de setembro daquele ano.

A imagem de Nossa Senhora de Coromoto está ligada aos primórdios da evangelização do país.

Os fatos associados à sua origem falam também diretamente a cada país latino-americano.

A tradição religiosa

Pelo fim de 1651 e inícios de 1652, uma Bela Senhora apareceu ao cacique da tribo Coromoto e à sua mulher.

A Senhora envolta em luz disse na língua deles: “Ide à casa dos brancos, para que eles joguem água em vossas cabeças e assim possam ir para o Céu”.

A tribo obedeceu: abandonou a selva, recebeu a catequese, e um grande número de índios pediu o sacramento do Batismo se tornando católicos.

Nossa Senhora de Coromoto: a imagemzinha dentro do relicário. A lupa central permitia vê-la  melhor.
A imagemzinha dentro do relicário. A lupa central permitia vê-la  melhor.
Entretanto, as tendências desregradas do cacique puxavam-no para voltar à vida selvagem.

Os instintos desordenados levavam-no a achar que perdera a liberdade.

Concebeu, então, a idéia de fugir para a selva e afundar de novo nos vícios do paganismo.

Quando estava para cometer esse projeto desvairado, na alvorada do 8 de setembro de 1652, a Bela Senhora voltou a aparecer para ele e sua mulher, além da cunhada Isabel e um filho dela.

O cacique, cegado pela ilusão da barbárie, pediu-lhe que o deixasse em paz.

Disse-lhe que não iria mais obedecê-la.

Veja vídeo
Descobertas na imagem de
Nossa Senhora de Coromoto,
padroeira da Venezuela
Nossa Senhora, então, entrou na choça sorrindo para os índios.

O cacique furioso pegou arco e flechas para matar a Nossa Senhora. Mas, Ela foi se aproximando e a armas caíram das mãos do selvagem.

O cacique não desistiu. Pegou a luminosa Senhora pelo braço para puxá-la fora da choça. Nessa hora, deu-se o milagre.

A brilhante Senhora desapareceu deixando na mão do chefe da tribo sua diminuta imagem.

O cacique Coromoto ficou com o punho fechado, dizendo que a tinha pegado. Enorme foi seu espanto quando, por fim, abrindo a mão, encontrou uma imagenzinha de Nossa Senhora coroada segurando o Menino Jesus, tal como tinha aparecido.

Naquele instante começou uma grande história de favores e milagres, de devoção e expansão da fé na Venezuela. Em 1942 a Virgem de Coromoto foi proclamada Padroeira do país.

Os cientistas trabalhando na restauração
Sua festa se comemora na mesma data da última aparição ao cacique: o 8 de setembro que é também dia da Natividade de Nossa Senhora.

A análise científica

A imagem é mínima: mede só 2,5 cm de altura por 2 cm de largura. Após 357 anos da aparição nunca foi objeto de nenhum análise nem restauração. Ela estava submetida a todos os fatores de deterioração e ação do tempo e o descuido ameaçavam-na.

A fundação venezuelana Maria Caminho a Jesus, com sede em Maracaíbo, promoveu a partir de 2002 uma campanha para restaurar a sagrada imagem.

O reitor do Santuário de Coromoto, monsenhor José Manuel Brito, aprovou o projeto e a equipe de especialistas que trabalhou no restauro.

A mídia venezuelana publicou os resultados
Um laboratório foi montado especialmente perto do Santuário. Os restauradores Pablo Enrique González e Nancy Jiménez estiveram à testa de uma equipe de trabalho composta por 14 especialistas.

A supervisão foi de José Luis Matheus, diretor da Fundação Zuliana e monsenhor José Manuel Brito. Eles trabalharam de 9 a 15 de março de 2009.

Previa-se que o restauro duraria meses, pois a imagem estava colada na lupa instalada diante dela para vê-la melhor. Porém tudo correu mais rápido do imaginado e bem.

Ao longo do processo foram descobertos elementos desconhecidos.

A água empregada no tratamento saia sem bactérias e com um pH neutro, fato inexplicável para os cientistas.

A imagem, segundo Matheus, se mantém consistente, nítida e exibe suaves relevos. “A tinta se encontra por cima do algodão prensado e de textura rugosa” O trono da Virgem aparece claramente montado dentro de uma construção de taipa típica dos índios.

Foram detectados ainda outros símbolos que, segundo o antropólogo Nemesio Montiel, tem origem indígena como a própria coroa da Sagrada Imagem.

No microscópio foi possível identificar os olhos da Virgem. Eles medem aproximadamente 0,2 milímetros, porém pode se distinguir o desenho do iris. O fato desconcertou os especialistas, pois achavam que os olhos eram simples pontos.

A imagemzinha restaurada
Ainda mais, estudando o olho esquerdo através do microscópio puderam discernir um olho com características humanas. Nele os especialistas diferenciaram com clareza a órbita ocular, o conduto lacrimal, o iris e um pequeno ponto de luz nele.

Mas, a surpresa estava começando. Maximizando o ponto de luz os especialistas julgaram detectar uma figura humana que se assemelha muito à de um indígena.

A imagem está feita de uma espécie de compensado de algodão, material que humanamente não se entende que se mantenha intato após mais de três séculos e meio de exposição.

Até neste aspecto sem explicação a imagem de Nossa Senhora de Coromoto se assemelha à de Nossa Senhora de Guadalupe.


A história e os achados na imagem de Nossa Senhora de Coromoto:



domingo, 14 de outubro de 2012

Adão recebeu de Deus conhecimentos que transmitiu oralmente
e que os egípcios gravaram na pedra. (fim)

Túmulo de Ramsés IV
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Continuação do post anterior: A revelação de Deus a Adão, os mistérios do Egito e das civilizações desaparecidas (IV)



Os sacerdotes-arquitetos das Pirâmides utilizavam como unidade de medida o côvado sagrado, diferente do côvado comum ou real.

Segundo o Pe. Moreux, é o mesmo côvado dos hebreus. E foram estes que o aportaram ao Egito.
“Não podemos fugir da conclusão, escreve o Pe Moreux, de que antes da ereção da Grande Pirâmide, existia sobre a Terra um povo que possuía esse côvado sagrado e que transmitiu essa medida aos construtores desse monumento único, e aos antecessores do povo de Israel. Então voltamos à mesma questão: de onde esse povo desconhecido tirou essa medida à qual as nações modernas serão um dia obrigadas a adotar porque é invariável?”

Há uma enorme semelhança entre a capacidade da Arca da Aliança e a urna da Grande Pirâmide, explica o sacerdote-cientista comparando as proporções das duas.

No coração da Grande Pirâmide:
só uma urna com significados matemáticos
Mas, uma assimilação entre ambas parece grotesca, inverossímil e fantasiosa.

Moisés, que conhecia a ciência dos sacerdotes egípcios, jamais penetrou — como, aliás, ninguém — em Quéops. Ela ficou inviolada até nossa época. A fechadura quebrava ao tentar abri-la.

Há mais: dita capacidade era a mesma do “mar de bronze”, bacia feita por Hirão para o Templo de Salomão.

Trata-se de uma proporção que se repete nos séculos sem que se possa perceber o mecanismo de transmissão.
“Como explicar esses dados metrológicos comuns a esses três grandes personagens: o arquiteto da Grande Pirâmide, Moisés e Salomão: dados que implicavam uma unidade de medida idêntica, igual à dez-milionésima parte do eixo polar da Terra, quer dizer, relações tão profundas e escondidas com os atributos do Globo que uma ciência antiga ainda que avançadíssima, deveria ser incapaz de descobrir?
Adão e Eva no Paraíso, catedral de Saint Edmundsbury, Inglaterra
Adão e Eva no Paraíso,
catedral de São Edmundsbury, Inglaterra
O Pe. Moreux aprofunda diversos episódios bíblicos. E conclui da famosa interpretação do sonho do Faraó sobre as vacas gordas e magras que José possuía uma ciência astronômica acabada.

Por sua parte, o ciclo enunciado pelo profeta Daniel corresponde perfeitamente a duração do ano: 365 dias, 5 horas, 48 minutos, 55 segundos.

Hoje em dia atribuí-se o mesmo valor com uma diferença de poucos segundos.
“Assim, a ciência de que fez prova o profeta hebreu é quase tão desconcertante quanto os feitos incríveis da Grande Pirâmide. De um lado, um estudo aprofundado dos movimentos celestes que até atualmente provoca nossa admiração e cujas conclusões só serão redescobertas muito tempo depois; de outro um monumento imorredouro que inaugura a era da arquitetura, não com um começo insignificante, destinado a crescer a través dos séculos em forma de progressos lentos e continuados, mas por um impulso inicial de ciência, majestade e excelência incomparáveis, atingindo de uma só vez um ideal que, tal vez, a humanidade jamais superará”.

As Escrituras são o depósito da Revelação primitiva

“Todos os povos não teriam primitivamente se alimentado de uma tradição comum, transmitida primeiramente de modo oral a traves de uma longa série de séculos, e depois afixada de modo irrevogável numa certa época com a ajuda da escritura em cada nação em particular?” 

Esta teoria explicaria as divergências e os pontos de contacto.

Criação de Adão, catedral de Saint Edmundsbury, Inglaterra
Criação de Adão,
catedral de São Edmundsbury, Inglaterra
As narrativas pagãs da Criação elucidam este aspecto, pois contêm notáveis semelhanças com o relato bíblico, mas o deformam misturando-o com deuses, lendas e superstições.

Sinal desta deformação é que só os hebreus usaram a semana de sete dias em que se divide a Criação, argumenta Moreux.
“A origem de nossa semana é bem de ordem religioso e não astronômico. Todos os outros povos dividiram seus meses em três partes de dez dias cada uma (...) Entretanto, a tradição popular, sempre lenta para ser destruída, não a tinha esquecido (...)
Para os Babilônios, por exemplo, os dias 7,14, 21, 28 de cada mês eram considerados nefastos;era preciso nesses dias se abster de certos atos bem definidos (...)."
O tesouro e a fonte dessa tradição primordial se encontra nas Escrituras.
“Como o autor dos Salmos, do Livro de Jô, e o próprio Moisés, puderam, cada um na sua época, perceber o passado de nosso globo? Como puderam eles saber o que nossa ciência nos ensina como a coisa mais certa? Admitir que eles tivessem adquirido esses conhecimentos por via científica não é defensável; eles não fizeram senão fixar uma tradição que se remontava às primeiras épocas de humanidade, e a prova é que nos encontramos as linhas mestras dessa mesma tradição em todas as cosmogonias dos povos orientais.”
“Sim, quando se lê sem preconceitos o primeiro capítulo do Gênesis, pode se constatar em seu autor uma ciência tão profunda que supera de cem côvados todas as noções dos sábios de sua época, uma ciência ainda mais inexplicável, humanamente, que a dos construtores da Grande Pirâmide e ao mesmo tempo, uma adivinhação incrível dos fatos os mais certos e autênticos revelados pela Ciência.”
O astrônomo Piazzi-Smith, que dedicou uma parte de sua vida às pirâmides, concluiu:
Criação, catedral de Saint Edmundsbury, Inglaterra
A Criação, catedral de São Edmundsbury, Inglaterra
“ou bem os construtores desse monumento único no mundo possuíam uma ciência tão avançada quanto a nossa, coisa que é extravagante e quase incrível, ou bem agindo como guardiões de uma tradição que se remontava às épocas primeiras, quiseram fixar na pedra, dados depositados pela Revelação no espírito do primeiro homem (...) assim se explicaria, pensava ele, como se transmitiram de época em época os secretos relativos a dados científicos brutos, por meio de castas privilegiadas.
Tal seria a origem, por meio dos sacerdotes egípcios, do que eu chamei de “ciência misteriosa dos Faraós”. Se tudo tivesse acontecido como imaginava Piazzi-Smith, não seria inverossímil acreditar que uma parte pelo menos desta ciência hierática transudou nas inscrições hieroglíficas dessas épocas remotas”, afirma o Pe. Moreux.

O Pe. Théophile Moreux em sua mesa de trabalho
O Pe. Théophile Moreux em sua mesa de trabalho
Por certo, as teses do Pe. Moreux causaram polêmica. E ainda causarão.

Nessa polêmica tal vez haja dados ou considerações a corrigir, retirar ou acrescentar. Não será de espantar, é próprio da ciência.

A crescente precisão das teorias e dos instrumentos científicos vieram a trazer números mais exatos, sem entretanto invalidar os utilizados pelo sacerdote. Antes bem, pela sua proximidade falam bem da seriedade do trabalho do Pe. Moreux.

Mas, não se pode negar que suas posições teológico-histórico-científicas levantam problemas muito importantes.

E levantar indagações e até polêmicas que induzem a novos e sérios estudos e aprofundamentos já é um mérito inconteste nos âmbitos científicos.

(Fonte: Pe. Théophile Moreux, ”La Science Mystérieuse des Pharaons”, Librairie Octave Doin, Gaston Doin éditeur, Paris, 1925, 238pp.)