terça-feira, 21 de outubro de 2008

Sobre o contestado teste do carbono 14 no Santo Sudário

Santo Sudário, negativos de fotos, corpo inteiro

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




No dia 21 de abril de 1988, o Arcebispo de Turim, Cardeal Anastácio Ballestrero, com o auxílio do microbiólogo italiano Giovanni Riggi, cortou uma pequena amostra de 10x70 mm do tecido do Sudário, bem distante da figura central e de qualquer área queimada ou remendada.

Partiu-a em três pequenas amostras e as distribuiu para representantes de três centros de estudos ‒ Zurich, Oxford e Arizona ‒ a fim de que fossem submetidas à análise da idade, por meio do teste do carbono 14. O carbono existe em todas substâncias orgânicas e começa a decrescer em quantidade após a morte delas, sendo assim possível estabelecer a idade aproximada do objeto analisado.

Santo Sudário, replica em Santa Croce In Gerusalemme, RomaNo mês de outubro daquele ano a equipe de Oxford, em conferência no British Museum, declarou que a análise do carbono 14 indicava que o tecido era de origem medieval, tendo sido produzido entre os anos 1260 e 1390!

A ciência parecia entrar em contradição com tudo o que ela própria demonstrara anteriormente.

Entretanto, o que mais abalou os fiéis foi um desconcertante comunicado oficial do mesmo cardeal, publicado no 14 de outubro daquele ano, no "Osservatore Romano":

“Por intermédio do Dr. Tite, do British Museum, coordenador do projeto ... comunicaram finalmente em 28 de setembro de 1988 ao guardião pontifício do Santo Sudário os resultados de suas pesquisas.

“Este documento estabelece, com uma taxa de confiabilidade de 95%, que o tecido do Sudário tem sua origem entre 1260 e 1390.”

O que era tão evidente nas análises anteriores parecia cair por terra.

Por que aceitar assim, sem maiores discussões, o resultado apresentado por esses laboratórios?

Por que não realizar outros exames de partes diferentes do tecido?

O Sudário não teria sofrido alterações na quantidade de carbono 14, por ter sido atingido por dois incêndios, o de 1532 e outro anterior, cujos vestígios podem ser detectados na sagrada mortalha?

Foi o que se perguntaram muitos cientistas. A polêmica apenas estava começando.

(Autor: Diogo Waki)


Se o seu email não visualiza corretamente o video embaixo clique aqui



3 comentários:

  1. Durante a idade média havia um florescente comercio de quinquilharias religiosas tais como lascas da cruz de cristo, fragmentos do manto sagrado, etc. Obviamente era tudo falsificado por espertalhões para obter lucro dos ingenuos.A igreja da época até incentivava ou fazia vista grossa uma vez que também se utilizava de um truque semelhante vendendo indulgencias. Existe a hipotese de que um modelo vivo tenha sido usado na época para fabricar o sudario o qual, depois de pronto foi vendido a peso de ouro para algum nobre como sendo verdadeiro. Admito que o sudario seja impressionante a primeira vista mas, como a própria igreja admite, trata-se de uma reliquia e não de prova confiavel.

    ResponderExcluir
  2. O teste do carbono 14 é incontestável ,esses 5% e apenas a diferença de alguns anos não da sua veracidade .

    ResponderExcluir
  3. Mas é incontestável que o que tem é sangue e vermelho..só é vermelho depois de tanto tempo pq a pessoa não bebeu água..e as feridas são iguais a de Jesus..pegou fogo 2x e não atingiu o desenho do corpo..tem um cientista q estudou por 37 anos..e 17 achando q era falso...depois constatou a veracidade e sua legitimidade,,,

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.