segunda-feira, 22 de novembro de 2010

A travessia do Mar Vermelho estudada por cientistas - 2

Travessia do Mar Vermelho, Ivan Aivazovsky
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Há muita discussão científica séria sobre qual foi o local exato da travessia.

A maioria dos cientistas que estudam o texto bíblico, e que são citados pelos autores Carl Drews e Weiqing Han, julgam que a melhor tradução para o nome hebraico “Yam Suph” não é “mar Vermelho”, mas sim “mar de Caniços”.

Esta denominação geográfica designa uma área pantanosa (daí os caniços, plantas aquáticas) onde o Nilo encontra o mar Mediterrâneo.

E, de fato, as rochas e sedimentos da região do delta do Nilo nessa época apontam a presença de um grande braço do rio que se conectava com uma lagoa salobra, chamada “lago de Tânis”.


O vento do oriente descrito no Êxodo, segundo esta tese científica, teria feito recuar as águas rasas (com cerca de 2 m de profundidade) do braço do Nilo e do lago.

Isso teria permitido a passagem de Moisés e seu povo para longe dos guerreiros do faraó.

Há uma certa hostilidade contra o professor Drews porque é cristão e tem um site no qual defende a compatibilidade entre ciência e fé. Mas esta hostilidade não é parte da ciência e se insere num debate filosófico-teológico.

Han e Drews não pretendem ter provado o milagre do ponto de vista sobrenatural e religioso. É razoável, pois não é esta tarefa do cientista.

Eles sustentam que os fatos naturais referidos na narração bíblica não contrariam a ordem da natureza e mostram como poderiam ter acontecido.

Os cientistas citam a ocorrência de fenômenos parecidos em épocas mais ou menos recentes.

Um vento conseguiu façanha parecida em 2006 e 2008 no lago Erie, nos EUA. No fim do século 19, oficiais britânicos viram algo do gênero acontecer no próprio Nilo.

O recuo das águas pelo vento no Nilo foi testemunhado pelo major-general Alexander Tulloch, do Exército britânico, em 1882 no lago Manzala, norte do Egito. Ele escreveu em artigo:


“Certo dia, uma rajada de vento leste se tornou tão forte que tive de parar de trabalhar. Na manhã seguinte, descobri que o lago Manzala tinha desaparecido totalmente. O vento na água rasa havia levado o lago para além do horizonte, e os nativos estavam caminhando na lama, num local onde, no dia anterior, havia barcos de pesca flutuando n'água.”

Veja vídeo
Travessia do Mar Vermelho
pode ser confirmada
cientificamente
O próprio Tulloch ficou impressionado pela similitude entre o que viu e o relato do Êxodo.

“Ao notar esses efeitos extraordinários, passou pela minha cabeça que eu testemunhara um evento similar ao que aconteceu entre 3.000 e 4.000 anos atrás, na época da travessia do chamado mar Vermelho pelos israelitas”, escreveu o oficial.

É de se notar apenas que o fenômeno foi semelhante mas não idêntico: os judeus atravessaram a pé enxuto enquanto que os nativos caminhavam na lama.

O milagre consistiu em que Deus fez acontecer esse fenômeno natural: “um vento impetuoso vindo do oriente, que soprou toda a noite” que “pôs o mar a seco”.

O fenômeno raríssimo se não é único através dos séculos e dos milênios, aconteceu no exato momento em que os judeus iam ser capturados ou mortos pelos egípcios.

E as águas fecharam-se no exato momento em que o exército do faraó estava no meio.

O gesto de Mosés estendendo as mãos sobre as águas ‒ um gesto de mando e oração ‒ do ponto de vista humano é absolutamente incapaz de produzir os fenômenos de abrir as águas e depois fechá-las, aliás num momento tão específico como se lhe obedecessem.

Esse fenômeno provocado pelo gesto de um profeta de Deus sim constitui um milagre clamoroso.

Deus quis a oração do profeta para mostrar que:

1) só Deus podia desencadear esse jogo de forças da natureza com pasmosa coincidência, e

2) Moisés era o enviado dEle e sem a mediação do profeta Deus não teria feito o milagre.

Há outras hipóteses científicas sobre o local exato do milagre que ainda estão sendo discutidas.

O trabalho dos cientistas Carl Drews e Weiqing Han tem o mérito de confirmar o relato bíblico em seu aspecto natural, que para alguns fracos de fé podia parecer fantasia.

Se nesse ponto prático a Bíblia, mais uma vez, tem razão, então, em sã lógica é criterioso supor que o milagre aconteceu como a Revelação e a Fé nos ensinam.


Vídeo: travessia do Mar Vermelho pode ser confirmada cientificamente



segunda-feira, 15 de novembro de 2010

A travessia do Mar Vermelho estudada por cientistas - 1

Travessia do Mar Vermelho, Cosimo Rosselli.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Um dos mais retumbantes fatos da História Sagrada foi analisado por cientistas americanos. Eles refizeram com modelos computacionais as condições em que ele poderia ter acontecido.

Trata-se da travessia do Mar Vermelho durante o êxodo do povo eleito, que saiu da escravidão no Egito rumo à Terra Prometida, sob a condução de Moisés o grande profeta e legislador de Israel.

O milagre teve duas grandes dimensões: uma natural, sem dúvida pasmosa, e outra sobrenatural, a mais importante.

Na maior parte dos milagres, Deus age através de causas naturais. E estas causas podem ser estudadas pelo homem. E, no caso, o foram por Carl Drews, do Centro Nacional de Pesquisas Atmosféricas dos EUA, e Weiqing Han, da Universidade do Colorado em Boulder, EUA.

Veja vídeo
Travessia do Mar Vermelho
pode ser confirmada
cientificamente

Eles chegaram à conclusão que o “milagre” visto pelo lado material, portanto das causas segundas, é compatível com as leis da física. É o que compete à ciência nestes casos. À Igreja cabe se pronunciar sobre o lado sobrenatural, neste caso, revelado por Deus na Bíblia e, portanto, fora de discussão.

Esses cientistas até montaram por via digital um cenário que eles consideram “relativamente próximo” do descrito no livro do Êxodo, o segundo da Bíblia.

O longo e exaustivo trabalho foi publicado pela revista científica “PLoS One” e pode ser lido na Internet. Outro artigo dos mesmos autores menos técnico e mais resumitivo pode ser lido no site NCAR - UCAR News Center (University Corporation for Atmospheric Research).

De fato, na descrição do milagre incluída no livro do Exodus encontram-se descritos os fatores naturais de que Deus se serviu para o milagre com estas palavras:

Moisés
“21. Moisés estendeu a mão sobre o mar. O Senhor fê-lo recuar com um vento impetuoso vindo do oriente, que soprou toda a noite. E pôs o mar a seco. As águas dividiram-se

22. e os israelitas desceram a pé enxuto no meio do mar, enquanto as águas formavam uma muralha à direita e à esquerda.

23. Os egípcios os perseguiram: todos os cavalos do faraó, seus carros e seus cavaleiros internaram-se após eles no leito do mar.

24. À vigília da manhã, o Senhor, do alto da coluna de fogo e da de nuvens, olhou para o acampamento dos egípcios e semeou o pânico no meio deles.

25. Embaraçou-lhes as rodas dos carros de tal sorte que, só dificilmente, conseguiam avançar. Disseram então os egípcios: “Fujamos diante de Israel, porque o Senhor combate por eles contra o Egito.”

26 .O Senhor disse a Moisés: “Estende tua mão sobre o mar, e as águas voltar-se-ão sobre os egípcios, seus carros e seus cavaleiros.”

27. Moisés estendeu a mão sobre o mar, e este, ao romper da manhã, voltou ao seu nível habitual. Os egípcios que fugiam foram de encontro a ele, e o Senhor derribou os egípcios no meio do mar.

28. As águas voltaram e cobriram os carros, os cavaleiros e todo o exército do faraó que havia descido no mar ao encalço dos israelitas. Não ficou um sequer.

29. Mas os israelitas tinham andado a pé enxuto no leito do mar, enquanto as águas formavam uma muralha à direita e à esquerda.

30. Foi assim que naquele dia o Senhor livrou Israel da mão dos egípcios. E Israel viu os cadáveres dos egípcios na praia do mar.” Êxodo, cap. 14

Os cientistas Drews e Han, estimam que para empilhar as águas e abrir uma passagem com alguns quilômetros de largura teria sido necessário um vento de velocidade próxima de 100 km/h, soprando sobre a desembocadura do rio Nilo durante 12 horas. Portanto, se “soprou toda a noite” (n. 21) teria sido suficiente.

Drews e Han chegaram a essa conclusão com simulações, em computador, do comportamento do líquido, e levando em conta como seria a topografia do Egito no fim da Idade do Bronze (por volta de 1250 a.C.).

Essa é a época mais aceita para a fuga dos israelitas, liderados pelo profeta Moisés.



Vídeo: travessia do Mar Vermelho pode ser confirmada cientificamente



terça-feira, 2 de novembro de 2010

O Homem do Sudário, exposição em cidades brasileiras

Exposição "Homem do Sudário", Curitiba
Sob o título Homem do Sudário, realizou-se em Curitiba, no Shopping Center Palladium, uma extraordinária exposição sobre o Santo Sudário de Turim.

Reproduções em tamanho natural da própria relíquia; da Coroa com a qual foi crucificado o Salvador, feita com espinhos da mesma planta que foi usada na Paixão, colhidas nas proximidades de Jerusalém; dos cravos que pregaram o Redentor na cruz; dos dois tipos de flagelos usados pelos romanos na época; tudo isso apresenta uma imagem impressionante do que foi o indizível sofrimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, como também o esplendoroso de sua Ressurreição.

Percurso do Santo Sudário na História
Cerca de 30 painéis temáticos explicam detalhadamente os vários aspectos da exposição.

Um mapa mostra o caminho percorrido pelo precioso linho desde Jerusalém, passando por várias cidades do Oriente Médio e pela França, até chegar a Turim.

O trajeto foi cientificamente comprovado pela presença de pólen de plantas típicas de cada região percorrida.

A projeção de imagens que se superpõem apresenta um estudo comparativo, mostrando a semelhança das pinturas da face do Salvador feitas a partir do século IV, com a imagem obtida na fotografia do Santo Sudário.

Isto se explica pelo fato de o Concílio de Nicéia (325) ter determinado que, a partir de então, toda reprodução deveria ter como modelo aquela relíquia.

Reprodução holográfica (tridimensional)
Muito ilustrativos também são os painéis sobre as principais descobertas científicas que comprovam a autenticidade da relíquia.

O mais impressionante de toda a exposição, entretanto, é uma reprodução holográfica (tridimensional) projetada sobre duas placas de vidro paralelas, do corpo de Nosso Senhor em tamanho natural como estava na sepultura.

A imagem é vista de pé, pela frente e pelas costas. Tem-se a impressão de estar em presença do próprio Corpo Sagrado de Nosso Senhor.

“O Homem do Sudário” supera, do ponto de vista de recursos técnicos, o que se podia ver por ocasião da última mostra oficial da relíquia em Turim, se bem que a presença da própria relíquia torne a de Turim absolutamente insuperável e incomparável.

* * *

Os ateus, materialistas e agnósticos tinham a ilusão de que o avanço da ciência haveria de lhes dar as provas definitivas de que Deus foi uma invenção humana, para explicar aquilo que os homens não conseguem entender — um mito, portanto.

Coroa de espinhos
Todos os mistérios do universo iriam sendo desvendados, e por fim não haveria mais necessidade de apelar para um ser superior, misterioso, que estaria na origem de tudo.

O que aconteceu foi exatamente o contrário: quanto mais avança a ciência, tanto mais ela descobre que o número de mistérios não desvendados é hoje muito maior do que aquilo que já foi esclarecido.

Mais ainda, ela está mostrando e provando que existem fatos inexplicáveis — milagrosos — que contrariam as leis da natureza, e de tal forma confirmam narrações históricas de milagres, que não deixam dúvidas de que os fatos realmente se deram e foram milagrosos.

Os exemplos são numerosos. Fatos como esses, cientificamente comprovados, só se encontram dentro da Igreja Católica.

Os milagres de Lourdes talvez sejam os que há mais tempo vêm sendo comprovados pela ciência.

Mais recentemente, famosos institutos de pesquisas analisaram outros aspectos de milagres: os da imagem de Nossa Senhora de Guadalupe, que apareceu em no México em 1531; o das Espécies Consagradas, por volta do ano 700, em Lanciano na Itália; o véu da Sagrada Face de Manoppello. Todos eles com resultados surpreendentes e, para os ateus, desconcertantes.

Segundo o professor Angelo Montanti da Universidade de Glendale na Califórnia

“o objeto cultural mais surpreendente e mais estudado de toda a história da humanidade é o Santo Sudário de Turim. [...]

“As investigações científicas têm revelado muito mais do que qualquer estudioso poderia esperar, confirmando de maneira espantosa tudo o que os textos sagrados e a história até hoje nos tinham feito conhecer.

“Uma falsificação é hoje hipótese inteiramente descartada. [...]

“A crueldade da Paixão excede de muito o que mostram as representações tradicionais de Jesus”.

(Autor: Carlos Eduardo Schaffer, in “Catolicismo”, setembro de 2010)

Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de 'Ciência confirma a Igreja' no meu Email